Mais dois argelinos fugiram do Aeroporto de Lisboa e só foram apanhados na Gare do Oriente

1

-

Os dois argelinos que fugiram na quinta-feira à tarde do aeroporto de Lisboa foram detidos, nesta sexta-feira, na estação Gare do Oriente, durante a madrugada.

Os dois cidadãos argelinos fugiram, na quinta-feira, do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, quando faziam escala num voo de Marrocos com destino à Argélia, conforme dados enviados à Lusa pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

Os dois homens fugiram quando se procedia ao embarque de um grupo de cinco argelinos (quatro homens e uma mulher) e conseguiram “transpor a rede de protecção do aeroporto”, explicou, em comunicado, a PSP.

O MAI classifica a fuga dos dois argelinos, com 23 e 26 anos, segundo o Correio da Manhã, como mais um caso de tentativa de imigração ilegal.

Os dois homens foram detidos na estação Gare do Oriente, na zona do Parque das Nações, nesta sexta-feira de madrugada, por volta das 00:30 horas, conforme confirmou à Lusa o porta-voz do comando nacional da PSP, Hugo Palma.

“Na sequência da fuga, uma equipa de investigação criminal junto ao terminal da Gare do Oriente abordou dois indivíduos, solicitou a identificação e veio-se a confirmar que correspondia à dos dois indivíduos que tinham fugido do aeroporto”, salienta Hugo Palma.

O elemento da PSP refere que os dois homens “não ofereceram resistência”. “Foi tudo muito tranquilo”, refere sobre a detenção.

Os dois homens vão ser ainda hoje ouvidos por um juiz, em tribunal.

Este é apenas, mais um caso de cidadãos argelinos que conseguiram fugir do Aeroporto de Lisboa. Em Julho de 2016, quatro homens foram apanhados na pista de aterragem quando tentavam fugir ao controle de passaportes.

Em Setembro, um outro argelino conseguiu sair ilegalmente do Aeroporto e, em Outubro, elementos da PSP e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras conseguiram impedir a fuga de três passageiros que vinham de Marrocos.

Há ainda outros casos semelhantes e há suspeitas de que uma rede organizada esteja por trás destas movimentações.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.