“Emergência arqueológica”. O degelo dos Alpes está a “libertar” artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos.

O derretimento dos glaciares dos Alpes está a “liberta” objetos que permaneceram congelados no tempo durante quase 10 mil anos, de acordo com o jornal espanhol ABC.

Embora não se regozijem com os efeitos devastadores do aquecimento global, os investigadores admitem que a situação criou “uma oportunidade” para preencher as enormes lacunas na compreensão da vida nas montanhas há vários milénios.

“Fizémos descobertas fascinantes, que abrem uma janela para uma parte da arqueologia a que normalmente não temos acesso”, explicou Marcel Cornelissen, que liderou uma expedição a um sítio mesolítico a 2.800 metros de altitude, próximo do glaciar Brunifirm, no cantão suíço oriental de Uri.

Estas descobertas mudam a teoria difundida na década de 1990 de que os homens pré-históricos dificilmente se aventuravam nas altas montanhas. Ötzi, o corpo perfeitamente preservado de um caçador de 5.300 anos descoberto em 1991 na Áustria, é considerado uma exceção.

Em vez disso, as descobertas revelaram que os Alpes foram explorados e visitados durante milénios. “Agora sabemos que as pessoas escalaram montanhas até 3.000 metros em busca de cristais e outras matérias-primas”, disse Christian auf der Maur, arqueólogo do cantão de Uri.

Na passagem Schnidejoch, nos Alpes Berneses, a uma altitude de mais de 2.700 metros, foi encontrada uma aljava de casca de bétula, feita por volta de 3.000 a.C., o que confirma a riqueza deste sítio.

Posteriormente, foram encontradas calças e sapatos de couro do mesmo caçador, além de centenas de outros objetos, alguns deles com 6.500 anos.

“É muito emocionante, porque encontrámos peças que geralmente não encontraríamos nas escavações porque o gelo os preservou”, disse a arqueóloga Regula Gubler.

Outra evidência foi obtida em setembro deste ano, um fragmento de ráfia com nós, provavelmente de há seis milénios, que parece uma cesta frágil tecida com o mesmo material descoberto no ano passado.

Por outro, se é verdade que a mudança climática é uma bênção para a descoberta destes objetos, também é verdade que enfrentam uma rápida destruição quando são novamente expostos aos elementos.

Perante a emergência, os arqueólogos contam com caminhantes e alpinistas para ajudá-los a salvar o máximo possível. “Às vezes demora muito tempo e muita sorte”, disse o arqueólogo Pierre-Yves Nicod, que organizou uma exposição sobre arqueologia glaciar há dois anos e trabalha para o Musée d’histoire du Valais em Sion.

Foi o caso da descoberta de dois caminhantes italianos, que, em 1999, se depararam com uma escultura em madeira no glaciar Arolla, a uma altitude de 3.100 metros. Era “um objeto celta que remonta à Idade do Ferro”, com mais de 2.000 anos, mas cuja função permanece inexplicada até hoje.

Para Pierre-Yves Nicod, é urgente “sensibilizar a população que pode se deparar com este tipo de peças. É uma emergência arqueológica”, insiste.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Prova cabal do aquecimento global cíclico e natural, consequência dos ciclos naturais do Sol.
    Peido de vaca o escambau !

RESPONDER

Na primeira fase, será possível administrar 400 mil doses de vacinas “numa semana a dez dias”. Segunda ronda pode ser crítica

Os especialistas já fazem previsões. Se por um lado a primeira fase da vacinação contra a covid-19 se adivinha rápida, a segunda será poderá ser muito complicada. Os representantes dos profissionais dos centros de saúde - …

Bruxelas conclui que Zona Franca da Madeira violou regras e quer devolução das "ajudas indevidas"

A Comissão Europeia (CE) conclui que o regime da Zona Franca da Madeira (ZFM) desrespeitou as regras de ajudas estatais, pois abrangeu empresas que não contribuíram para o desenvolvimento da região, pelo que Portugal deve …

Chuva de críticas ao plano nacional de vacinação: "É vasto em imprecisões e impreparações"

Francisco Rodrigues dos Santos considerou que "faltou planeamento" no plano de vacinação português e observou que "basta comparar" com aqueles anunciados "na Alemanha, no Reino Unido ou em Espanha para perceber que há diferenças abismais". O …

O corpo ideal? O mistério das enigmáticas figuras pré-históricas de Vénus pode ter sido resolvido

Um dos primeiros exemplos mundiais de arte, as enigmáticas estatuetas de "Vénus" esculpidas há cerca de 30 mil anos, intrigaram os cientistas durante quase dois séculos. Agora, o mistério das estranhas figuras pode ter sido …

Nova geringonça à vista? Rui Rio mostra-se disposto a governar mesmo sem vencer eleições

São muitos os sinais que tem dado. Rui Rio está disponível para liderar uma futura maioria de direita se esta vier a surgir no quadro de futuras eleições legislativas - mesmo que o PSD seja …

Cientistas encontram nova criatura gelatinosa no fundo do mar (mas podem nunca mais voltar a vê-la)

Uma equipa de investigadores da Administração Nacional de Pesca Oceânica e Atmosférica (NOAA) revelou que descobriu Duobrachium sparksae, uma nova espécie de ctenóforo - ou águas-vivas-de-pente. A descoberta foi feita remotamente usando imagens de vídeo de …

Costa anuncia hoje medidas que vão vigorar nos períodos de Natal e de passagem de ano

O primeiro-ministro anuncia hoje as medidas de combate à covid-19 enquadradas pelo decreto presidencial de estado de emergência, que indicativamente vigorará até 7 de janeiro, incluindo os períodos de Natal e de passagem de ano. Na …

Especialistas explicam de que forma o novo coronavírus pode afetar o cérebro

Através do uso de amostras de tecido de pacientes que já morreram, uma equipa de investigadores conseguiu desvendar os mecanismos pelos quais o coronavírus é capaz de chegar ao cérebro de pacientes com covid-19 e …

Há círculos fantasmagóricos nunca antes vistos no céu (e os astrónomos não sabem o que são)

Em setembro de 2019, uma equipa de investigadores fez uma apresentação sobre objetos interessantes encontrados em novos dados radioastronómicos. Esses objeto tinham formas muito estranhas que não cabiam facilmente em nenhum tipo de conceito conhecido. A …

Já é possível ouvir a Via Láctea. NASA transforma dados de corpos celestes em música

A NASA converteu dados de astronomia em sons, permitindo ouvir composições musicais derivadas da própria estrutura do Universo. Especialistas da NASA transformaram dados da Via Láctea em sons graças a um processo conhecido como sonificação. …