Durão Barroso acredita que está a ser discriminado por ser português

European Parliament / Flickr

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso

O ex-presidente da Comissão Europeia acredita que a polémica em torno da sua contratação para o Goldman Sachs só acontece porque é português.

O presidente não-executivo da Goldman Sachs, Durão Barroso, considerou esta sexta-feira que o primeiro-ministro “agiu com muita dignidade” ao pedir esclarecimentos ao presidente da Comissão Europeia sobre o tratamento que lhe está a ser dado pelo novo cargo.

“Fiquei satisfeito. Penso que [António Costa] entendeu que havia aqui um caso de discriminação e pediu formalmente ao presidente da Comissão [Jean Claude Juncker], porque entendeu que devia pedir. Agiu com muita dignidade, defendendo aquilo que é uma posição portuguesa”, afirmou Durão Barroso.

O antigo presidente da Comissão Europeia e agora presidente não-executivo da Goldman Sachs International falava aos jornalistas à margem do congresso internacional da INSOL Europe, que decorreu hoje num hotel do Estoril, em Cascais.

Durão Barroso voltou a dizer que está a ser alvo de discriminação e lembrou que houve outros membros da Comissão Europeia, inclusive ex-presidentes, que também ocuparam cargos em grandes bancos internacionais e não foram acusados de nada.

“Por que razão há contra mim? A minha opinião é porque sou português. Pode-se gostar ou não da minha atitude, concordar ou não com a minha escolha, mas há uma coisa que é certa: sou um cidadão português, estou no pleno uso dos meus direitos”, afirmou.

“Não aceito que me sejam limitados os meus direitos. Não fui para nenhum cartel da droga, estou a trabalhar numa entidade legal”, defendeu.

O responsável reiterou que fez tudo de forma “transparente, regular, escrupulosamente certa” e, por isso, não aceita que lhes sejam atribuídas “intenções malévolas e comportamentos incorretos”.

Durão disse ainda compreender algumas críticas, mas não aceitar outras e reconhece que a Goldman Sachs é “um nome controverso, como todos os grandes bancos internacionais”.

“Simplesmente não aceito que se procure criar uma discriminação contra uma entidade financeira que opera nos mercados, que está devidamente legalizada e devidamente regulada e também não aceito que haja discriminação contra mim, isso é contra as regras europeias, contra o direito europeu”, reiterou.

O novo presidente não-executivo da Goldman Sachs justificou a sua ida para o novo cargo porque o banco lhe deu garantias de que queria reforçar a sua cultura de transparência e responsabilidade.

“O meu trabalho será promover uma cultura de responsabilização, ética e transparência no banco. Não posso ser responsabilizado por coisas do passado. Acho que é perfeitamente aceitável do ponto de vista ético e moral trabalhar para o Goldman Sachs”, sustentou.

Embora já estivesse à espera de críticas, Durão lembrou que a primeira foi feita por Marine Le Pen, “da extrema-direita europeia, dizendo que isso provava que a União Europeia estava ao serviço do capitalismo internacional”.

“O mais engraçado é que algumas forças de esquerda, em vez de criticarem essa posição de extrema-direita, foram atrás dela, porque tiveram medo“, acusou.

Sobre o comentário do Presidente francês, François Hollande, que disse ser “moralmente inaceitável” que Durão Barroso ocupasse o novo cargo, o português considerou que mostrou “ceder à pressão” e “não dignificou nada a sua posição”.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Há 36 anos atrás num inter-rail perguntaram-me de onde eu era. Quando disse que era português, disseram-me… não te pareces nada com essa gente. Porque será??

RESPONDER

Príncipe André nega ter abusado sexualmente de jovem de 17 anos

O príncipe André, filho de Isabel I, é acusado de ter abusado sexualmente de Virginia Giuffre, uma jovem que na altura tinha 17 anos. O caso remonta ao dia 10 de março de 2001 e, este …

FC Porto tira pão da boca ao Sporting ao desviar central brasileiro

Os 'dragões' podem estar perto de chegar a acordo para a transferência de Gustavo Henrique. O central do Santos estava em negociações com o Sporting, mas uma forte investida do FC Porto, pode ter mudado …

Será que os cães conseguem farejar uma gravidez?

Já ouvimos falar de cães a farejar bombas e de cães a farejar cancro. E quanto à gravidez, o que poderá o nariz de um cão dizer? Há várias mulheres grávidas a relatar que o cão …

Quatro mortos em manifestações na Bolívia. São 23 desde o final de outubro

Comissão Interamericana de Direitos Humanos registou pelo menos 122 feridos desde sexta-feira. Já houve 23 vítimas mortais desde o final de Outubro, início da crise social e política na Bolívia. Quatro pessoas morreram no sábado em …

UE acusada de pagar aos próprios traficantes para travar imigração

A União Europeia conta com um processo no Tribunal Penal Internacional interposto por Omer Shatz e Juan Branco. A UE é acusado de pagar aos próprios traficantes para parar a imigração. Omer Shatz, advogado e professor …

Governo quer ter a primeira refinaria de lítio da Europa

O Governo quer abrir a primeira refinaria de lítio no continente europeu. No entanto, João Galamba refere que tudo depende dos resultados do estudo de impacto ambiental das minas. Sem confirmar que venha a haver minas …

Cientistas desvendam novas pistas sobre o maior macaco que já existiu

O mítico "Bigfoot" é uma criatura lendária mas, durante milhões de anos, o verdadeiro — um símio com o dobro do tamanho de um ser humano adulto — percorreu as florestas do Sudeste Asiático, antes …

Preço do tabaco pode aumentar. Decisão cabe ao Governo

Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um aumento do preço do tabaco, e a decisão depende agora do Governo. Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um …

Derrocada em Borba. Um ano depois, ainda é uma ferida aberta e problemas continuam

Um ano depois do acidente na pedreira de Borba, o sindicato que representa os trabalhadores garante que os perigos persistem, enquanto a associação Assimagra salienta que foi um caso “isolado” e está a avançar com …

Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma …