Empresas que abusem de contratos a termo vão pagar taxa anual entre 1% a 2%

Mário Cruz / Lusa

O Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva

As empresas que recorram de forma excessiva aos contratos a prazo vão pagar uma taxa anual à Segurança Social entre 1% e 2% a partir do final de 2019, segundo medidas apresentadas pelo Governo aos parceiros sociais.

A medida faz parte do pacote de propostas que o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, apresenta esta tarde na Concertação Social com vista à redução da segmentação do mercado de trabalho e dinamização da contratação coletiva, não estando ainda fechadas.

A taxa proposta pelo Governo será aplicada sobre a massa salarial dos trabalhadores com contratos a termo, sendo progressiva entre 1% a 2% e terá em conta a média dos contratos a prazo em cada setor de atividade.

Segundo explicou uma fonte do Governo, trata-se de “criar uma contribuição adicional para as empresas com excesso de rotatividade, por utilizarem em excesso contratos a prazo”, que resultará numa receita extra para a Segurança Social entre 70 a 90 milhões de euros.

A taxa será aplicada quando as empresas ultrapassarem a média de contratos a termo prevista em cada setor, pelo que será variável: quanto maior o número de trabalhadores a prazo a empresa tiver acima dessa média setorial, maior será a penalização.

Fonte do Governo explicou que as médias setoriais dos contratos a termo já existem, sendo geradas pelo atual sistema contributivo através das declarações à Segurança Social, mas terão ainda de ser aperfeiçoadas. Para já, os parceiros sociais irão discutir a medida tendo em conta os valores atuais e provisórios.

O Governo prevê que no final deste ano as médias oficiais já estejam identificadas setor a setor e que, em 2019, o comportamento das empresas será afetado, prevendo-se o primeiro pagamento da nova taxa no final de 2019.

Na prática, as empresas saberão, num primeiro momento, qual a média dos contratos a prazo do seu setor, farão as contratações que entenderem e, ao fim de um ano, se ultrapassarem a média estabelecida serão penalizadas pela nova taxa.

As médias setoriais que servem de base para calcular a taxa sobre os contratos a prazo são ajustadas anualmente e será reavaliada a necessidade de manter ou não a taxa. Além disso, não contam para a média as contratações a prazo que não sejam da responsabilidade do empregador, como é o caso de substituições de baixa por doença ou licença de parental, por exemplo.

Até lá, será dado um estímulo às empresas para converterem contratos a termo em contratos sem termo, estando previsto um reforço “transitório” durante um determinado período do apoio financeiro já previsto atualmente nas políticas ativas de emprego. O valor desse apoio ainda não está definido.

Em declarações à Renascença, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, diz não concordar com a criação da nova taxa. “Num momento em que as empresas estão a contratar os novos empregos que foram criados – e que todos aplaudimos – 80% desses foram criados sem termo. Vir agora penalizar esta ou aquela questão quando a economia já está a reagir, não me parece o mais adequado“.

O ‘patrão dos patrões’ lamenta ainda que a nova taxa tenha sido anunciada por António Costa na comunicação social, mais concretamente numa entrevista à revista Visão, e não na reunião desta sexta-feira. “Lamento que o primeiro-ministro, em vez de anunciar previamente aos parceiros, utilize a comunicação social para anunciar o que se vai passar em concertação social. O Governo ultimamente deixou de nos entregar documentos previamente às reuniões de concertação.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esta lei é mais uma falsidade deste governo!
    Se querem penalizar as empresas que abusam dos contratos a prazo, não o façam com multas em que o estado vai Beneficiar.
    Se a intenção é reduzir os contratos a prazo, poderiam simplesmente;
    – Aumentar o valor das compensações de final de contrato.
    – Acabar com o subsidio de desemprego para contratos iguais ou superiores a um Ano não renováveis, onde o trabalhador teve 1 Ano para procurar outro trabalho.
    Vemos uma percentagem elevadíssima e assustadora de desempregados que, quando termina o direito ao subsidio de desemprego, passados 1 Mês já conseguiram arranjar emprego.
    Esta situação mostra de forma clara a dificuldade em arranjar emprego quando se recebe subsidio de desemprego.
    – Fiscalizar de forma mais eficiente trabalhadores e patrões, trabalhadores que estão a trabalhar e a receber subsidio de desemprego.
    Esta lei é mais uma maneira encapotada de aumentar impostos nomeadamente a TSU.

RESPONDER

ADN antigo revela mistério do extinto macaco das Caraíbas

Uma análise de ADN do misterioso macaco extinto das Caraíbas revelou que estes animais tinham um maior grau de parentesco com os macaco-titis oriundos da América do Sul do que com qualquer outra espécie.  Há cerca …

"Queria? Já não quer?". Finalmente, o livro que revela se está ou não correto

Brevemente nas livrarias, o livro Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português, da autoria de Marco Neves, promete desmontar os mitos que foram construídos em redor da língua portuguesa. Não, este não é só mais um …

Itália vs Portugal | Empate valeu apuramento e primeiro lugar

Portugal foi a Milão arrancar um empate sem golos ante a Itália, em jogo do Grupo 3 da Liga das Nações, e garantiram o apuramento para a final four da Liga das Nações. Numa partida …

Vespa asiática está a propagar-se pelo centro do país

A vespa asiática, ou vespa velutina, uma espécie invasora predadora das abelhas, está a propagar-se pela região centro do país, com ninhos identificados em todo o norte do distrito de Santarém, disse hoje à Lusa …

Já há mais de mil desaparecidos nos incêndios da Califórnia

As autoridades dos Estados Unidos informaram nesta sexta-feira que o número de desaparecidos no gigantesco incêndio que queima há mais de uma semana no norte da Califórnia já superam o milhar. Em conferência de imprensa, o …

As orcas partilham traços de personalidade com humanos e chimpanzés

As orcas exibem características de personalidade semelhantes aos humanos e chimpanzés, como a brincadeira, a alegria e o afeto, de acordo com uma nova investigação divulgada pela Associação Americana de Psicologia (AAP). Investigadores em Espanha analisaram …

Manifestante morre atropelada por mãe desesperada em bloqueio dos “coletes amarelos” em França

Uma manifestante dos “coletes amarelos” morreu em Sabóia, sudeste de França, atropelada por uma condutora em pânico, disse este sábado o ministro do Interior francês, Christophe Castaner. A condutora, que levava a filha ao médico, teve …

A César o que é de César. Costa fica a saber quem manda nos deputados do PS

António Costa está "muito satisfeito" com a liberdade de voto concedida pelo líder da bancada parlamentar do PS, Carlos César, aos deputados na proposta do Governo sobre o IVA da tauromaquia. Mas o mal-estar entre …

Distracção de professora provoca lesões em 40 crianças na China

A distracção de uma professora que se esqueceu de apagar uma luz ultravioleta numa escola de Tianjin, perto de Pequim, causou ferimentos e queimaduras em mais de 40 crianças, informou esta sexta-feira a imprensa local. Os …

A Terra está a comer os seus próprios oceanos

À medida que as placas tectónicas da Terra mergulham umas nas outras, arrastam 3 vezes mais água para o interior do planeta do que se pensava - e essa quantidade de água não está a …