Egito atinge 100 milhões de habitantes (mas não há grandes motivos para celebrar)

Tinou Bao / Flickr

Mercado na cidade do Cairo

A população do Egito atingiu os 100 milhões de habitantes, tornando-se no país árabe mais populoso e o terceiro em África atrás da Etiópia e da Nigéria, anunciaram ontem as autoridades.

O calculador eletrónico instalado no edifício da agência egípcia de estatísticas (CAPMAS) passou de oito a nove números. “O ano passado foi dos mais rápidos a atingir um milhão [de nascimentos]”, declarou o general Khairat Barakat, o chefe do CAPMAS, assegurando que essa meta foi atingida em 216 dias em 2019.

O Egito torna-se assim no 14.º país mais populoso do mundo.

A taxa de natalidade registou um forte crescimento nos últimos 30 anos, com uma média de 1,5 milhões de nascimento anuais. Há três décadas, o país do norte de África contava com 57 milhões de habitantes.

A superpopulação tem constituído nos últimos anos um importante desafio para as autoridades, cujas tímidas políticas de limitação dos nascimentos não produziram os resultados pretendidos. “Para além do problema físico da densidade populacional, agravaram-se os problemas sociais”, disse à agência noticiosa AFP a professora de Economia da Universidade do Cairo, Heba El Laithy.

“Os pobres têm tendência a gerar mais filhos devido à ideia de que terão melhores condições económicas a longo prazo”, explicou, adiantando que as crianças são encaradas como futuras fontes de rendimento para ajudarem os seus pais.

Tal como descreve a imprensa internacional, a explosão populacional desencadeia uma série de preocupações, como o crescimento da pobreza na país, o aumento do desemprego e a crescente escassez de recursos básicos, como a água.

Desafio e ameaça para o país

Em 2017, o presidente Abdel Fattah el-Sisi declarou que o terrorismo e o excesso populacional representavam as duas principais ameaças para o Egito, uma perspetiva que tem sido partilhada pelo seu governo.

O último recenseamento em 2017 tinha registado 95 milhões de habitantes, uma avaliação que excluía os egípcios que vivem no estrangeiro.

Na sexta-feira, durante uma reunião do executivo, o primeiro-ministro Mostafa Madbouly voltou a manifestar essa inquietação. “O crescimento populacional constitui o principal desafio do estado (…) e que afeta a segurança nacional”, disse.

À semelhança da maioria dos países árabes a população do Egito é jovem: as estatísticas indicam que 60% dos habitantes têm uma idade inferior a 30 anos. Os estudos indicam ainda que a faixa etária entre os 18 e os 29 anos constitui um quinto da população.

A maioria dos habitantes estão concentrados em áreas urbanas nas margens do rio Nilo. A capital, o Cairo, e a cidade de Giza, integrada nesta grande metrópole, concentram 19 milhões de pessoas, ainda segundo os números hoje divulgados.

Cerca de 10 milhões de egípcios vivem no estrangeiro, a maioria nos países do Golfo para onde emigraram por motivos económicos, e em particular após os tumultos e a revolta popular que derrubou o ex-presidente Hosni Mubarak em 25 de Janeiro de 2011.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo quer reabrir ensino secundário a 4 de maio. Telescola deve arrancar depois da Páscoa

O Governo está a preparar a reabertura das escolas apenas para o ensino secundário para 4 de maio. Ainda falta ouvir a Direção-geral da Saúde, os especialistas, o Conselho Nacional de Educação e o Conselho …

“Não há razão para alarme”. Governo quer perdoar penas até dois anos e antecipar liberdade condicional

A proposta de lei do Governo que estabelece um regime excecional para as prisões, no âmbito da pandemia covid-19, já deu entrada na Assembleia da República, podendo ser consultada na página oficial do Parlamento. No diploma, …

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …