Diminuição de insetos tem efeitos “inimagináveis” para os seres humanos

A diminuição do número de insetos é um problema muito mais grave do que se julgava. Nova investigação afirma que essa diminuição põe em causa cadeia alimentar e traz “consequências inimagináveis para os seres humanos”.

O estudo publicado a 15 de outubro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, foca-se nos artrópodes – animais invertebrados que possuem exoesqueleto rígido e vários pares de apêndices articulados – como gafanhotos, moscas, mosquitos, borboletas, formigas, aranhas, escorpiões e centopeias.

De acordo com a Visão, no estudo é feita uma comparação com dados obtidos durante os anos 70, concluindo que a biomassa destes insetos diminuiu entre 10 a 60 vezes.

Para além da diminuição no número de insetos registado, o estudo revelou ainda “declínios simultâneos em lagartos, sapos e pássaros que comem artrópodes“.

A investigação afirma também existir um outro culpado para a diminuição das populações destes insetos. Em estudos do ano passado sobre o desaparecimento de insetos voadores na Alemanha, foi sugerido que o culpado seria a utilização de pesticidas.

Contudo, este novo estudo concluiu que o culpado teria de ser outro visto que o uso de pesticidas caiu mais de 80% no Porto Rico desde 1969. Neste país, com a diminuição de enormes quantidades de insetos na floresta tropical de El Yunque, também se registou uma diminuição dos seus predadores como os lagartos, pássaros e sapos.

Retirando os pesticidas como os prováveis culpados para o desaparecimento destas populações, os investigadores apontam o aquecimento global como o verdadeiro culpado.

“Nos últimos 30 anos, as temperaturas na floresta aumentaram 2ºC e o nosso estudo indica que o aquecimento do clima é a força por trás do colapso da cadeia alimentar da floresta”, afirmam os investigadores.

O estudo avisa ainda que, caso se confirme a influência das alterações climáticas nos ecossistemas tropicais, os efeitos podem ser muito mais significativos do que aquilo que se previa.

Bradford Lister, um dos autores do estudo e biólogo do Instituto Politécnico de Rensselaer, em Nova York, dedica-se desde os anos 70 à análise dos insetos da floresta tropical de El Yunque.

Entre 1976 e 1977, Bradford deslocou-se à floresta para registar o número de insetos e de predadores existentes. Agora, 40 anos depois, o biólogo regressou à mesma tarefa acompanhado por Andrés García, da Universidade Nacional Autónoma do México.

“Foi logo óbvio mal entrámos naquela floresta. Menos pássaros a voar, as borboletas, antes abundantes, tinham todas desaparecido”, revelaram os investigadores.

Para além dos pássaros, as populações de traças, aranhas e gafanhotos também sofreram uma diminuição. No caso dos lagartos Anolis, existiu um decréscimo de mais de 30%.

Esta diminuição que agora atinge os animais que se alimentam de insetos, poderá chegar nos próximos anos às plantas. Isto porque, sem polinizadores, as plantas não têm como se expandir e, sem florestas tropicais, “será mais uma falha catastrófica em todo o sistema da terra que vai atingir os seres humanos de formas inimagináveis”, afirmam.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Meta do Bloco de Esquerda nas autárquicas é "ter mais força"

A coordenadora do Bloco de esquerda (BE) traçou esta segunda-feira o objetivo de "ter mais força" nestas autárquicas, mas sem quantificar metas, considerando que mesmo quem não concorda com tudo o que defendem os bloquistas, …

Algo vai mal no Palmeiras de Abel: mais tempo, piores resultados

A Libertadores concentra as atenções dos jogadores e dos adeptos mas, entretanto, a liderança do Brasileirão fugiu. O Palmeiras estava numa fase excelente há pouco tempo. No final de Julho completou uma série de nove vitórias …

No GP de Itália, Monza pintou-se de papaia e o halo voltou a salvar uma vida

Resultado do Ricciardo e Norris (P1 e P2) é o melhor da Mclaren desde 2010. Acidente de Max Verstappen e Lewis Hamilton, os grandes candidatos ao título do mundial de pilotos, foi um dos assuntos …

Mais 458 casos e cinco mortes. Portugal tem mais de um milhão de recuperados de covid

Portugal registou mais 458 novos casos e cinco mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo os dados da Direcção-Geral da Saúde. Desde Junho que o país não tinha um número de novos casos tão …

Alemanha. Scholz vence segundo debate e consolida liderança a duas semanas das legislativas

O líder do SPD consolidou assim a sua liderança nas sondagens, apesar de Armin Lashcet, da CDU, ter saído mais ao ataque. O actual Ministro das Finanças da Alemanha e líder dos sociais-democratas, Olaf Scholz, foi …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: Em tons de amarelo e vermelho

O energético clássico. O reforço da liderança do Benfica goleador. O regresso de Ronaldo com golos. O milésimo jogo de Mourinho. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder dá lição …

Açores querem alcançar em 2024 certificação de ouro como destino turístico sustentável

Autoridades pretendem fazer uma gestão do crescimento do turismo na ilha, de forma a evitar excessos que sejam prejudiciais para o ambiente. Os Açores querem "elevar os padrões de sustentabilidade" e alcançar, em 2024, a certificação …

Marine Le Pen e Anne Hidalgo lançam-se nas presidenciais francesas de 2022

Anne Hidalgo e Marine Le Pen anunciaram as suas respetivas candidaturas à presidência de França nas eleições do próximo ano. A campanha presidencial em França registou esta segunda-feira uma aceleração com a candidatura da responsável socialista …

Messi não saiu por motivos económicos: "O presidente da Liga tem uma obsessão pelo Barcelona"

  O melhor de sempre, segundo o presidente da Liga, poderia ter continuado em Barcelona, se a direção catalã quisesse. Presidente do clube já reagiu. Como se esperava, a saída de Lionel Messi do Barcelona continua a …

Task force não quer reabrir centro de vacinação do Queimódromo no Porto

A task force que coordena o plano de vacinação contra a covid-19 em Portugal adiantou hoje que não se justifica a reabertura do centro de vacinação do Queimódromo, no Porto, face ao “baixo ritmo” de …