O degelo do Ártico está a dar espaço ao fitoplâncton para libertar gases (e formar nuvens)

As mudanças climáticas estão a afetar o mundo inteiro, mas o Ártico é o local que mais sente estas alterações. Segundo um relatório recente do IPCC, o Ártico já aqueceu em até 5ºC no século XX.

O aquecimento levou ao derretimento do permafrost, ao aumento do derretimento da camada de gelo da Gronelândia, que irá elevar o nível global do mar e diminuir a extensão do gelo do mar do Ártico.

Porém, um dos maiores impactos da mudança climática está em alguns dos mais pequenos membros do ecossistema do Ártico: o fitoplâncton – um termo coletivo para organismos marinhos que fotossintetizam e que são quase invisíveis a olho nu. Estas pequenas criaturas produzem até metade de todo o suprimento de oxigénio do mundo.

De acordo com um estudo recente de Martí Galí e outros investigadores da Université Laval, no Canadá, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, o fitoplâncton pode ter um impacto ainda mais estranho no clima do Ártico.

O fitoplâncton precisa de duas coisas para crescer: luz e nutrientes. No oceano Ártico, os nutrientes raramente são um problema. As longas noites de inverno do Ártico, no entanto, significam que, na maior parte do ano, o fitoplâncton do Ártico não tem luz suficiente para crescer. A maioria das espécies do Ártico aguarda a luz solar para desencadear o seu crescimento e, quando recebem essa luz, florescem em abundância.

Porém, para que a luz do sol alcance o fitoplâncton no oceano, o plâncton precisa de estar numa parte do Ártico que não esteja coberta de gelo. A diminuição do gelo do mar do Ártico significa que estas regiões ficam sem gelo durante períodos mais longos, por isso o fitoplâncton do Ártico está a ficar cada vez maior.

Isto significa um aumento geral na quantidade de fitoplâncton no Ártico e, quando o fitoplâncton no Ártico aumenta, também pode aumentar, de acordo com o Massive Science, um certo gás na atmosfera – DMS.

DMS significa dimetilsulfureto. Nas baixas concentrações produzidas pelo fitoplâncton, normalmente, é inofensivo. Na praia, sente-se o cheiro do DMS, que é o mesmo odor produzido ao cozinhar milho, repolho em ebulição ou certos tipos de frutos do mar. É um componente crucial do “cheiro do mar” instantaneamente reconhecível.

Este gás é produzido naturalmente por certos tipos de fitoplâncton e, portanto, é natural supor que, à medida que o fitoplâncton aumenta, as concentrações de DMS aumentam. No entanto, o DMS é particularmente interessante por causa do seu papel suspeito na produção de nuvens.

A extensão total do vínculo entre o DMS e a formação de nuvens ainda é desconhecida mas, se o DMS afeta a formação de nuvens, a perda de gelo do mar no Ártico pode estar a contribuir para a existência de mais nuvens nesta zona.

Para estimar se as concentrações de DMS estavam a aumentar, Galí e a sua equipa tiveram de adotar uma perspetiva mais ampla, olhando a região a partir do Espaço. Os satélites SeaWIFS e MODIS-Aqua monitorizam desde 1997 a clorofila, o pigmento que dá às plantas a sua cor verde. A clorofila é frequentemente usada como substituto da biomassa fitoplanctônica – quando mais clorofila no oceano, mais fitoplâncton está ativo.

Ao combinar medições de clorofila com um algoritmo que converte biomassa em emissões de DMS, Galí e a sua equipa conseguiram estimar que as concentrações de DMS no Ártico aumentaram aproximadamente 33% por década. Os cientistas estimaram que as concentrações de DMS poderiam mais que duplicar no caso de um verão completamente livre de gelo, o que pode acontecer nos próximos 25 anos.

Se as concentrações de DMS no Ártico continuarem a aumentar, é razoável esperar uma alteração nos padrões de nuvens no Ártico. As nuvens desempenham um papel crucial na regulação do clima e na temperatura da Terra, podendo arrefecer a Terra se a luz solar for refletida do topo das nuvens e voltar para o Espaço ou ampliar o aquecimento se o calor da Terra for refletido debaixo das nuvens e voltar para o planeta.

Ainda não se sabe se as novas nuvens do Ártico pioram o aquecimento do Ártico ou ajudam a manter a região fresca. Porém, é importante entender a forma como as mudanças climáticas afetarão o Ártico, não apenas por ser um ambiente vulnerável que abriga aproximadamente quatro milhões de pessoas, mas sim porque é uma das primeiras regiões que estão a sentir os efeitos das mudanças climáticas. Perceber a forma como o Ártico será afetado ajuda-nos a preparar-nos para as mudanças climáticas em todo o mundo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal sai da "lista negra" da Suíça de países com chegadas condicionadas

As autoridades federais suíças decidiram esta quarta-feira levantar as restrições à entrada de pessoas provenientes da maior parte de países e regiões que estavam na sua lista negra, incluindo Portugal. Os nacionais ou viajantes provenientes desses …

Estudo sugere que os macacos podem ter-se domesticado como os humanos

Um novo estudo sugere que os macacos, tal como os humanos, podem envolver-se no processo de auto-domesticação, alterando o curso da sua própria evolução e fisiologia através da forma como se comportam uns com os …

A estrela morta que emitiu ondas de rádio no interior da Via Láctea voltou a fazê-lo

O magnetar SGR 1935+2154, que em abril emitiu a primeira explosão de rádio conhecida de dentro da Via Láctea, explodiu mais uma vez. A pequena estrela morta responsável pela primeira deteção de explosões rápidas de rádio …

"Asteróide do caos". Novos dados confirmam que Apophis pode impactar com a Terra em 2068

Um astrónomo do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai revelou novas descobertas críticas relacionadas com um grande asteróide que deverá passar muito perto da Terra. Dave Tholen e os seus colaboradores anunciaram a deteção da …

Luís Filipe Vieira reeleito com 62,59% dos votos

Luís Filipe Vieira foi reeleito para um sexto mandato como presidente do SL Benfica, com 62,59% dos votos dos sócios. Vieira está à frente do emblema da Luz desde 2003. Nem a pandemia travou os sócios …

Sporting 3-1 Gil Vicente | “Pote” de ouro na recta final

Sofrimento e alívio. O Sporting esteve a perder em casa por 1-0 com o Gil Vicente até aos 82 minutos, mas deu a volta ao marcador num curto espaço de tempo, acabando por fixar o …

Descoberto na Austrália recife de coral mais alto do que o Empire State Building

Um novo recife "maciço" de 500 metros foi descoberto na Grande Barreira de Corais da Austrália, tornando-o mais alto do que alguns dos arranha-céus mais altos do mundo. Os cientistas encontraram o recife separado - o …

Encontrados restos de ossos e madeira em pregos que terão sido usados na crucificação de Jesus

Um geólogo israelita analisou pregos supostamente associados à crucificação de Jesus Cristo e descobriu que os objetos contêm traços de osso e madeira. Em 1990, durante a escavação em Jerusalém do túmulo de Caifás, o sumo …

Oreo construiu um "Cofre do Apocalipse" para proteger as suas famosas bolachas

Depois do Svalbard Global Seed Vault, que guarda mais de um milhão de amostras de sementes num bunker, e o Arctic World Archive, que preserva os dados do mundo de hoje, a Oreo criou um "Cofre do …

"O Palmeiras sabe quem é o Abel?" - as dúvidas no Brasil, parte II

Abel Ferreira deverá ser confirmado como novo treinador do Palmeiras nesta sexta-feira. No Brasil voltam a surgir questões sobre as contratações de técnicos estrangeiros. Lembra-se de Marco de Vargas, o jornalista da FOX Brasil que não …