“Morri no Paralelo79N”. Diário revela as últimas horas de um explorador que morreu sozinho na Gronelândia

Os investigadores analisaram a última entrada do diário de explorador polar do século XX, Jørgen Brønlund, incluindo uma curiosa mancha negra, escrita antes de morrer sozinho no nordeste da Gronelândia, descobrindo o que lhe aconteceu nas suas últimas horas.

Em 1906, conta o IFLScience, uma expedição dinamarquesa partiu para mapear as últimas regiões indocumentadas da Gronelândia. Essas últimas secções dos mapas permaneciam vazias por um motivo: as condições eram difíceis no extremo nordeste.

Uma corajosa equipa de seis exploradores montou um acampamento base numa pequena estação meteorológica em Dove Bay e passou o outono e o inverno a preparar depósitos de suprimentos ao longo da rota que tomariam antes de partir para terras desconhecidas na primavera.

Jørgen Brønlund, intérprete experiente, manteria o diário de viagem do grupo.

Em março, os exploradores rumaram para o norte ao longo da costa gelada e foram imediatamente confrontados com condições adversas e gelo áspero, tornando a sua viagem já difícil ainda mais difícil, uma vez que tinham de parar regularmente para consertar os trenós.

A equipa ficou preocupada ao perceber que o litoral os estava a levar mais para o nordeste do que esperavam, de modo que a viagem demoraria mais – e usaria mais recursos – do que o planeado. O erro terá sido dos esboços desenhados pelo explorador Robert Peary.

Ainda comprometida com a sua tarefa, a equipa dividiu-se em duas, com uma equipa a ir para noroeste através do gelo marinho, onde mapeariam a costa e, eventualmente, voltariam para a segurança. O outro, formado por Ludvig Mylius-Erichsen, Niels Peter Høeg Hagen e Brønlund, dirigia-se para o oeste.

Os três, liderados por Mylius-Erichsen, continuaram a mapear a área, perdendo tempo e energia ao entrar num fiorde, que mais tarde viria a ser chamado de Fiorde de Hagen em homenagem ao cartógrafo Hagen, que o mapeou durante esta viagem.

Os exploradores completaram a tarefa de preencher o mapa e voltaram pelo caminho de onde vieram, mas descobriram que o verão tinha derretido o gelo, tornando a sua rota intransitável e forçando-os a ir para o interior.

O tempo arrefeceu, estavam reduzidos a quatro cães e um trenó, e os seus sapatos estavam gastos pelas rochas sob seus pés. “Sem comida, sem calçado e várias centenas de quilómetros até ao navio”, escreveu Brønlund no diário. “As nossas perspetivas são muito más.”

Os exploradores adiaram comer os cães porque precisariam deles para voltar ao navio, mas, quando chegaram ao gelo, os cães estavam tão magros como a equipa. Fizeram uma tentativa final de sobrevivência, alcançando 260 quilómetros com os pés descalços e congelados ao longo de 26 dias. Tudo isto no escuro do inverno da Gronelândia, onde a luz do dia ocorre apenas três ou quatro horas por dia.

Eu morri no Paralelo 79N, sob as adversidades da viagem de retorno sobre o gelo do interior em novembro”, escreveu Jørgen Brønlund no seu último registro, ciente de que não sobreviveria à noite. “Venho sob a lua minguante e não posso continuar por causa dos meus pés congelados e da escuridão. Os corpos dos outros estão no meio do fiorde. Hagen morreu em 15 de novembro, Mylius Erichsen cerca de dez dias depois.”

O corpo de Brønlund foi o único a ser encontrado, e com ele, os mapas que a equipa tinha levado na sua jornada. Embora os três tenham morrido, os seus mapas – e o propósito da jornada – estavam completos.

Quando Brønlund foi recuperado quatro meses depois, também o diário foi encontrado. Na última entrada, havia uma mancha negra na página final, logo abaixo da sua assinatura, que foi submetida a análises químicas por uma equipa da Universidade do Sul da Dinamarca (SDU).

A análise, publicada este mês na revista científica Archaeometry, mostra que a mancha preta continha borracha queimada, óleos, petróleo e fezes. Como o último sobrevivente da equipa, Brønlund tinha alcançado o último depósito e tinha acesso a um queimador de petróleo Lux, fósforos e petróleo.

A equipa acredita que Brønlund tentou usar os óleos disponíveis, que podem ser de vegetais, animais, peixes ou velas de cera, para tentar fazer o queimador funcionar sem nenhum álcool metabolizado para pré-aquecê-lo.

“Vejo como ele, enfraquecido e com as mãos sujas e trémulas, se atrapalhou na tentativa de acender o fogo”, disse Kaare Lund Rasmussen, da SDU, em comunicado. “Mas falhou.”

O diário é agora mantido na Biblioteca Real de Copenhaga e o queimador Lux, encontrado em 1973, foi doado ao Instituto Ártico de Copenhaga.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Diminuição da esperança média de vida é "consequência inevitável" da pandemia

A esperança média de vida em Portugal vai necessariamente diminuir em consequência da pandemia de covid-19, defendeu um especialista, explicando que isso decorre do efeito combinado da morte de idosos, mas também de jovens em …

Novo estudo explica a importância de esterilizar os gatos antes da adolescência

Um novo estudo sugere que a idade de esterilização dos gatos deve ser antecipada de seis para quatro meses, com o objetivo de prevenir ninhadas indesejadas de gatinhos, que muitas das vezes acabam por ser …

Publicidade do Pingo Doce a promoções viola a lei do confinamento

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica está a avaliar incumprimento que visa aumentar clientes em loja durante o fim de semana. Os supermercados da Jerónimo Martins estão a publicitar promoções numa altura em que …

A tomada de posse de Joe Biden deixou os apoiantes do QAnon sem rumo

Com a tomada de posse de Joe Biden como 46.º Presidente dos Estados Unidos, esta quarta-feira, a frustração começou a infiltrar-se entre os apoiantes do QAnon. O QAnon é um movimento nascido, em 2017, no seio …

Pela quarta vez em quase 50 anos, gelo cobriu o deserto do Saara

Na terça-feira passada, um dos lugares mais secos do mundo acordou com uma geada sobrenatural. Foi apenas a quarta vez em quase 50 anos. No deserto do Saara, no noroeste da Argélia, nos arredores da cidade …

Novo máximo de mortes. São mais 275 óbitos e 11 721 novos casos

Portugal registou mais 275 mortos e 11 721 novos casos de infeção por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) deste domingo. É o novo máximo de mortes …

Longas filas para votar em segurança. Candidatos a Belém apelam ao voto

As mesas de voto para as eleições presidenciais abriram hoje às 08h00, e as longas filas são uma realidade em todo o país. Todos os candidatos já votaram. De acordo com o porta-voz da Comissão Nacional …

Afluência às urnas até às 12:00 foi de 17,07%. Valor é superior ao das presidenciais de 2016

A afluência às urnas para a eleição do próximo Presidente da República situava-se, até às 12:00 de hoje, nos 17,07%, segundo dados da Comissão Nacional de Eleições (CNE). Nas últimas eleições presidenciais, em 24 de janeiro …

Estado perde rasto a candidatas a asilo. Há 33 mulheres em fuga

Cerca de trinta e três mulheres requerentes de asilo a Portugal fugiram ao controlo do Conselho Português para os Refugiados (CPR) entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano. O Estado não sabe do seu …

OM alerta que sem profissionais não adianta ter mais camas. Hospital de Almada com ocupação de 250%

Numa altura em que estão a ser disponibilizadas mais camas para doentes covid em Portugal, a Ordem dos Médicos alerta que só isso não chega. Há muitos hospitais que se encontram no limite dos seus …