/

Encontrados fragmentos de um meteorito que explodiu sobre a Antártida há 430 mil anos

Mark A. Garlick

Uma equipa internacional de cientistas espaciais encontrou novas evidências de um impacto de meteorito em baixa altitude que atingiu a camada de gelo da Antártida há 430 mil anos.

Partículas extraterrestres – esférulas de condensação – recuperadas no cume de Walnumfjellet, nas Montanhas Sør Rondane, Queen Maud Land, no leste da Antártida, indicam um impacto incomum, onde um jato de material meteorítico derretido e vaporizado, resultante da entrada atmosférica de um asteróide com pelo menos 100 metros, atingiu a superfície em alta velocidade.

Este tipo de explosão causada por um impacto de um único asteróide é descrito como intermediário, uma vez que é maior do que uma explosão de ar, mas menor do que um evento de cratera de impacto.

As partículas extraterrestres examinadas foram encontradas durante a expedição de Meteoritos Antárticos Belgas (BELAM) 2017-2018 baseada na Belgian Princess Elisabeth Antarctica Research Station e financiada pela Política Científica Belga (Belspo).

O principal volume condrítico, a química do oligoelemento e o alto teor de níquel dos detritos demonstram a natureza extraterrestre das partículas recuperadas.

Os seus marcadores isotópicos de oxigénio únicas indicam que interagiram com o oxigénio derivado do manto de gelo da Antártida durante a sua formação na pluma de impacto.

Segundo a equipa liderada por Matthias van Ginneken, do Centro de Astronomia e Ciências Planetárias da Escola de Ciências Físicas, os resultados indicam que este foi um impacto muito mais perigoso que os eventos de Tunguska e Chelyabinsk sobre a Rússia em 1908 e 2013, respetivamente.

Esta investigação é uma importante descoberta para o registo geológico onde as evidências destes eventos são escassas devido à dificuldade em identificar e caracterizar as partículas de impacto.

O estudo destaca ainda a importância de reavaliar a ameaça de asteróides de médio porte, uma vez que é provável que eventos semelhantes produzam partículas semelhantes.

Este evento seria destrutivo numa grande área, correspondendo à área de interação entre o jato quente e o solo.

“Embora os eventos não ameacem a atividade humana se ocorrerem sobre a Antártida, se ocorressem acima de uma área densamente povoada, resultariam em milhões de vítimas e graves danos em distâncias de até centenas de quilómetros”, disse van Ginneken, em comunicado.

Este estudo foi publicado no fim de março na revista científica Science Advances.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.