Dinamarqueses desafiaram Hitler e salvaram a sua população judaica dos nazis

(CC0/PD) Sputnik News

A 29 de setembro de 1943, um rabino dinamarquês interrompeu o culto matinal na sinagoga Krystalgade em Copenhaga e disse: “Não temos tempo para continuar com as orações”. Nascia, assim, a resistência dinamarquesa.

A 29 de setembro de 1943, um rabino dinamarquês interrompeu o serviço na sinagoga Krystalgade, em Copenhaga, e disse: “Não temos tempo para continuar as orações. Temos notícias de que, na próxima sexta-feira à noite, entre 1º e 2º de outubro, a Gestapo virá prender todos os judeus dinamarqueses. Eles têm uma lista de endereços e irão à casa de cada judeu e levar-nos-ão, em dois grandes navios que estarão à nossa espera no porto de Copenhaga, para campos de concentração do continente”.

Marcus Melchior afirmou a todos: “Há duas coisas que todos devem fazer. Primeiro, devem ficar longe das vossas casas na sexta-feira à noite. O que acontecerá depois não sabemos, mas não fiquem em casa. Segundo, passem esta informação a quantos amigos, familiares e pessoas puderem.

Os dias seguintes marcaram uma das histórias mais impressionantes de resistência da Segunda Guerra Mundial. Sob as ordens de Hitler, os judeus dinamarqueses foram deportados no dia 1 de outubro de 1943. Mas, no espaço de poucas semanas, uma rede secreta formada pela população não judaica do país transportou quase 8 mil pessoas em pequenos barcos que cruzaram o estreito de Øresund até à Suécia.

A fotógrafa Judy Glickman Lauder contou esta história através de uma série de retratos dos sobreviventes judeus e dos seus salvadores. O seu novo livro, Beyond the Shadows: The Holocaust and the Danish Exception, reúne fotografias que celebram o 75.º aniversário do resgate.

Nos últimos 30 anos, Lauder fotografou vários locais que abrigaram campos de concentração nazi, como Auschwitz. Algumas dessas fotografias aparecem no livro, embora esta publicação também tente passar uma mensagem de esperança através destas fotografias avassaladoras.

“O estudioso do Holocausto Raul Hilberg observou que a vida sobre o regime nazi reduzia todos a três categorias: perpetrador, vítima ou observador“, escreve a autora no livro. “Mas houve exceções à regra de Hilberg – pequenas, mas importantes exceções de pessoas e comunidades que nem eram perpetradores, nem vítimas, e que se recusaram a ser observadoras”.

“Tive a oportunidade de conhecer, entrevistar e fotografar os líderes da resistência dinamarquesa, salvadores e sobreviventes judeus. Essas pessoas extraordinárias partilharam comigo as suas experiências. Muitos não conseguiam entender por que motivo eu queria fazer este livro de retratos. ‘Fizemos o que tínhamos que fazer’, disseram, como se isso fosse óbvio”, continuou.

Além da história da violência, o livro também nas suas páginas uma história igualmente importante “de resistência, resiliência e de proteção de minorias por indivíduos corajosos, comunidades e pelas próprias nações”.

Os retratos de Glickman Lauder trazem à lembrança um momento na história em que pessoas comuns se arriscaram para ajudar as outras. “Embora a história dinamarquesa seja pequena em relação a números, tem um peso enorme”, diz Lauder.

“Os dinamarqueses simbolizam para mim esperança – a força da bondade num mundo enlouquecido”, concluiu.

ZAP // BBC

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. os nazistas agora sao culpados de tudo, os esquerdas e acomunicacao tem agora uma nova propaganda . apelidar o que lhe interessa de nazismo , e a nova moda.

  2. Meus avós paternos deixaram a Dinamarca na década de 30. Ele era engenheiro e desconfio q minha avó tinha descendência judia. Acredito q foram forçados a abandonar sua pátria para se manterem vivos. Este é um breve relato de como o ser humano é desprezível quando se acha com poder para dominar seu semelhante.

RESPONDER

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …