O degelo do Ártico está a dar espaço ao fitoplâncton para libertar gases (e formar nuvens)

As mudanças climáticas estão a afetar o mundo inteiro, mas o Ártico é o local que mais sente estas alterações. Segundo um relatório recente do IPCC, o Ártico já aqueceu em até 5ºC no século XX.

O aquecimento levou ao derretimento do permafrost, ao aumento do derretimento da camada de gelo da Gronelândia, que irá elevar o nível global do mar e diminuir a extensão do gelo do mar do Ártico.

Porém, um dos maiores impactos da mudança climática está em alguns dos mais pequenos membros do ecossistema do Ártico: o fitoplâncton – um termo coletivo para organismos marinhos que fotossintetizam e que são quase invisíveis a olho nu. Estas pequenas criaturas produzem até metade de todo o suprimento de oxigénio do mundo.

De acordo com um estudo recente de Martí Galí e outros investigadores da Université Laval, no Canadá, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, o fitoplâncton pode ter um impacto ainda mais estranho no clima do Ártico.

O fitoplâncton precisa de duas coisas para crescer: luz e nutrientes. No oceano Ártico, os nutrientes raramente são um problema. As longas noites de inverno do Ártico, no entanto, significam que, na maior parte do ano, o fitoplâncton do Ártico não tem luz suficiente para crescer. A maioria das espécies do Ártico aguarda a luz solar para desencadear o seu crescimento e, quando recebem essa luz, florescem em abundância.

Porém, para que a luz do sol alcance o fitoplâncton no oceano, o plâncton precisa de estar numa parte do Ártico que não esteja coberta de gelo. A diminuição do gelo do mar do Ártico significa que estas regiões ficam sem gelo durante períodos mais longos, por isso o fitoplâncton do Ártico está a ficar cada vez maior.

Isto significa um aumento geral na quantidade de fitoplâncton no Ártico e, quando o fitoplâncton no Ártico aumenta, também pode aumentar, de acordo com o Massive Science, um certo gás na atmosfera – DMS.

DMS significa dimetilsulfureto. Nas baixas concentrações produzidas pelo fitoplâncton, normalmente, é inofensivo. Na praia, sente-se o cheiro do DMS, que é o mesmo odor produzido ao cozinhar milho, repolho em ebulição ou certos tipos de frutos do mar. É um componente crucial do “cheiro do mar” instantaneamente reconhecível.

Este gás é produzido naturalmente por certos tipos de fitoplâncton e, portanto, é natural supor que, à medida que o fitoplâncton aumenta, as concentrações de DMS aumentam. No entanto, o DMS é particularmente interessante por causa do seu papel suspeito na produção de nuvens.

A extensão total do vínculo entre o DMS e a formação de nuvens ainda é desconhecida mas, se o DMS afeta a formação de nuvens, a perda de gelo do mar no Ártico pode estar a contribuir para a existência de mais nuvens nesta zona.

Para estimar se as concentrações de DMS estavam a aumentar, Galí e a sua equipa tiveram de adotar uma perspetiva mais ampla, olhando a região a partir do Espaço. Os satélites SeaWIFS e MODIS-Aqua monitorizam desde 1997 a clorofila, o pigmento que dá às plantas a sua cor verde. A clorofila é frequentemente usada como substituto da biomassa fitoplanctônica – quando mais clorofila no oceano, mais fitoplâncton está ativo.

Ao combinar medições de clorofila com um algoritmo que converte biomassa em emissões de DMS, Galí e a sua equipa conseguiram estimar que as concentrações de DMS no Ártico aumentaram aproximadamente 33% por década. Os cientistas estimaram que as concentrações de DMS poderiam mais que duplicar no caso de um verão completamente livre de gelo, o que pode acontecer nos próximos 25 anos.

Se as concentrações de DMS no Ártico continuarem a aumentar, é razoável esperar uma alteração nos padrões de nuvens no Ártico. As nuvens desempenham um papel crucial na regulação do clima e na temperatura da Terra, podendo arrefecer a Terra se a luz solar for refletida do topo das nuvens e voltar para o Espaço ou ampliar o aquecimento se o calor da Terra for refletido debaixo das nuvens e voltar para o planeta.

Ainda não se sabe se as novas nuvens do Ártico pioram o aquecimento do Ártico ou ajudam a manter a região fresca. Porém, é importante entender a forma como as mudanças climáticas afetarão o Ártico, não apenas por ser um ambiente vulnerável que abriga aproximadamente quatro milhões de pessoas, mas sim porque é uma das primeiras regiões que estão a sentir os efeitos das mudanças climáticas. Perceber a forma como o Ártico será afetado ajuda-nos a preparar-nos para as mudanças climáticas em todo o mundo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ministro da Economia admite nacionalizar empresas em caso de necessidade para combater surto

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, admitiu esta terça-feira a possibilidade do Estado vir a nacionalizar empresas, caso seja necessário para combater as consequências económicas do surto de Covid-19. "O Estado tem ferramentas …

Coutinho quer voltar à Premier League (e já há cinco clubes na corrida)

Philippe Coutinho está interessado em regressar à Premier League, havendo já cinco clube ingleses na corrida pelo internacional brasileiro. Manchester United, Arsenal, Chelsea, Tottenham e Leicester são os clubes interessados em levar Coutinho de volta …

China criou um sistema para rastrear doenças infecciosas. Falhou (e já se sabe porquê)

Em 2002, o vírus SARS saiu da província chinesa de Cantão e propagou-se por 37 países, provocando 774 mortos e mais de oito mil infetados. Para que não voltasse a acontecer, o país criou um …

Ministro holandês faz mea culpa. "Não fomos suficientemente empáticos" com o sul da Europa

O ministro das Finanças holandês reconheceu que foi infeliz nas posições que assumiu sobre a resposta económica à pandemia de covid-19, assumindo que mostrou pouca “empatia” com os países do sul da Europa. Em declarações à …

Estados Unidos admitem possibilidade de novo surto no outono

O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos disse haver a possibilidade de o país enfrentar um novo surto depois do verão, mas lembrou que nessa altura "várias coisas vão …

Mortes em Portugal estão a aumentar desde o início do mês (sem contar com a Covid-19)

Já morreram mais pessoas em Portugal, neste ano, do que em igual período do ano passado, com especial destaque para o  mês de Março, onde a taxa de mortalidade aumentou, mesmo sem contar com as vítimas de …

PCP quer reabrir camas e decretar preços máximos nos combustíveis para enfrentar pandemia

O PCP apresentou um pacote extenso de propostas para fazer face aos impactos do surto de covid-19. Entre elas está a reabertura do Hospital Militar. O PCP apresentou um conjunto de medidas para fazer face ao …

Houseparty nega pirataria e oferece recompensa milionária a quem provar "campanha difamatória"

A aplicação favorita de quem está em quarentena está sob acusação de piratear contas de outras apps. A Houseparty nega e oferece uma recompensa de 1 milhão de dólares a quem provar a "campanha de …

"Agricultura não pára". Há trabalho no campo para os trabalhadores em lay-off

Com a época das colheitas à porta e a falta de braços no campo, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) vai propor ao Governo a criação de plataformas de emprego temporário para permitir aos …

Covid-19. Cerimónias fúnebres proibidas em Espanha

As cerimónias fúnebres foram hoje proibidas em Espanha, o segundo país mais afetado pela covid-19 no mundo, e os funerais não podem ter mais do que três pessoas presentes, para impedir a propagação da pandemia …