Desaparecimento da pintura mais cara do mundo terá sido premeditado

Justin Lane / EPA

Frank Zöllner acredita que o súbito desaparecimento do Salvator Mundi depois de este ter sido adquirido num leilão por um príncipe saudita, foi premeditado.

Na opinião do investigador alemão, autor do mais completo trabalho sobre Leonardo da Vinci e um dos principais especialistas na obra do artista renascentista, faz tudo parte de “uma campanha de desinformação para tornar o quadro ainda mais interessante”.

A pintura, que se acredita ter sido executada total ou parcialmente por Da Vinci, foi vendida por um valor recorde de 400 milhões de euros em 2017. Depois de esta ter sido comprada por Bader bin Abdullah bin Mohammed bin Farhan al-Saud, parente afastado da família real da Arábia Saudita, foi anunciado que a pintura de Cristo seria a estrela do novo Louvre de Abu Dhabi, que abriu portas em novembro desse ano.

Porém, o quadro nunca apareceu. Os funcionários do museu dizem desconhecer o seu paradeiro, o ministério da Cultura saudita recusa-se a fornecer informações e o Louvre de Paris, que tinha interesse em exibir o Salvator Mundi na grande exposição dos 500 anos da morte de Leonardo, em outubro, diz desconhecer o que se passou.

Para Frank Zöllner, tudo não passa de uma “manobra repugnante” para aumentar o valor e interesse da pintura, datável de depois de 1570.

“O Salvator Mundi é a descoberta mais importante das últimas décadas. Isso torna-o importante, mas a sua venda corrompeu ligeiramente a nossa perspetiva do quadro. Todas as manipulações do público, o carácter dos compradores, as quantias de dinheiro envolvidas – tudo isto é irritante. Agora, desapareceu. Ou parece ter desaparecido”, declarou o especialista ao Observador.

O investigador alemão acredita que os proprietários da pintura estão à espera de a colocar na grande exposição do Louvre, com curadoria de Vincent Delieuvin e Louis Frank, para lhe dar “um bocadinho mais de autentificação”.

“Não a puseram na exposição de setembro de 2018 em Abu Dhabi porque fazê-la desaparecer durante um bocado e fazê-la reaparecer em Paris em outubro este vai tornar a pintura mais famosa. E é possível que o Louvre lhe dê um bocadinho mais de aprovação”, afirmou ainda Frank Zöllner.

Apesar de se acreditar que Leonardo da Vinci esteve envolvido na produção do quadro, vários especialistas continuam a questionar e a pôr em causa a sua autoria, que chegou a ser atribuída a Bernardo Luini, que fazia parte do círculo do pintor florentino. Esta teoria voltou a ser defendida muito recentemente pelo historiador de arte Matthew Landrus.

As incertezas relativamente à atribuição do Salvator Mundi a Leonardo da Vinci baseiam-se em três pontos principais. Primeiro, ao contrário de outras pinturas originais do artista renascentista, o Salvator Mundi não é referido em nenhuma das fontes antigas.

Por outro lado, só é possível traçar o seu percurso com certeza a partir do século XX, quando reapareceu no mercado depois de ter sido adquirido por um colecionador britânico, Charles Robinson. Anteriormente a isso sabe-se apenas que pertenceu, em meados do século XVII, a Carlos I de Inglaterra e que foi leiloado pelo filho do duque de Buckingham em 1763.

Outro problema diz respeito ao estado de conservação do quadro. Em 2005, depois de ter sido adquirido por um consórcio de comerciantes de parte que pagou apenas cerca de dez mil euros, foi alvo de um restauro que o danificou gravemente. O início do restauro não está documentado na sua totalidade e a publicação de todos os documentos, anunciada várias vezes desde 2011, ainda não aconteceu. Isso faz com que seja impossível dar por encerrado o processo de autentificação.

Ainda assim, Frank Zöllner acredita que a pintura foi “desenhada por Leonardo, executada pela sua oficina e possivelmente retrabalhada por si”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas mediram o período de tempo mais curto de sempre

Uma equipa de físicos e metrologista da Universidade Goethe de Frankfurt, na Alemanha, anunciou que conseguiu medir o menor período de tempo já determinado - são 247 zeptosegundos, segundo os cientistas. O processo físico cuja …

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …