Egipto está a construir uma grandiosa (e polémica) capital no meio do deserto

secdef / Flickr

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi

No meio do deserto, a apenas 45 quilómetros a leste do Cairo, está a ser erguida a nova capital do Egipto, um projeto que é não apenas caro e ambicioso, mas também bastante controverso.

A cidade ainda sem nome, conhecida apenas como a “nova capital administrativa” do Egipto, foi anunciada em março de 2015 como uma das principais iniciativas do Governo do general Abdel Fattaf al Sisi, que prevê transferir o Executivo para lá dentro de um ano.

As obras estão em curso há três anos. Os terrenos baldios já começam a ser ocupados por hotéis, residências e centros de convenções. O plano é ter uma cidade completa para cerca de cinco milhões de habitantes.

O projeto prevê ainda lagos artificiais, um parque urbano com o dobro do tamanho do Central Park, em Nova Iorque, escolas e universidades, hospitais, centenas de mesquitas, a maior igreja do país, um parque temático e um aeroporto.

A par de tudo isto, é aqui que se vão concentrar as instalações do Governo, como palácios presidenciais, embaixadas e as sedes do Parlamento e de 18 ministérios. A expectativa é que 200 quilómetros de estradas conectem a futura cidade com a capital atual, o Cairo, e o resto do país.

A nova capital vai ocupar uma área de 700 quilómetros quadrados e fica a meio do caminho entre o Cairo e o porto de Suez, um dos núcleos comerciais e económicos mais importantes do Egipto.

Mas por quê construir uma nova capital?

De acordo com o Serviço de Informação do Governo, a principal razão por trás deste projeto é aliviar a superlotação do Cairo, uma megacidade com quase 20 milhões de habitantes e que deve chegar aos 40 milhões em 2050, além de “ajudar a fortalecer e a diversificar o potencial económico do país com a criação de novos locais para se viver, trabalhar e visitar”.

Mas esta não é a primeira vez que o Egipto tenta levar as suas instituições governamentais para fora da cidade. No fim dos anos 70, o então Presidente Anwar Sadat lançou uma política de construção de cidades, entre elas a Cidade Sadat, onde se previa erguer um novo centro administrativo nacional, mas a empreitada nunca chegou a ser concluída.

Os críticos temem que a nova capital possa ter o mesmo destino e consideram o projeto pouco realista, argumentando que foi criado apenas para favorecer o Governo depois de vários anos de instabilidade.

Al Sisi chegou ao poder em 2013, depois de um golpe de Estado contra Mohamed Morsi, o primeiro chefe de Estado egípcio eleito democraticamente. Em abril de 2018, foi reeleito como presidente com mais de 97% dos votos.

eeas / Flickr

O ex-presidente do Egipto, Mohamed Morsi

“Há três reações perante o projeto. Alguns defendem-no como uma solução adequada. Outros acreditam que faz falta uma nova capital não neste local, mas a oeste do Vale do Nilo. E há quem defenda que, em vez de construir outra capital, deveriam distribuir os recursos para o desenvolvimento de outras regiões do país“, diz o especialista em planeamento urbano Yehya Serag, professor da Universidade Ain Shams, no Cairo.

“Eu sou da mesma opinião. Seria melhor direcionar um recurso tão grande como este para outros projetos a nível regional”, acrescenta Serag.

Também existem dúvidas sobre a viabilidade de um projeto de 45 mil milhões de dólares num país que, em 2016, acordou com o Fundo Monetário Internacional (FMI) um empréstimo de 12 mil milhões de dólares ao longo de três anos e que tem um défice de 10,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

Apesar da previsão de crescimento em torno dos 3,9% em 2018 e 2019, a economia egípcia tem questões graves que se foram intensificando com a recente instabilidade económica. Por sua vez, o Governo diz que um projeto desta envergadura pode ser um motor económico e de criação de empregos.

“Sempre há aspectos bons e maus. Cria postos de trabalho no setor da construção, algo importante para um país que enfrentou problemas económicos nos últimos anos”, avalia ainda o professor universitário.

O dinheiro chinês

Mas quem é que está a construir esta infraestrutura milionária? Para o desenvolvimento do projeto, o Governo criou uma empresa pública, a Nova Capital Administrativa para o Desenvolvimento Urbano (ACUD), com uma participação de 51% do Exército, que também é dono dos terrenos onde está a ser erguida a nova cidade. Os outros 49% são do Ministério da Habitação.

Está previsto que esta mesma empresa administre os edifícios que ficarão livres no Cairo depois de o Governo se mudar para a nova capital.

Desde a chegada de Al Sisi ao poder, o papel dos militares cresceu na economia do país, que já era significativo na época de Mubarak. O Exército tem centenas de empresas que vão da hotelaria, construção e energia aos serviços médicos.

Além da supervisão e participação dos militares e da iniciativa privada, o papel de uma das maiores potências mundiais – a China – é determinante no projeto.

Desde 2016, o Governo egípcio está a negociar um investimento de 20 mil milhões da empresa pública China Fortune para a construção de quase cinco milhões de metros quadrados. Segundo a Bloomberg, cerca de 85% dos três mil milhões necessários para erguer o distrito financeiro da nova capital serão pagos por banco chineses.

A obra está a cargo de outra empresa pública da potência asiática, a Empresa Estatal de Engenharia de Construção da China, a maior construtora do mundo.

Os problemas de uma megacidade

As opiniões sobre o projeto também se dividem do ponto de vista urbanístico e ambiental.

O Cairo sofre com graves problemas de transportes, habitação e poluição. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a capital egípcia é a segunda megacidade do mundo mais prejudicada pela poluição do ar. Apenas é superada por Nova Déli, na Índia.

Só em 2017, segundo uma pesquisa da empresa Euromonitor, a sua população aumentou em meio milhão de habitantes.

Os defensores do projeto garantem ser um passo necessário para descongestionar o Cairo, com a qual a nova capital vai estar ligada através de um comboio elétrico. Mas a sua localização no deserto suscita várias dúvidas, destaca Serag.

“Manter uma nova capital vai exigir uma infraestrutura especial, principalmente de abastecimento de água, porque o Egipto e África em geral enfrentam uma escassez deste recurso”.

ZAP // BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Estes com a sua ignorância e credos religiosos ainda vivem convencidos de que o planeta ainda suporta mais aumento populacional e possivelmente assim irá acontecer em muitos países até que isto dê o bum final!.

RESPONDER

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …

Asteróide que dizimou os dinossauros atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível"

O asteróide que dizimou os asteróides e 75% de todas espécies à face da Terra há 65 milhões de anos atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível", concluiu uma investigação do Imperial College de …

O Sol pode ser fruto de um acidente galáctico entre a Via Láctea e uma galáxia anã

Uma pequena galáxia, chamada Sagitário, moldou a Via Láctea há milhares de milhões de anos: cada vez que passou perto da nossa galáxia, causou fortes explosões de formação estelar que podem até ter originado o …

Se diplomacia falhar, China admite uso de força militar para controlar Taiwan

A China vai atacar Taiwan se não houver outra maneira de impedir que este Estado se torne independente, disse Li Zuocheng, um dos mais importantes generais do país, esta sexta-feira. Esta será uma opção de …