El Dorado português está para durar. Nem pandemia, nem taxa de 10% afastam reformados estrangeiros

Apesar da pandemia e de uma nova taxa fiscal de 10%, Portugal continua a ser um destino desejado por reformados estrangeiros, nomeadamente pelos franceses que estão de olho na descida nos preços das casas e no fim da crise sanitária para poderem instalar-se por cá.

Os benefícios fiscais e a qualidade de vida continuam a seduzir os reformados estrangeiros para terminarem os seus dias em Portugal. O Eldorado português está, assim, para durar nos próximos tempos, acreditam especialistas do sector.

Nem a recente mudança na política fiscal em Portugal, com o fim da isenção de impostos, durante 10 anos, para os reformados estrangeiros que se instalassem no nosso país, alterou o interesse.

A Lei que permitia às pessoas com o estatuto de Residente Não Habitual (RNH) terem as suas reformas, recebidas de outros países, isentas de impostos durante 10 anos foi revogada. A medida permitiu atrair milhares de reformados nos últimos anos.

Mas a partir de Março de 2021, será aplicada uma taxa de 10% sobre os rendimentos de quem tenha o estatuto de RNH. A medida abrange todos aqueles que chegarem de novo e os que chegaram a Portugal a partir de 1 de Dezembro de 2019.

Impostos são só “a cereja no topo do bolo”

O anúncio do novo imposto teve “um efeito de choque”, mas os efeitos “são limitados”, acredita Cécile Gonçalves, fundadora da agência Maison au Portugal que acompanha franceses que desejam instalar-se no nosso país há cerca de três décadas.

Em declarações ao Le Figaro, Cécile Gonçalves refere que “a maioria” dos reformados que se instalam em Portugal pagam impostos “muito superiores” nos seus países e, por isso, “continua a ser interessante” residir por cá.

“10% continua a ser uma taxa competitiva”, analisa ainda Cécile Gonçalves em declarações divulgadas pelo Le Télégramme.

Mas esta responsável destaca que a fiscalidade é só “a cereja no topo do bolo”. “O grande ganho na instalação em Portugal encontra-se do lado do custo de vida, 27% inferior em comparação com a França”, por exemplo, constata ainda Cécile Gonçalves.

“A fiscalidade é vantajosa, os preços doces e a meteorologia mais clemente“, destaca ainda o Le Figaro, reforçando que apesar de um novo confinamento devido aos elevados números de novas infecções de covid-19, “o interesse [dos reformados por Portugal] perdura”.

Isso mesmo confirma Cécile Gonçalves, reforçando que a sua empresa continua “a ter muitos pedidos” e que faz “visitas virtuais”.

“Os clientes esperam que a situação sanitária se acalme para voltarem“, aponta.

Entretanto, alguns destes reformados estrangeiros estão atentos ao mercado imobiliário português, onde se espera que haja uma descida de preços neste ano, em consequência da crise pandémica.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Chega!!! Chega de atrair estrangeiros com mais poder de compra, chega de dar benefícios fiscais a quem vem de fora e chega destas pessoas inflacionarem o mercado imobiliário… E ainda ficamos contentes!!!

    E para que não haja dúvidas, chega de CHEGA!

    • Então, quer os cofres cheios de ar…
      O dinheiro não vale? Tem é de ser limpo. O Ventura vai dizer-lhe, a si, o que é que JÁ CHEGA…! 😉

      • Dinheiro que dinheiro? O que eles gastam a comprar casas? Graças a eles nós não as podemos comprar… O que é que ganhámos com isso? Apartamentos ao dobro ou triplo do preço, foi isso? Ainda por cima eles dizem que estão à espera da baixa dos preços, sabe o que é que isso significa? Significa que são as casas que vão chegar ao mercado dos portugueses que não as conseguiram pagar…
        Querem vir vêm, mas pagam o que têm que pagar e com regras! Uma casa pir família! Moro numa onde zona que já se ultrapassou o aceitável…
        Os portugueses não conseguem comprar… Isso vale?

        Comigo o Ventura não tem hipótese, não confunda, não sou “analfabeto”!

        • Os portugueses não compram e não têm rendimentos porque o governo não dá importância a todos os setores de atividade. Você conhece essa realidade, assim como eu, assim como muitas outras pessoas que trabalham para muitas outras, e recebem um grão de arroz, e zero subsídios que nem as contas da água, do gás e da luz conseguem cobrir.
          Maldita corja governativa, maldito presidente, fosca-se!

  2. Pois, e como se não bastasse a maioria desses “franceses” preferem comprar casas no interior, fazendo os preços ficaram do alcance de poucos portugueses, e na sua maioria são caravanistas então ainda alugam os quintais aos amigos deles que ca permanecem 5/6 meses “ancorados” sem fazerem gastos..ou seja nos cofres do estado o que entra??

  3. Não é só os preços e custo de vida para além do clima que atrai o francês em vir para cá, é a islamização da França e a insegurança associada ao problema, o pior será se daqui por algum tempo irão perceber que afinal por cá quanto a segurança isto também deixa muito a desejar!

  4. Os Reformados Estrangeiros poderão trazer a Portugal, tanto benefícios quanto prejuízos (malefícios ). Todavia, tem de se pensar em desenvolvimento: social , comercial, industrial e tecnológico e esquecer o lado egoísta de Portugal somente para portugueses. Portugal é uma entrada para o Continente , o Portal Europeu do Atlântico. A Península Ibérica , ao meu modo de pensar, tem a Espanha como Guardiã do poder e glória nos acontecimentos políticos e sócio-econômicos . Refúgio de Reis, exilados políticos e estranhos migrantes a espalharem os rastros de pobreza e miséria pelas periferias das cidades. Tem que se abrir as portas a todos que quiserem contribuir com progresso em todas as atividades, mas , principalmente na área tecnológica. Não podemos pensar em sermos um paraíso de rufiões endinheirados a transformar o nosso povo em simples zeladores de mansões e nem garçons nos paraísos sexuais – camuflagem dos resorts. Portugal tem que acordar. Portugal tem que pensar em grandeza. Portugal tem que chutar para o alto esse conservadorismo subalterno ao socialismo cristão enraizado numa política de disse-me-disse de pecados veniais e capitais . Precisamos ver as portuguesas nas paradas de sucessos, mostrando, não só a beleza, como, também as pernas torneadas e queimadas no sol do Estoril e do Algarves; o fado se tornou um canto fúnebre característico do povo lusitano, quando deveria ser apresentado em todo mundo português. Gostaria de ver as garotas portuguesas dançando o Vira em shorts , com um top mostrando os seios encantadores e volumosos. Um Portugal circulando não só nos estádios, porém, em pistas de Monza, Imola, Indianápolis e outras e em todas as categorias de esporte. Portugal tem tudo para ser um dos maiores e melhores países da Velha Europa, pois tem Pedigree , afinal somos milenar; Quem tem um Luís Vaz de Camões – Lusíadas? Só a Magna Grécia com Homero – A Ilíada e a Odisséia. Somos uma Terra que serviu de pousada ao Grande Odisseu – Dominamos os mares e encantamos as Sereias do Mediterrâneo.. Portugal deve receber os REFORMADOS ESTRANGEIROS com capital e com idéias. Abaixo o pensamento ultrapassado e criemos uma fase de avanço tecnológico e , então teremos uma sociedade moderna e feliz. È o que pensa joaoluizgondimaguiargondim – jlg21.com@gmail.com

RESPONDER

"Sofagate". Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao "desplante diplomático" protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou …

Altice Portugal acredita que "SIRESP vai acabar a 30 de junho"

O presidente da Altice Portugal disse que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, pelo lhe parece que a rede de emergência "vai acabar no …

Polícia do Capitólio foi avisada do ataque mas ordenada a não agir agressivamente

A Polícia do Capitólio dos Estados Unidos foi avisada antecipadamente sobre a violência dos atacantes do dia 6 de janeiro, mas os seus comandantes ordenaram aos oficiais que não usassem as suas táticas "mais agressivas" …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Neuralink divulga vídeo de macaco a jogar videojogo com a mente

A Neuralink, empresa de implantes cerebrais de Elon Musk, divulgou na quinta-feira um vídeo que mostra a tecnologia a funcionar em macacos. No vídeo, um cientista da Neuralink explica a forma como a empresa implantou um …

Coligação negativa trava "big brother fiscal" nas empresas

Foi aprovada no Parlamento uma proposta do PCP para mudar, de novo, a lei que regulamenta o envio de dados das empresas para o Fisco, com o voto contra do PS. É um travão ao …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Os buracos negros gostam de comer, mas têm várias regras de etiqueta à mesa

Uma equipa de astrónomos britânicos e holandeses concluiu que todos os buracos negros supermassivos no centro das galáxias parecem ter períodos em que engolem matéria dos seus arredores.  Astrónomos têm estudado galáxias ativas desde 1950. Estas …

Fim dos apoios às empresas acelera vaga de despedimentos

A pressão para pagar subsídios de férias e o fim da proibição de reduzir pessoal nos setores que tiveram ajudas vai potenciar uma vaga de despedimentos. O Jornal de Notícias ouviu advogados e associações sindicais que …

Camisola poveira

Vendas da camisola poveira disparam a nível mundial (e já há “uma Amazon” para a comprar)

A camisola poveira, peça de artesanato da Póvoa de Varzim, nunca se vendeu tanto como agora. As vendas dispararam à boleia da polémica apropriação do modelo pela estilista norte-americana Tory Burch que o comercializou como …