Em que planeta o James Webb deve procurar vida alienígena? Chris Hadfield tem uma ideia

NASA GSFC / CIL / Adriana Manrique Gutierrez

Impressão de artista do Telescópio Espacial James Webb no Espaço

Impressão de artista do Telescópio Espacial James Webb no Espaço

O Telescópio James Webb da NASA está a preparar-se para iniciar oficialmente as operações científicas no final do verão.

De acordo com a Futurism, os astrónomos já estão entusiasmados por o telescópio começar a procurar sinais de vida em mundos distantes.

Há muitos lugares para procurar, é claro. Os investigadores já confirmaram a existência de quase 5.000 exoplanetas, com muitos mais a caminho.

E de uma estimativa de 300 milhões de planetas suspeitos de abrigar uma região “Goldilocks” na qual poderia existir água líquida e, por conseguinte, vida, só a missão Kepler da NASA confirmou várias centenas.

O popular astronauta canadiano Chris Hadfield tem a sua própria sugestão, e considera que o planeta Kepler-442b seria “um excelente planeta para o Telescópio James Webb da NASA dar uma vista de olhos“.

O raciocínio de Hadfield coincide com a opinião de vários especialistas. O planeta em causa encontra-se no promissor sistema Kepler-444, a cerca de 1.200 anos-luz da Terra, e pode ser mais habitável do que o nosso próprio planeta.

Hadfield, que se reformou em 2013 após uma lendária carreira de 21 anos como astronauta, afirmou em 2016 que “pensar que só há vida na Terra é uma arrogância“.

nasa2explore / Flickr

O astronauta canadiano Chris A. Hadfield, engenheiro de voo da Expedição 34 da Estação Espacial Internacional (2013)

Num estudo publicado no The Astrophysical Journal em 2015, uma equipa de astrobiólogos argumentou que vários exoplanetas identificados pelas missões Kepler e K2 da NASA, incluindo o Kepler-442b, eram altamente suscetíveis a possuir água líquida na superfície, como a Terra.

“Classificámos os conhecidos planetas Kepler e K2 por habitabilidade e descobrimos que vários têm valores de H [a probabilidade de ser terrestre] maiores do que a Terra”, lê-se no artigo.

O objetivo dos investigadores era reduzir o número de candidatos, para que pudessem atingir o solo e observar primeiro os exoplanetas mais prováveis.

“Basicamente, concebemos uma forma de pegar em todos os dados de observação disponíveis e desenvolver um esquema de priorização para que, à medida que avançamos para uma época em que existem centenas de alvos disponíveis, possamos dizer, ‘OK, é com esse que queremos começar'”, realçou a autora principal Rory Barnes, da Universidade de Washington.

O JWST da NASA utilizará vários métodos para observar de perto as atmosferas de exoplanetas que orbitam estrelas distantes.

Alguns cientistas suspeitam mesmo que será suficientemente sensível para detetar a poluição atmosférica de quaisquer civilizações alienígenas que possam existir.

O telescópio fixou-se recentemente à sua primeira estrela, e está agora a calibrar a sua delicada gama de espelhos dourados. É a nossa melhor oportunidade de observar de perto os planetas habitáveis fora do nosso próprio sistema solar.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.