Decisão histórica pode levar australiano à prisão por assédio no Facebook

Tinder

Olivia Melville

Olivia Melville

Um violento caso de assédio e ameaça pelo Facebook, ocorrido no ano passado na Austrália, caminha para um final histórico: a prisão.

Em agosto passado, a foto do perfil de Olivia Melville no Tinder tornou-se viral. Na bio do perfil, um verso de uma música do rapper Drake: “The type of girl that will suck you dry and then eat some lunch with you”.

Chris Hall, um barman de 31 anos, partilhou a foto no Facebook, com o comentário: “Stay classy ladies. I’m surprised she’d still be hungry for lunch” (“Continuem elegantes, meninas. Surpreende-me que ela ainda continue com fome para o almoço”, em tradução livre).

Facebook

Foto de Olivia no Tinder e respectivas reações no Facebook

Foto de Olivia no Tinder e respectivas reações no Facebook

As consequências imediatas para a jovem foram extremas, tendo recebido uma série de ofensas e ameaças de violação.

Alguns homens – especialmente um, chamado Zane Alchin – decidiram espalhar o horror no perfil de Olivia.

Uma amiga de Olivia, no entanto, denunciou o agressor à polícia.

Diante das provas irrefutáveis, esta semana Zane Alchin declarou-se culpado das acusações de “utilizar um serviço de comunicação para ameaçar, assediar ou ofender”.

O arguido afirmou que estava bêbado na altura em que fez os comentários – cerca da meia-noite e meia de 25 de agosto de 2015 – e que os comentários não representam as suas opiniões.

Facebook

Alguns excertos das ameaças e ofensas: "Suas putas, merecem voltar para os anos 1950 para aprenderem os seus papéis e calarem a boca"; "São pessoas como tu que deixam claro porque é que as mulheres não devem ter direitos"; "Tu provas que a boca de uma mulher só serve para ser fodida até que a mulher fique azul e depois receber o sémen de um homem na cara".

Alguns excertos das ameaças e ofensas: “Suas putas, merecem voltar para os anos 1950 para aprenderem os seus papéis e calarem a boca”; “São pessoas como tu que deixam claro porque é que as mulheres não devem ter direitos”; “Só provas que a boca de uma mulher só serve para ser fodida até que a mulher fique azul e depois receber o sémen de um homem na cara”.

Paloma Brierley Newton, porta-voz do grupo ativista Sexual Violence Won’t be Silenced (violência sexual não pode ser silenciada), afirmou ao news.com.au que ficou chocada com a declaração do arguido.

“Declarar-se culpado é uma coisa, mas admitir que ele de facto fez algo errado é outra coisa”, afirmou a advogada. “Gostava de o ouvir a pedir desculpas pelo que disse, em vez de sentir pena por ter sido apanhado”.

Zane Alchin pode ser condenado a até três anos de prisão. A sentença é conhecida a 29 de julho.

A esperança é que a condenação de Zane se transforme num paradigma para o resto do mundo, e que o “slut shaming” e ameaças deixem de ser comuns e tratadas como banalidades.

De acordo com um relatório da ONU sobre desenvolvimento digital, 73% das mulheres a nível global já sofreram algum tipo de assédio ou violência online.

“Ao declarar Zane Alchin como culpado de um crime, isto põe um fim a repercussões do género ‘É só na Internet, não é nenhum crime‘”, afirmou Paloma Brierley Newton. “Isto é um crime. Somos todos protegidos por lei. Não devemos ser assediados nem vitimizados em lado nenhum, não interessa em que meio”.

Em setembro do ano passado, o governo australiano anunciou um pacote de 70 milhões de dólares (62,6 milhões de euros) para a luta contra a violência doméstica e familiar, que em 2015 foi responsável pela morte de mais de 60 mulheres.

A ministra da Mulher, Micaelia Cash, afirmou que a decisão tinha como objetivo fazer com que as mulheres se sintam seguras “em casa, na rua e na Internet”.

A governante sublinhou a importância de uma mudança de mentalidades no país, recordando que 25% dos jovens australianos consideram justificável que um homem que tenha bebido bata numa mulher.

AF, ZAP / Hypeness

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Isto é ridículo… simplesmente patético. Isto está nem mais nem menos do que ao nível daquela estupidez de há algum tempo de quererem criminalizar o “piropo”.

    Entenda-se… Eu sou totalmente a favor de equivalência de direitos de ambos os sexos. Sou 101% contra a violência, seja ela doméstica, vadía, física, psicológica, de homem pra mulher ou de mulher para homem. Mas… desde quando é que uma pessoa não tem liberdade de expressão agora para dizer o que pensa sobre os direitos das mulheres ou sobre o que ela escreve na internet?

    Não há dúvida… O gajo foi ofensivo, ameaçador e insultuoso. Como tal a única punição que se aplica, é a mesma de eu ir na rua, irritar uma gaja e ela responder: “Se eu soubesse onde tu moras, fazia-te a folha.. És asqueroso, devias ser sodomizado por um toiro enraivecido! ” – ou seja isto sería no máximo caso para uma multa por ofensa e danos morais.

    Três anos de cadeia?.. Depois admiram-se das reacções inversas…

  2. Não andará talvez a justiça um pouco zeladora em demasia? É que pelos vistos a uns dá o direito de pôr na internet as fotos que muito bem entendem em forma de promoção ou assédio, depois se sofrem comentários mais ou menos escaldantes fingem-se ofendidas e aproveitam a parcialidade da justiça para daí tirarem proveito, faz-me isto recordar por exemplo uma secretária que pratica sexo com um presidente e que a dada altura decide denunciá-lo para daí tirar proveito monetário e temos muitos casos idênticos.

RESPONDER

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …