Estudo mostra como é que empresas evitam pagar mil milhões de dólares em impostos

Os paraísos fiscais tornaram-se uma característica definidora do sistema financeiro global. As empresas multinacionais podem usar vários esquemas para evitar o pagamento de impostos nos países onde obtêm grandes receitas.

Num estudo publicado este ano na revista International Tax and Public Finance, a equipa de investigadores estima que cerca de 420 mil milhões de dólares em lucros corporativos são deslocados de 79 países a cada ano.

Isso equivale a cerca de 125 mil milhões em receita tributária perdida para esses países. Como resultado, os seus serviços estatais são subfinanciados ou são financiados por outros contribuintes, geralmente de baixos rendimentos.

Dada a natureza do problema, é intrinsecamente difícil detetar evasão fiscal. Para contornar isto, os investigadores usaram dados sobre investimento direto estrangeiro (IDE) recolhidos pelo Fundo Monetário Internacional para verificar se as empresas pertencentes a paraísos fiscais relatam lucros mais baixos em países com impostos altos em comparação com outras empresas.

A equipa descobriu que os países com uma parcela maior de IDE de paraísos fiscais apresentam lucros sistemáticos e significativamente menores, sugerindo que esses lucros foram transferidos para paraísos fiscais antes de serem reportados em países com altos impostos.

Descobrimos que os países de baixos rendimentos perdem pelo menos tanto quanto os países desenvolvidos (em relação ao tamanho das suas economias). Ao mesmo tempo, são menos capazes de implementar ferramentas eficazes para reduzir a quantidade de lucro transferido para fora dos seus países.

Três canais de mudança de lucro

Existem três canais principais que as multinacionais podem usar para transferir lucros de países com impostos altos: transferência de dívida, registo de ativos intangíveis, como direitos de autor ou marcas registadas em paraísos fiscais, e uma técnica conhecida como “strategic transfer pricing“.

Para perceber como é que estes canais funcionam, imagine que uma multinacional seja composta por duas empresas, uma localizada numa jurisdição com altos impostos como a Austrália (empresa A) e outra localizada numa jurisdição de baixos impostos como as Bermudas (empresa B). A empresa B é uma holding e detém totalmente a empresa A.

Embora as duas empresas paguem impostos sobre o lucro obtido nos seus respetivos países, um dos três canais é usado para transferir lucros do país com impostos altos para o país de baixa tributação.

Transferência de dívida é quando a empresa A pede dinheiro emprestado (embora não precise) da empresa B e paga juros sobre esse empréstimo à empresa B. Os pagamentos de juros são um custo para a empresa A e são dedutíveis na Austrália. Portanto, eles reduzem efetivamente o lucro que a empresa A apresenta na Austrália, enquanto aumentam o lucro reportado nas Bermudas.

No segundo canal, a multinacional transfere os seus ativos intangíveis para a empresa B, e a empresa A paga royalties à empresa B para usar esses ativos. Os royalties são um custo para a empresa A e diminuem artificialmente o seu lucro, aumentando o lucro menos tributado da empresa B.

O strategic transfer pricing, o terceiro canal, pode ser usado quando a empresa A negoceia com a empresa B. Para definir preços para o comércio, a maioria dos países atualmente usa o chamado “princípio do comprimento do braço”. Isso significa que os preços devem ser definidos da mesma forma que seriam se duas entidades não associadas negociassem entre si.

Mas, em prática, muitas vezes é difícil determinar o preço de mercado e há um espaço considerável para as multinacionais definirem o preço de uma maneira que minimize os seus passivos fiscais globais.

Imagine que a empresa A fabrica calças e vende-as para a empresa B, que as vende nas lojas. Se o custo de fabricação de um par de calças for de 80 dólares e a empresa A estiver disposta a vendê-lo para a empresa C por 100 dólares, elas vão conseguir 20 dólares em lucro e pagarão menos impostos.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Para não falar dos acordos tributários dos grandes gigantes (Apple, Google, etc) com países europeus (Irlanda, Holanda, etc) em que pagam 2 ou 3% de impostos…..

    • Isso é um incentivo do país, é melhor receber 5% de algo do que 20% de nada.

      Por exemplo, se Portugal tivesse baixado os impostos sobre os lucros da Tesla, e eles aceitassem construir a fábrica em Portugal, haveria emprego para construir e posteriormente operar a fábrica.
      Mesmo que alguns dos funcionários não fossem portugueses, Portugal receberia IRS sobre todos esses postos de trabalho, segurança social, haveria mais dinheiro a circular, ou seja IVA sobre todo o consumo desses trabalhadores, e por fim 2 ou 3 ou 5% (ou la o que fosse acordado) sobre os lucros.
      Assim temos 100% sobre nada, mas toda a gente está feliz .
      O tuga está feliz porque o nosso governo não vergou aos grandes capitais, a Tesla está feliz porque está a pagar menos impostos noutro país.

      O mesmo acontece com Google, Apple e outras grandes empresas.

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …