Divulgados áudios de Zuckerberg com “ameaças” ao Governo e a Elizabeth Warren

JD Lasica / Wikimedia

Mark Zuckerberg, o criador da rede social Facebook

O CEO do Facebook viu serem divulgadas gravações áudio de uma das sessões de perguntas e respostas, feita em julho, com os funcionários da empresa.

O cofundador e administrador-delegado da Facebook, Mark Zuckerberg, prometeu aos empregados do grupo “lutar e ganhar”, caso a aspirante à candidatura pelos democratas à Casa Branca, Elizabeth Warren, for eleita e quiser desmantelar as grandes empresas tecnológicas.

Num estilo mais agressivo do que o habitual nas suas intervenções públicas, Zuckerberg dirigiu-se aos funcionários do Facebook, no passado mês de julho, para discutir o presente e o futuro da empresa, intervenção que foi agora divulgada pelo The Verge.

“Se Warren for eleita, apostaria que iremos ter uma batalha legal e apostaria que a iremos ganhar. Isso vai ser mau para nós? Sim, não quero colocar um grande processo ao nosso próprio Governo. Mas se alguém fizer ameaças existenciais, então entras no ringue e lutas”, disse o fundador da rede social.

“As atuais grandes empresas de tecnologia têm muito poder — muito poder sobre a nossa economia, a nossa sociedade e a nossa democracia”, disse ainda Zuckerberg aos seus colaboradores, citado pelo Expresso.

O CEO do Facebook justificou a sua oposição ao plano de Warren com o argumento, entre outros, de que a divisão destes conglomerados não vai reduzir as interferências nos processos eleitorais, bem pelo contrário, e que, na sua opinião, “as empresas não podem coordenar-se e trabalhar em conjunto”.

As suas palavras aludem à proposta da senadora democrata eleita pelo Estado do Massachusetts que, por várias vezes, tem reclamado a divisão das grandes empresas tecnológicas, por considerar “excessivo” o seu poder de mercado e na relação com os utilizadores.

Warren e o próprio Zuckerberg reagem às gravações

Hoje, depois de terem sido divulgadas as gravações áudio das declarações de Zuckerberg, Warren reafirmou a sua intenção e garantiu, através do Twitter, que o “verdadeiramente mau” seria não eliminar “um sistema corrupto que permite às empresas gigantes como o Facebook terem práticas anticoncorrenciais, desrespeitar o direito à privacidade e hesitar repetidamente na sua responsabilidade de proteger” a democracia.

“Não me assusta exigir responsabilidades às grandes empresas tecnológicas como Facebook, Google e Amazon. É a hora de dividir as grandes tecnológicas”, insistiu a senadora noutra mensagem.

Na sua conta do Facebook, Zuckerberg reagiu ao artigo do The Verge, partilhando mesmo o link do artigo do portal norte-americano e explicando que se trata de mais uma das habituais sessões de perguntas e respostas com os seus funcionários.

“Todas as semanas faço uma sessão de perguntas e respostas no Facebook na qual os funcionários me perguntam coisas e partilho abertamente o que penso sobre todos os tipos de projetos e questões. A transcrição de uma dessas sessões de há alguns meses acabou de ser publicada online — e, mesmo que fosse para ser interna e não pública, agora que está disponível, pode vê-la se estiver interessado em ver uma publicação não filtrada do que penso e digo aos funcionários sobre vários temas como responsabilidade social, desmantelamento de empresas de tecnologia, a Libra, interfaces de computação neural e fazer o que está certo a longo prazo”.

Criptomoeda Libra e condições dos moderadores

Nestes encontros, escreve o semanário, Zuckerberg também falou sobre a resistência de vários países em relação à sua criptomoeda Libra. “Penso que aquilo que é público tem sempre tendência a ser mais dramático. Mas uma grande parte passa pela negociação privada com os reguladores de todo o mundo e isso é mais relevante e menos dramático”.

Relativamente às condições em que trabalham os moderadores de conteúdo do Facebook, o cofundador diz que as notícias que têm saído “são um pouco melodramáticas”, garantindo ainda que nem todos “passam o dia a olhar para coisas terríveis”.

“Mas há coisas muito más com as quais os moderadores têm de lidar. Garantir que as pessoas recebam aconselhamento, espaço e a capacidade para fazer pausas e obter o apoio à saúde mental de que precisam é algo realmente importante”, diz ainda.

A empresa com sede em Menlo Park, na Califórnia, tem-se visto envolvida nos últimos anos em vários escândalos, que afetaram negativamente a sua imagem, o maior dos quais foi o que envolveu a Cambdrige Analytica, que utilizou uma aplicação para recolher informação pessoal de milhões de internautas sem o seu consentimento e com fins políticos.

Esta empresa serviu-se de dados do Facebook para elaborar perfis psicológicos de eleitores, que alegadamente vendeu depois à campanha eleitoral de Donald Trump, nas eleições Presidenciais de 2016.

O Facebook está a ser investigado pela Comissão Federal do Comércio, que a multou em cinco mil milhões de dólares, cerca de 4,6 mil milhões de euros, por más práticas em relação à privacidade dos seus utilizadores.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Olha, olha… o parasita que não paga impostos já pensa que é o Hitler e que as estas multinacionais estão acima da lei e do governo!…
    Muito cuidado com o poder destas empresas (com capital superior ao de muitos países do mundo) porque são grandes demais e podem corromper tudo!
    O dinheiro e o poder são a raiz de todos os males!…

RESPONDER

Gestor de ativos norte-americano diz que o ouro é o "verdadeiro bitcoin" (e explica porquê)

Um gestor de ativos norte-americano disse, em entrevista à CNBC, que acredita que o outro é o "verdadeiro bitcoin" - e explicou porquê. O preço do ouro, "investimento-refúgio" racional para investidores em tempos de crise …

Fortuna de Jeff Bezos não pára de engordar. Acabou de atingir um novo recorde

A fortuna do fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezzos, acaba de quebrar um novo recorde ao atingir os 182,6 mi milhões de dólares. Os números foram avançados esta semana pela revista Forbes, que detalha que …

Portugal não pode chegar ao inverno com a situação atual, alerta epidemiologista

Portugal corre o risco de não conseguir responder a um ressurgimento de casos de covid-19 no inverno, afirmou este sábado o médico de Saúde Pública Ricardo Mexia, considerando que o país não pode chegar a …

Pela primeira vez, nasceu um raro par de elefantes gémeos no Sri Lanka

Um raro par de elefantes gémeos foi encontrado num parque nacional no Sri Lanka. É a primeira vez que o país regista crias gémeas, que são extremamente raros em elefantes. Os dois animais, que terão entre …

Teste aos forcados e lotação reduzida. Publicadas as novas regras para as touradas

A temporada taurina retoma com praças com lotação de 50%, uma reivindicação do sector que viu este sábado ser publicada pela Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) uma acualização às normas discutidas com a DGS. “O que …

Trump propôs "vender" Porto Rico após a passagem do furacão Maria, revela ex-funcionária

Elaine Duke, ex-secretária adjunta de Segurança Interna do presidente dos EUA disse que Donald Trump propôs "alienar" ou "vender" a Comunidade de Porto Rico depois de a ilha ser atingida pelo furação Maria, em 2017. "As …

Catarina Martins atira-se a Rio. Líder do PSD está a fazer "um favor" a Costa no fim dos debates

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez este sábado um duro ataque ao líder do PSD, que acusou de fazer um favor ao primeiro-ministro. Catarina Martins considerou “extraordinário” que o líder do maior partido da oposição …

Fraudes em subsídios europeus atingem 2,3 mil milhões. Dava para salvar a TAP (duas vezes)

Uma investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) concluiu que os casos de fraude na obtenção e desvio de fundos públicos, nos últimos dez anos, ascendem a cerca de 2,3 mil milhões de euros. Os …

Sem ganho económico e muitas mortes. O que dizem os dados da controversa estratégia sueca

A estratégia relaxada da Suécia contra a covid-19 gerou várias críticas. Os números mostram que tanto a nível sanitário como económico, o país saiu a perder. O Governo sueco não impôs um confinamento à população e, …

Irão diz que avião ucraniano foi abatido devido a erro humano

Um erro humano relacionado com um mau ajuste do radar militar foi a causa do acidente com o boeing ucraniano abatido em 8 de janeiro perto de Teerão, Irão, provocando 176 mortos, concluiu o relatório …