/

Primeiro editor do dicionário Oxford considerava que “antissemita” seria um termo de curta duração

O primeiro editor do Oxford English Dictionary (OED), James Murray, considerava que o termo “antissemita” era de curta duração, improvável de ser usado no futuro, segundo revelaram documentos recentemente descobertos.

De acordo com o Raw Story, James Murray, que começou a trabalhar com a sua equipa no primeiro Oxford English Dictionary em 1879, planeou várias entradas dedicadas a palavras que começavam com o prefixo “anti”.

Quando um membro da comunidade judaica da Grã-Bretanha, Claude Montefiore, soube que “antissemita” e as suas derivações não entrariam no dicionário, escreveu a Murray, expressando a sua preocupação. Este respondeu a 05 de julho de 1900, quando o OED original estava a ser publicado por partes – um processo que decorreu entre 1884 e 1928.

Na carta – recentemente descoberta pela arquivista da Biblioteca Nacional de Israel, Rachel Misrati – Murray indicou que o termo antissemita só havia migrado do alemão para o inglês em 1881 e não parecia provável que se sustentasse, devido à sua limitada utilidade.

“Os termos antissemita e a sua família eram provavelmente muito novos no uso do inglês”, escreveu Murray, indicando que, inicialmente, pensava que o termo havia sido cunhado para articular um fenómeno passageiro e que o termo mais usado seria “antijudaico”.

“O [termo] antissemita, no entanto, tem um sabor de professor, não da moeda de um centavo, e parece a perícia de algum especialista vienense”, escreveu Murray, que era professor antes de iniciar o projeto inovador do OED.

A arquivista da Biblioteca Nacional de Israel encontrou a carta enquanto trabalhava num artigo sobre autógrafos britânicos na Coleção Schwadron, que contém cerca de 40 mil autógrafos e retratos.

Oxford English Dictionary

À AFP, disse que a correspondência entre Montefiore e Murray revela que a comunidade judaica britânica estava preocupada com o antissemitismo, “embora os judeus de Inglaterra – comparados a muitos de outros países – estivessem numa posição muito boa”.

A carta de Murray também mostra que o termo “semítico”, que tecnicamente se refere às pessoas que falam hebraico, árabe e aramaico, já estava em estágio inicial, sendo aplicado apenas aos judeus.

A carta de Murray revela ainda a evolução do seu pensamento, revelando que, em 1900, este tinha dúvidas se a decisão de deixar de fora do OED o termo antissemita seria a certa.

Na sua reposta a Montefiore, disse que esperava que as revoluções liberais que varreram a Europa em 1848 tivessem provado que o continente “tinha deixado para trás a ignorância, a suspeita e a força bruta”. Mas, com a ampla repressão desses movimentos no final do século, lamentou: “como o diabo deve ter rido de nossos sonhos tolos”.

“Os anos finais do século XIX mostraram, infelizmente, que grande parte do cristianismo é apenas uma limitação temporária da selvajaria brutal”, escreveu ainda. “É indescritivelmente triste para alguém como eu, que se lembra [do ano] de 48 e das grandes esperanças que tínhamos nos anos cinquenta”, acrescentou.

E concluiu: “Provavelmente, se tivéssemos que fazer a publicação [do OED original] agora, teríamos que fazer do antissemita uma palavra principal”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.