Embaixada da China reage com “forte indignação” às declarações de Pompeo em Lisboa

1

Manuel de Almeida / Lusa

A embaixada da China em Portugal reagiu esta sexta-feira com “forte indignação e firme oposição” às declarações do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, sobre o governo e empresas chineses, durante a visita que fez na quinta-feira a Lisboa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Num comunicado enviado à agência Lusa, o porta-voz da embaixada afirma que as declarações do chefe da diplomacia dos Estados Unidos “para atacar o governo chinês e o Partido Comunista da China e manchar a empresa chinesa Huawei”, “revelam a mentalidade da guerra fria e os preconceitos ideológicos enraizados da parte americana”.

Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, Mike Pompeo afirmou que atribuir a transição para a quinta geração de telecomunicações (5G) à Huawei é um “risco de segurança”, porque o “partido comunista chinês não hesitará em usar todas as ferramentas ao seu dispor para oprimir”, e que devem proteger-se “os interesses dos cidadãos” garantindo que os seus dados “só chegam onde é seguro”.

O porta-voz da representação diplomática rebate as críticas assegurando que “nenhum país, nenhuma empresa ou nenhum indivíduo consegue apresentar provas fundadas para justificar a chamada ameaça de segurança de Huawei”.

Para a China, ao “manchar deliberadamente a Huawei”, os Estados Unidos pretendem “nada mais do que suprimir a exploração legítima da empresa tecnológica chinesa sob o pretexto de segurança”.

“Temos a expectativa e confiança de que as partes relevantes consigam discernir a intenção verdadeira dos Estados Unidos, abandonar a mentalidade da guerra fria e aderir aos princípios de equidade, justiça e não-discriminação, no sentido de impulsionar a cooperação de 5G entre as partes concernentes e construir em conjunto um ecossistema de 5G seguro, aberto, transparente e saudável”, afirma.

A China, lê-se também no documento, “sustenta firmemente a política diplomática pacífica de independência e autonomia” e “impulsiona a construção de um novo tipo de relações internacionais que se baseia no respeito mútuo, equidade, justiça, cooperação e de ganhos compartilhados”.

  // Lusa

1 Comment

  1. Os americanos não se cuidaram, também eles com toda a ciência e inteligência quiseram ganhar muito dinheiro com os chineses. Puseram-se a geito, hoje os cineses estão no pelotão da frente, é vergonhoso o que os americanos estão a fazer aos países que assinaram o 5G com os chineses Alemanha, Inglaterra, Portugal etc etc. Não concordo com o direito do governo chinês a partir de 01/01/2020 por decreto, puder fazer uso das minhas coisas caso o entenda, mas, os americanos também não o fazem já sem 5G, é caso para pensar o mundo em que vivemos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.