Drone revela pontos radioativos desconhecidos na floresta de Chernobyl

Mais de três décadas após o maior acidente nuclear da História, os níveis de radiação em partes da área proibida de 2.600 quilómetros quadrados de Chernobyl permanecem perigosamente altos.

Num esforço para mapear as flutuações na radioatividade em toda a região, os investigadores usaram drones para inspecionar a paisagem contaminada, revelando pontos quentes de intensa radiação que as autoridades não tinham ideia que existiam.

Quando o reator número quatro da central nuclear de Chernobyl explodiu em abril de 1986, libertou mais de 400 vezes mais radiação do que a bomba atómica lançada sobre Hiroshima no final da II Guerra Mundial.

Ao longo dos anos, os níveis de radioatividade diminuíram gradualmente e, em 2011, partes da zona proibida foram abertas aos turistas. No entanto, com mais de 70 mil visitantes por ano em Chernobyl, na Ucrânia, é muito importante que os responsáveis tenham conhecimento de qualquer ponto radioativo.

Uma equipa do Centro Nacional para Robótica Nuclear do Reino Unido desenvolveu um sistema de mapeamento por drone que usaram para criar uma imagem detalhada de uma secão de 15 quilómetros quadrados da zona proibida.

Para isso, enviaram um drone de asa fixa em 50 voos separados durante um período de dez dias. O drone usava um método remoto de deteção de laser chamado Light Detection and Ranging (LiDAR) para criar um mapa tridimensional do terreno e um espetrómetro de raios gama para medir os níveis de radiação.

Quaisquer pontos interessantes ou incomuns foram investigados em maior detalhe usando um drone de asas rotativas, capaz de pairar extremamente perto de locais que seriam demasiado perigosos para os humanos entrarem.

Começando a cerca de 13 quilómetros do local do antigo reator, os drones moveram-se gradualmente em direção à Floresta Vermelha – assim chamados porque o desastre fez com que as folhas de todas as árvores ficassem vermelhas. Situada a apenas 500 metros do local da explosão, a floresta sempre esteve cheia de radiação, mas os investigadores ficaram surpreendido ao descobrir que estava cheia de pontos de radioatividade muito alta.

Em particular, um depósito dentro da floresta que tinha sido usado para classificar o solo contaminado durante a operação de limpeza inicial apareceu no mapa como um brilhante reservatório de radiação.

Tom Scott, da Universidade de Bristol, que liderou a investigação, disse à BBC que “o legado deixado naquela instalação é essencialmente combustível nuclear usado espalhado pelo chão, o que dava uma dose muito alta de radiação”.

Muitos dos radioisótopos identificados no local têm meias-vidas extremamente longas, o que significa que demora muito tempo para que metade dos seus átomos radioativos se decomponha, por isso é provável que os níveis de radiação permaneçam perigosamente altos nos próximos anos.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …