Empresas estão a aumentar prazos de pagamento para se financiarem

George Grinsted / Flickr

-

As empresas têm vindo a dilatar cada vez mais os prazos de pagamento dos bens e serviços adquiridos como forma de financiarem o crescimento do respetivo negócio a nível mundial, conclui um estudo hoje divulgado.

De acordo com o trabalho da seguradora de créditos Euler Hermes, acionista da Cosec, a cadeia de pagamentos a nível mundial está “a sofrer pressões crescentes devido não só ao aumento do número de dias que as empresas demoram a pagar os bens e serviços adquiridos, mas também pelos enormes desafios provocados pelo abrandamento económico nos mercados emergentes e pela expansão nas economias avançadas”.

“Os dados sugerem que as empresas continuam a depender do aumento dos prazos de crédito já que, globalmente, não registamos qualquer redução no número de dias de pagamento”, refere a seguradora, que analisou o período de tempo entre a disponibilização de um produto e o dia do pagamento efetivo desse bem, denominado Prazo Médio de Pagamento (PMP) e considerado um “indicador da boa saúde das empresas e da potencial existência de dificuldades financeiras ao longo da cadeia de distribuição”.

Segundo o economista-chefe da Euler Hermes, Ludovic Subran, as empresas localizadas nos mercados emergentes recebem o pagamento cinco dias mais tarde que as suas congéneres em países economicamente mais avançados, quando em 2007 recebiam 10 dias mais cedo.

Neste contexto, “as empresas têm de redobrar os cuidados para antecipar sinais de problemas de tesouraria por parte dos seus clientes nos países emergentes”.

No geral, a seguradora antecipa que o PMP nos mercados emergentes vai aumentar para os 69 dias em 2015, com a Rússia, China e Brasil a liderarem no “deslize” de número de dias.

No caso da China, o PMP aumentou 22 dias entre 2007 e 2015, sendo que a Euler Hermes atribui esta situação ao facto de as empresas chinesas terem vindo a procurar clientes internacionais, concedendo-lhes crédito como forma de angariação de negócio, a que se junta o facto de estarem a sofre as consequências do abrandamento económico do país e a transferir a “tensão de tesouraria” para os seus fornecedores e clientes.

Por outro lado, refere, o crédito interempresas “tornou-se uma das principais formas de financiamento, já que o acesso a crédito através dos bancos ou por recurso ao sistema financeiro paralelo está cada vez mais dificultado desde o ano passado”.

Já nas economias mais avançadas, o relatório da Euler Hermes estima que o PMP diminua para os 64 dias em 2015 (65 em 2014), “acompanhando a recuperação económica no sentido em que as empresas nestes mercados estão, novamente, a gerar dinheiro, permitindo o pagamento mais célere de faturas”.

Das conclusões do estudo resulta ainda que as empresas italianas continuam a ser pagas de forma muito lenta (99 dias), 33 dias acima da média mundial, enquanto as empresas chinesas e as indianas são pagas, em média, a 74 e 77 dias, respetivamente, e as holandesas são as que recebem os pagamentos das suas faturas mais cedo (47 dias).

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Após 2 anos preso, Pedro Dias assume três homicídios e diz-se arrependido

Pedro Dias, conhecido pelos homicídios de Aguiar da Beira, manifesta-se arrependido pelos crimes por que foi condenado a 25 anos de prisão, após cumprir dois anos da pena. Um arrependimento que é também um assumir …

Orçamento da UE. Proposta agrava corte de Portugal na coesão em 2 mil milhões

A proposta do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, prevê um corte de 2 mil milhões de euros no envelope da coesão para Portugal. Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia iniciaram esta …

Russos atormentam Estados Unidos outra vez. Presidenciais são o alvo

Os serviços secretos norte-americanos estão convencidos de que os russos estão, novamente, a tentar influenciar as presidenciais daquele país. Faltam nove meses para as eleições presidenciais norte-americanas, mas já há suspeitas de que os russos estão …

Processo obscuro e pouco transparente. Expansão do Metro do Porto cria mal-estar

O alargamento do Metro do Porto está a criar mal-estar entre algumas autarquias da área Metropolitana do Porto. Os autarcas falam num processo obscuro e pouco transparente. O protocolo para consolidação da expansão da rede de …

Barcelona contrata jogador com o mercado fechado (mas Leganés não pôde fazer o mesmo)

O Barcelona foi autorizado a contratar um jogador com o mercado fechado, mas o pedido do Leganés foi rejeitado. O clube perdeu Braithwaite para o clube catalão. O FC Barcelona anunciou, esta quinta-feira, a contratação do …

Portugueses gastam 160 euros por ano na "epidemia das raspadinhas". 11 vezes mais do que os espanhóis

De acordo com um estudo recente, há cada vez mais pessoas a chegarem aos consultórios médicos com a doença do jogo patológico desencadeada pela raspadinha. Num artigo científico publicado na The Lancet, Pedro Morgado e Daniela …

Direita chega ao jogo das comissões no MB Way. PSD e Chega juntam-se ao PS

O PSD quer alargar serviços dentro das contas de baixo custo e incluir transferências via a aplicação da SIBS. O Chega quer eliminar custos nessas transações. Depois da esquerda, é a vez da direita marcar terreno …

Fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sepultura errada

Numa tentativa de prestar homenagem ao ex-basquetebolista, vários fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sua sepultura. O problema é que o têm na campa de outra pessoa. Quase um mês depois …

Precários das escolas ganham menos 170 euros por mês ao entrarem nos quadros

Nas escolas, os psicólogos que passem a efetivos através do PREVPAP passam a ganhar menos 170 euros por mês. Há outros trabalhadores na mesma situação. Os psicólogos precários que trabalham em escolas passam a ganhar menos …

Numa Liga Europa "aportuguesada", o Sporting foi o único a rugir

O Sporting foi a única equipa portuguesa a conseguir vencer nos 16-avos-de-final da Liga Europa. Benfica, FC Porto e SC Braga saíram derrotados dos seus respetivos jogos. A Liga Europa é casa dos emblemas portugueses esta …