Cientistas criam plástico que pode ser totalmente reciclado

Uma equipa de cientistas norte-americanos criou um novo tipo de plástico que pode ser reciclado variadas vezes, característica que diferencia este material dos que são amplamente utilizados nos dias de hoje. A nova investigação visa otimizar o processo de reciclagem, sem perdas no material reciclado.

Para chegar ao novo composto, a equipa alterou o plástico durante a sua fabricação, adicionando-lhe produtos químicos que lhe conferem as suas qualidades, como a dureza ou flexibilidade – características que impedem a reutilização permanente, tal como escreveram os cientistas no novo estudo esta semana publicado na revista Nature Chemistry.

Tal como explica o instituto em comunicado, os plásticos contêm vários aditivos – como corantes, enchimentos ou retardadores de chamas – e, por isso, poucos podem ser reciclados sem perdas na qualidade do material ou no aspeto estético.

Mesmo o plástico mais reciclável, o PET (politereftalato de etileno) é apenas reciclado a uma taxa de 20 a 30%. O que resta destes plásticos pode acabar em incineradoras ou aterros, onde levará anos para se decompor.

“A maioria dos plásticos nunca foi feita para ser reciclada“, disse Peter Christensen, investigadores da instituição norte-americana Molecular Foundry do Berkeley Lab.

A descoberta da equipa, explicou Christensen, reside essencial numa “norma forma de fabricar” os plásticos. “Consideremos a reciclagem a partir de uma perspetiva molecular”.

Para entender o novo plástico recém-criado, é necessário explicar o “velho”. Por norma, os plásticos comuns são criados por polímeros, que se formam a partir da união de monómeros que contêm carbono. Os produtos químicos que são adicionados ao plástico permanecem ligados, mesmo após o processo de reciclagem e a mistura de outros plásticos com diferentes composições. Assim, torna-se mais difícil conhecer as propriedades do novo material criado.

Para contornar o inconveniente, a equipa criou polydiketoenamine, também apelidado de PDK, um produto “circular no qual os monómeros pode libertar-se dos químicos.

“Com o PDK, os elos imutáveis dos plásticos convencionais são substituídos por elos revertíveis que permitem ao plástico reciclar-se de forma mais eficaz“, explicou Brett Helms, outro cientista que participou na investigação.

Para isso, os monómeros devem ser imersos numa solução de alto teor de ácido, que separará os produtos químicos agregados.

“Os plásticos circulares e a reciclagem são grandes desafios. Temos visto o impacto dos resíduos de plástico que se infiltram nos nossos ecossistemas aquáticos e é provável que esta tendência seja agravada pelas quantidades crescentes [de plástico] que são fabricadas”, acrescentou Helms.

Marilyn Chung Berkeley Lab

Peter Christensen, Kathryn Loeffler, e Brett Helms

O novo sistema evitará ainda que os produtos plásticos acabem em aterros ou oceanos, tendo um ciclo de vida que se poderá repetir. “Estamos interessados na Química que redireciona os ciclos de vida de plástico de linear para circular. Vemos a oportunidade de fazer a diferença onde não há opções de reciclagem.

Os especialistas do laboratório de Berkeley descobriram este novo material enquanto aplicavam ácidos no material de vidro que é utilizado para desenvolver adesivos PDK. Foi nesse momento que perceberam que a composição destes adesivos tinha sido modificada. “Para nossa surpresa, eram os monómeros originais“, disse Helms.

Depois, a equipa concluiu que os monómeros PDK poderiam formar polímeros que, quando reutilizados, perdiam as suas características originais. O próximo passo passará agora por desenvolver este tipo de plástico com diferentes propriedades térmicas e mecânicas que podem ser aplicadas em têxteis, impressões 3D e espumas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …