Dúvida e medo marcam eleições francesas que decidem a sobrevivência da UE

Thibault Vandermersch / EPA

Marine Le Pen em comício da Frente Nacional durante a campanha para as presidenciais francesas

Marine Le Pen em comício da Frente Nacional durante a campanha para as presidenciais francesas

Emmanuel Macron continua à frente de Marine Le Pen, mas com magra vantagem, nas sondagens sobre as presidenciais francesas. E no rescaldo de um novo ataque terrorista, em Paris, o desfecho destas eleições continua imprevisível quando se joga não apenas o futuro do país, mas também da própria União Europeia.

A última sondagem divulgada sobre as presidenciais francesas coloca Emmanuel Macron (centro) à frente de Marine Le Pen (extrema-direita), com 24% e 22% respectivamente, e Jean-Luc Mélenchon (esquerda) e François Fillon (direita) empatados com 19%.

Na sondagem, realizada pelo instituto Ipsos para a rádio France Info, o candidato socialista, Benoît Hamon, perde meio ponto percentual em relação ao último estudo, reunindo 7,5% das intenções de voto.

Os restantes seis candidatos – Philippe Poutou, Nicolas Dupont-Aignan, Nathalie Arthaud, Jean Lassalle, François Asselineau e Jacques Cheminade – obtiveram percentagens abaixo dos cinco pontos.

Há ainda muitos indecisos

A sondagem destaca o elevado nível de indecisão entre os eleitores que afirmam ter a certeza de que vão votar, 31% dos quais admite que pode mudar de candidato.

Os mais seguros do seu sentido de voto são os apoiantes de Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, 85% dos quais afirma ter a certeza de que votará nela, seguindo-se os que pretendem votar Fillon (83%), Macron (73%) ou Mélenchon (67%).

A sondagem estima que a taxa de participação eleitoral na primeira volta, que se realiza neste domingo, 23 de Abril, seja de 73%, a mais baixa desde 2002.

Vitória de Le Pen é a “morte” da União Europeia

Aquilo que é certo é que se Le Pen chegar à presidência de França, será a “morte” da União Europeia (UE), conforme ela própria já disse, notando que avançará logo para a realização de um referendo, como sucedeu no Reino Unido com o “Brexit”.

“Se Marine Le Pen ganhar, haverá uma crise gravíssima na UE“, acredita o eurodeputado português, Paulo Rangel, notando, em declarações ao Público, que nas eleições francesas, está em jogo também “a sobrevivência da UE”.

Turista filmou momento do ataque a polícias

Momento relevante para a escolha final dos votantes indecisos pode ser o ataque terrorista de quinta-feira à noite, quando um homem, um islâmico radicalizado, disparou contra um veículo da polícia na Avenida dos Campos Elísios, em Paris, matando um agente e ferindo outros dois.

Um turista que passava pela zona, na altura do ataque, filmou o momento em que os tiros foram disparados, num vídeo divulgado pelo jornal francês Le Figaro.

Este homem que, segundo o jornal fala um dialecto indiano, conseguiu captar os disparos com o seu telemóvel, permitindo perceber a violência do ataque e como tudo sucedeu de forma muito rápida.

Trump diz que atentado “vai ajudar” Le Pen

O Presidente norte-americano, Donald Trump, já defendeu que este ataque vai “provavelmente, ajudar” Marine Le Pen na eleição presidencial.

Em entrevista à agência Associated Press, Trump afirmou que não apoia expressamente a líder de extrema-direita, mas sublinhou que Le Pen “é a mais forte nas fronteiras e é a mais forte em relação ao que se está a passar em França”.

Trump afirma que o ataque, já reivindicado pelo Estado Islâmico, terá um impacto na forma como os franceses vão votar no domingo.

Por outro lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, acredita que o “acto cobarde” não “irá perturbar a escolha democrática” nem “vergar a adesão aos valores da democracia”, por parte dos franceses.

Santos Silva diz contudo, que é evidente que o atentado tinha por objectivo “perturbar a realização das eleições” e “semear o medo e a insegurança nas cidades europeias”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Prosecco ou prošek? A batalha da UE entre Itália e Croácia por causa de vinho

Prosecco é provavelmente o vinho italiano mais famoso, mas por trás da efervescência deste néctar, a Itália está numa grande disputa sobre se a Croácia pode vender um vinho de sobremesa com o nome de …

China vai limitar abortos. E nada tem a ver com saúde

A China vai reduzir o número de abortos realizados por motivos que não estejam relacionados com a saúde, anunciou o governo esta segunda-feira, avançando que serão também criadas medidas para evitar a gravidez indesejada. As autoridades …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: SL7, arte e paciência

Líder soma e segue. Leões e dragões vencem à justa. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder reina no castelo Vitória SC 1 (Bruno Duarte 78', g.p.) – SL Benfica …

"Atropelamento e fuga." Terra e Vénus cresceram como planetas rebeldes

Planetas como a Terra e Vénus, que residem dentro de Sistemas Solares, são fruto de repetidas colisões. Esta conclusão desafia os modelos convencionais sobre a formação de planetas. Investigadores do Laboratório Lunar e Planetário (LPL) da …

A origem do "Gigante de Segorbe" pode finalmente ter sido esclarecida

Um novo estudo revela que a origem do "Gigante de Segorbe" pode ser bastante mais complexa daquilo que se pensava. O "Gigante de Segorbe", como é conhecido, foi um indivíduo encontrado por arqueólogos numa necrópole islâmica …

Instagram suspende planos de uma versão da aplicação para crianças

Para já, a empresa ainda não fez se se trata de um abandono temporário ou definitivo. Tempestade mediática em torno da influência das redes sociais na saúde mental dos jovens, sobretudo raparigas, pode ter influenciado …

Com todos os votos contados, PS vence com pior resultado que em 2013 e PSD conquista 113 câmaras

PS continua a ser o partido com mais representação autárquica em Portugal, apesar de cair para números anteriores à liderança de António Costa. PSD recupera das hecatombes de 2013 e 2017. Quase 24 horas depois após …

Presidente sul-coreano admite proibir consumo de carne de cão

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, admitiu, esta segunda-feira, a possibilidade de proibir o consumo de carne de cão, costume que se tornou "uma vergonha internacional", segundo fonte do seu gabinete. "Não terá chegado …

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …