/

Bundesbank prevê que economia alemã entre em recessão no inverno

Clemens Bilan / EPA

Economistas esperam que o PIB real caia acentuadamente entre outubro e março do próximo ano, devido a escassez no fornecimento de energia.

O Bundesbank prevê uma recessão na economia alemã no inverno devido à escassez de fornecimento de energia causada pela guerra da Rússia contra a Ucrânia.

No boletim de setembro, publicado esta segunda-feira, economistas do Bundesbank vêm sinais crescentes de que a economia alemã entrará em recessão, o que consideram “um declínio acentuado, grande e duradouro da produção económica”.

Por conseguinte, esperam que o Produto Interno Bruto (PIB) real da Alemanha desça um pouco no terceiro trimestre e acentuadamente no semestre de inverno, que corresponde ao quarto trimestre de 2022 e ao primeiro trimestre de 2023.

A razão, acrescentam os economistas do Bundesbank, é sobretudo “a tensa situação do fornecimento de energia devido à guerra da Rússia contra a Ucrânia“.

“A elevada inflação e incerteza em relação ao fornecimento de energia e os seus custos prejudicam não só a indústria intensiva em gás e eletricidade e as suas exportações e investimentos, mas também o consumo privado e os serviços que dele dependem”, acrescentam os economistas do Bundesbank.

Os economistas do Bundesbank também prevêem a continuação das tensões de fornecimento de gás nos próximos meses. Até agora, a Alemanha tem sido capaz de evitar o racionamento de gás, graças a maiores fornecimentos de outros países e aos avanços na poupança e armazenamento de energia.

Mas é necessária uma redução significativamente maior do consumo de gás, especialmente pelas famílias, advertem os economistas do Bundesbank.

Ao mesmo tempo, prevêem uma inflação de dois dígitos, ou seja, 10% ou mais nos próximos meses na Alemanha. Por enquanto, o país conteve o aumento dos preços no consumidor, que foi de 8,8% em agosto, com os transportes públicos e subsídios de combustível, que já não se aplicam desde 1 de setembro.

A inflação irá, portanto, aumentar ainda mais nos próximos meses porque outras medidas de apoio anunciadas pelo Governo alemão terão um efeito nos preços ao consumidor no início do próximo ano.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.