Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um dia, em Marte.

“Percebemos que a área da alimentação tem um grande impacto a nível mundial e que tínhamos que revolucionar, reinventar o modo como se produzem alimentos”, começa por explicar Pedro Matias, presidente do Grupo ISQ, ao Dinheiro Vivo.

“O que fizemos no projeto Grow to Green foi provar que é possível produzir num ambiente indoor, dentro de câmaras frigoríficas, determinados tipos de alimentos e que essa produção tem um impacto muito diminuto a nível do ambiente”, acrescentou. O que começou como um projeto de investigação e desenvolvimento é agora uma nova empresa que está no mercado e que tem como clientes grandes superfícies comerciais e mercearias.

Além da redução no consumo de água necessária para produzir uma alface, Pedro Matias destaca que os produtos que são produzidos usando a tecnologia da Grow to Green “não têm químicos, não têm pesticidas” e podem ter “três ou quatro colheitas por ano“.

Além do ambiente, ganha também a saúde do consumidor. “Se nós tivermos a produzir estes alimentos logo à partida num ambiente imaculado, não vão existir bichinhos, não precisamos de lá pôr o inseticida. Do ponto de vista dos cuidados de saúde, é de alta importância para o ser humano, não está a consumir produtos contaminados”.

A poupança no processo de produção estende-se ainda à área que um agricultor precisa de ter disponível. “Um hectare de produção de qualquer tipo de alimento, que são dez mil metros quadrados, pode ser convertido numa câmara com 20 ou 30 metros quadrados de espaço”, explica Pedro Matias.

“A pegada ecológica de transporte dos alimentos deixa de acontecer, porque se pusermos dentro de um hipermercado várias câmaras, é o próprio consumidor que vai à câmara. A alface escusa de vir de qualquer região do país ou do globo e ter que ser transportado”, acrescentou.

Apesar de ainda não ter um projeto com as principais agências espaciais nesta área, Pedro Matias garante que “se houver qualquer empresa ou agência espacial que queira levar para Marte uma pequena câmara frigorífica da Grow to Green, pode levá-la e pode produzir alfaces, manjericão, tomilho, salsa, coentros. No fundo comer uma salada, como deve ser, a vários quilómetros de altitude”.

“Hoje em dia já é possível, não é ficção científica e já é possível com tecnologia portuguesa, isso é uma coisa que também nos deve encher de orgulho”, adianta.

As “alfaces marcianas” são um de vários projetos que estão a ser desenvolvidos e que provam que a tecnologia vai ser fundamental para resolver muitos dos problemas de sustentabilidade que o planeta enfrenta atualmente.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

OSIRIS-REx recolheu demasiadas amostras do Bennu (e está a perder parte delas)

A NASA revelou que a sonda OSIRIS-REx conseguiu recolher uma grande amostra de partículas do asteróide Bennu - tanto material que fez com que a tampa do compartimento não fechasse corretamente. Na semana passada, a sonda …

Cientistas captam atmosfera de um extraordinário exoplaneta que não deveria existir

Uma equipa de cientistas da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, captou a atmosfera de um exoplaneta "que não deveria existir" ao analisar dados do telescópio TESS da agência espacial norte-americana (NASA). O planeta em causa …

Refrigerantes light causam o mesmo risco de doenças cardíacas que bebidas normais

Um novo estudo da Universidade Sorbonne, em Paris, descobriu que bebidas adoçadas artificialmente - como as light, diet e zero - podem ser tão prejudiciais para o coração quanto os refrigerantes normais. Os investigadores, que acompanharam …

“Monstro patológico”. Documento revela que Henrique VIII planeou decapitação de Ana Bolena

Uma equipa de investigadores encontrou um livro que contém instruções específicas do rei Henrique VIII que mostram que o monarca queria que a sua segunda esposa, Ana Bolena, fosse executada. Neste documento, o rei Henrique VIII …

Robô humanóide sem cabeça empilha e carrega caixas (e já está à venda)

A fabricante de robôs Agility construiu um robô humanóide bípede chamado Digit, que consegue carregar caixas e que está a ser vendido por 250 mil dólares. De acordo com o TechXplore, o robô Digit foi projetado …

Porto 2-0 Olympiacos | Chama do “dragão” trava gregos

O FC Porto venceu na noite desta terça-feira o Olympiacos por 2-0, numa partida relativa à segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões, sob o olhar dos cerca de 3750 adeptos que se …

Antigos maias construíram filtros de água sofisticados (capazes de funcionar nos dias de hoje)

De acordo com uma pesquisa da Universidade de Cincinnati (UC), os antigos maias da cidade de Tikal construíram sofisticados filtros de água através do uso de materiais naturais importados. Os investigadores da UC descobriram evidências de …

Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem.  Ao longo dos …

ONG identifica entidades norte-americanas como "cúmplices" da destruição da Amazónia

Seis instituições financeiras norte-americanas são apontadas como "cúmplices" da destruição ambiental na Amazónia brasileira, assim como da violação dos direitos das comunidades indígenas da região, segundo um relatório de organizações não-governamentais (ONG). Um estudo elaborado pela …

OE2021. Uma morte anunciada da geringonça e o temor das coligações negativas

Já há confirmação de que a proposta do Orçamento do Estado para 2021 vai ser aprovada na generalidade, esta quarta-feira. O primeiro-ministro já só pensa na discussão na especialidade, na qual se avizinham os maiores …