Durão Barroso acredita que está a ser discriminado por ser português

European Parliament / Flickr

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso

O ex-presidente da Comissão Europeia acredita que a polémica em torno da sua contratação para o Goldman Sachs só acontece porque é português.

O presidente não-executivo da Goldman Sachs, Durão Barroso, considerou esta sexta-feira que o primeiro-ministro “agiu com muita dignidade” ao pedir esclarecimentos ao presidente da Comissão Europeia sobre o tratamento que lhe está a ser dado pelo novo cargo.

“Fiquei satisfeito. Penso que [António Costa] entendeu que havia aqui um caso de discriminação e pediu formalmente ao presidente da Comissão [Jean Claude Juncker], porque entendeu que devia pedir. Agiu com muita dignidade, defendendo aquilo que é uma posição portuguesa”, afirmou Durão Barroso.

O antigo presidente da Comissão Europeia e agora presidente não-executivo da Goldman Sachs International falava aos jornalistas à margem do congresso internacional da INSOL Europe, que decorreu hoje num hotel do Estoril, em Cascais.

Durão Barroso voltou a dizer que está a ser alvo de discriminação e lembrou que houve outros membros da Comissão Europeia, inclusive ex-presidentes, que também ocuparam cargos em grandes bancos internacionais e não foram acusados de nada.

“Por que razão há contra mim? A minha opinião é porque sou português. Pode-se gostar ou não da minha atitude, concordar ou não com a minha escolha, mas há uma coisa que é certa: sou um cidadão português, estou no pleno uso dos meus direitos”, afirmou.

“Não aceito que me sejam limitados os meus direitos. Não fui para nenhum cartel da droga, estou a trabalhar numa entidade legal”, defendeu.

O responsável reiterou que fez tudo de forma “transparente, regular, escrupulosamente certa” e, por isso, não aceita que lhes sejam atribuídas “intenções malévolas e comportamentos incorretos”.

Durão disse ainda compreender algumas críticas, mas não aceitar outras e reconhece que a Goldman Sachs é “um nome controverso, como todos os grandes bancos internacionais”.

“Simplesmente não aceito que se procure criar uma discriminação contra uma entidade financeira que opera nos mercados, que está devidamente legalizada e devidamente regulada e também não aceito que haja discriminação contra mim, isso é contra as regras europeias, contra o direito europeu”, reiterou.

O novo presidente não-executivo da Goldman Sachs justificou a sua ida para o novo cargo porque o banco lhe deu garantias de que queria reforçar a sua cultura de transparência e responsabilidade.

“O meu trabalho será promover uma cultura de responsabilização, ética e transparência no banco. Não posso ser responsabilizado por coisas do passado. Acho que é perfeitamente aceitável do ponto de vista ético e moral trabalhar para o Goldman Sachs”, sustentou.

Embora já estivesse à espera de críticas, Durão lembrou que a primeira foi feita por Marine Le Pen, “da extrema-direita europeia, dizendo que isso provava que a União Europeia estava ao serviço do capitalismo internacional”.

“O mais engraçado é que algumas forças de esquerda, em vez de criticarem essa posição de extrema-direita, foram atrás dela, porque tiveram medo“, acusou.

Sobre o comentário do Presidente francês, François Hollande, que disse ser “moralmente inaceitável” que Durão Barroso ocupasse o novo cargo, o português considerou que mostrou “ceder à pressão” e “não dignificou nada a sua posição”.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Há 36 anos atrás num inter-rail perguntaram-me de onde eu era. Quando disse que era português, disseram-me… não te pareces nada com essa gente. Porque será??

RESPONDER

Mais 16 mortes e 2.535 novos casos. País vive "momento grande preocupação"

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 16 mortos relacionados com a covid-19 e 2.535 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim hoje …

"Falso histórico". Depois do Ambiente, Cultura chumba palácio de Berardo na Arrábida

Depois do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a Direção Geral do Património Cultural (DGPC) chumbou as obras ilegais levadas a cabo pela Bacalhôa Vinhos de Portugal, empresa de Joe Berardo. Há cerca …

Hotelaria quer testes covid-19 gratuitos para o setor (e TAP à escala do turismo nacional)

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) defendeu esta terça-feira que o Estado deve disponibilizar gratuitamente testes covid-19 a empresas que lidam diretamente com o público, como é o caso dos trabalhadores …

NASA aterrou por breves segundos no Bennu (e recolheu uma amostra) a 320 milhões de quilómetros da Terra

A aeronave OSIRIS-REx da NASA aterrou, esta terça-feira, por breves segundos na superfície do asteroide Bennu. A missão, que teve como objetivo a colheita de uma amostra de entulho solto, está em andamento desde 2004 …

Autoridade da Concorrência dá "luz verde" a reforço do controlo estatal da TAP

A Autoridade da Concorrência (AdC) deu "luz verde" ao reforço do Estado na TAP, com a aquisição de 22,5% do capital da companhia, que se somam aos 50% já detidos pela Parpública. O Conselho da AdC …

Centeno apela a uma utilização "sensata" da bazuca europeia

Mário Centeno, Governador do Banco de Portugal, disse ao FMI que apenas os  investimentos que forem produtivos irão assegurar que a dívida com que os estados se encontram não se transforme numa nova crise financeira. De …

Ministros selam acordo sobre reforma da Política Agrícola Comum

Os ministros da Agricultura da União Europeia chegaram a acordo sobre a reforma da Política Agrícola Comum (PAC). Seguem-se agora as negociações com o Parlamento Europeu. Os ministros da Agricultura da União Europeia chegaram esta quarta-feira …

Só 17% dos portugueses diz que abertura das escolas correu mal (e maioria quer teletrabalho obrigatório)

Uma sondagem da Intercampus feita para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã revela que, cerca de um mês depois da reabertura das escolas, 42% dos portugueses entendem que o processo “decorreu de forma …

Espanha vai tornar máscaras mais baratas graças a Portugal

Espanha vai reduzir o preço das máscaras após um cidadão espanhol ter despoletado a discussão após comparar com o preço em Portugal. Uma única máscara em Espanha chegava aos 96 cêntimos. Em Espanha, uma máscara pode …

Austeridade ajudou a conter efeitos da pandemia. Crise será um "choque", mas vai "criar oportunidades"

A crise pandémica "será um choque para as economias", mas "os choques podem criar oportunidades". A análise é do economista Ricardo Reis, professor da London School of Economics, que também salienta como as políticas de …