Morte de polícia reabre debate sobre o uso de tasers na Argentina

O caso está a ser usado por membros do partido no poder e da oposição argentina para exigir mais polícias armados, o que é contestado por organizações de defesa dos direitos humanos.

Juan Pablo Roldán, um polícia de 33 anos, foi morto à facada, na última segunda-feira, em Buenos Aires, na Argentina. O autor do crime, que sofria de uma doença mental, também faleceu depois de ter sido baleado pela vítima, conta o canal estatal russo RT.

O crime, ocorrido em plena luz do dia e com testemunhas, está a ser usado por membros do partido no poder e da oposição para reabrir o debate sobre a possibilidade de equipar os agentes com armas taser.

Em dezembro de 2019, no início do mandato do Presidente Alberto Fernández, a nova ministra da Segurança, Sabina Frederic, revogou o uso deste tipo de arma e reservou os 300 tasers, que tinham sido comprados quando Mauricio Macri era ainda Presidente, apenas para casos excecionais como sequestros e tomada de reféns.

“O que aconteceu faz parte de uma conceção de não defender a polícia na sua ação e de limitar absolutamente o uso de armas”, declarou a ex-ministra desta tutela, Patricia Bullrich, que sempre defendeu as forças de segurança, mesmo nos casos em que alegados criminosos ou manifestantes foram baleados pelas costas.

“Não usam as armas e é por isso que acontecem coisas como o homicídio de Roldán: os polícias recuaram com medo, porque um juiz pode dizer que houve desproporcionalidade de armas e podiam acabar na prisão. Há que voltar a dar certezas à polícia, porque têm um minuto para pensar entre irem presos ou morrer”, disse ainda.

O atual chefe de Gabinete de Ministros, Santiago Cafiero, respondeu às críticas e confirmou que as forças federais não vão ser equipadas com armas elétricas porque o que deve haver é uma abordagem integral da violência, que não se resolve com mais armamento.

Segundo o mesmo site, a posição de salvaguardar os direitos humanos e evitar todo o tipo de políticas repressivas não é unânime dentro do próprio partido no poder. O ministro da Segurança da província de Buenos Aires, Sergio Berni, e o presidente da Câmara dos Deputados, Sergio Massa, por exemplo, manifestaram-se a favor do uso de tasers.

“O taser é fundamental para estas situações. O Estado tem de rever várias posições que adota na altura de gerar protocolos. O que aconteceu vale a revisão de todos os que, por razões ideológicas, não quantificam o que é a vida de um polícia. Há quem pense que a vida de um criminoso está acima da de qualquer pessoa honesta, e que a vida de um agente não vale nada”, afirmou Berni, numa indireta à atual ministra.

Massa, por sua vez, assinalou que usar tasers ou qualquer outro armamento tecnológico é uma obrigação do Estado e do direito constitucional. “Necessitamos de forças de segurança capacitadas e com todos os recursos”, destacou.

Em maio do ano passado, o Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS), uma reconhecida organização de direitos humanos da Argentina, já tinha advertido que os tasers “provocam uma dor intensa, o que significa que o seu uso pode ser considerado tortura ou tratamento cruel, e pode resultar em morte”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …

Ensino Superior. Vagas voltam a aumentar com Porto, Lisboa e Aveiro na frente

O concurso nacional de acesso ao ensino superior volta a registar um aumento do número de vagas, segundo dados divulgados este sábado, que mostram Lisboa, Porto e Aveiro com o maior crescimento. Depois de, no ano …

Os pterossauros conseguiam voar assim que eclodiam dos ovos

Os pterossauros tinham asas suficientemente longas e ossos suficientemente fortes para conseguirem sustentar o voo depois de eclodirem. Uma equipa de cientistas da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, descobriu que os pterossauros recém-nascidos seriam capazes …

Madeira começa hoje a vacinar jovens a partir dos 12 anos. Açores não vacinam crianças "para já"

A Madeira começa este sábado a vacinar contra a covid-19 jovens a partir dos 12 anos, numa altura em que mais de metade da população adulta residente no arquipélago já está inoculada com a segunda …

Prisão Olímpica. Atletas infetados com Covid-19 denunciam más condições em Tóquio

Atletas que testem positivo à Covid-19 ficam são automaticamente afastados da competição e têm de cumprir uma quarentena de 14 dias fora da aldeia olímpica. Com o número de infetados a subir, atletas temem efeito …