Debate dos pequenos. O senhor nu e o Burundi estiveram na ordem do dia

Manuel De Almeida / Lusa

Esta segunda-feira à noite, num debate que durou mais de duas horas, reuniram-se todos os 15 partidos sem representação parlamentar. O Burundi foi estranhamente referido demasiadas vezes, destacando-se temas como a saúde e o ambiente.

Tancos foi o primeiro assunto discutido e, desde logo, dividiu opiniões entre os 15 partidos. PTP, Chega, PDR, Iniciativa Liberal, MAS, MPT, PCTP-MRPP, Aliança e RIR entendem que se deveria fazer um debate sobre Tancos na comissão permanente da Assembleia da República. Por outro lado, Nós Cidadãos!, PURP, Juntos pelo Povo, PPM, Livre e PNR recusaram essa possibilidade.

Mendo Castro Henriques, do Nós Cidadãos, defende que esta é uma questão que deve ser discutida em tribunal. José Pinto Coelho, do PNR, concordou e disse que não confia nas comissões do parlamento, que têm sempre “os mesmos enfeudados no sistema”.

Os partidos considerados “pequenos” aproveitaram esta montra para expor a sua ideologia partidária, debatendo questões fundamentais do país. Como tal, seguiu-se a crise climática na agenda de debate, que tem sido um dos temas mais abordados pelas forças políticas.

A Rádio Renascença realça que cada um dos partidos tentou explicar o porquê de a sua solução ambiental ser a melhor e acusando os outros partidos de estarem a fazer um aproveitamento da situação. “Hoje em dia todos os partidos são ambientalistas há muitos anos, mas ironicamente só agora se estão a manifestar”, disse Joacine Katar Moreira, do Livre. Já Tino de Rans, do RIR, brincou com a situação: “Só falta a comunicação social dizer que foi o André Silva que descobriu o planeta”.

O projeto do aeroporto do Montijo foi um dos problemas apontados da atual legislatura. Manuel Ramos, do Partido da Terra, elegeu como alternativas Beja e o alargamento da pista nº5 de Monte Real. Gil Gardia, do MAS, falou na desertificação do país, em que Portugal se mantém com “uma política de eucaliptal e olival intensivo a sul”.

Pobreza “é um estigma cravado no orgulho português”

Como não podia deixar de ser, o salário mínimo nacional foi obviamente alvo de escrutínio por todos os 15 partidos. Segundo o Expresso, Joacine Katar Moreira defendeu uma subida para 900 euros, remetendo para aumentos feitos noutros países. Amândio Madaleno, do PTP, vai mais longe e sugere um aumento para 1000 euros, “independentemente da Concertação Social”.

Marinho e Pinto, do PDR, apelou à necessidade de “criar uma política nacional de ordenado digno”, desde os jornalistas aos juízes. Para o político, o maior problema do país é a pobreza: “é um estigma cravado no orgulho português”, atirou.

O ex-primeiro-ministro Santana Lopes também reiterou os baixos salários em Portugal, em que mesmo os recém-licenciados recebem um salário muito baixo. O líder do Aliança realça que este é um problema que “afeta sobretudo os jovens”.

“Muitos jovens percebem que é melhor ir para o estrangeiro, porque aqui o Estado leva metade do salário”, defendeu Carlos Guimarães Pinto, da Iniciativa Liberal.

Todos os 15 participantes foram também questionados sobre as suas ações de campanha no dia anterior. “Não compareci. Não fui, de propósito, para mostrar que a migalha não chega”, atirou Amândio Madaleno. O líder do PTP explicou que o fez porque da última vez que fez algo do género, “apareceu um senhor nu”.

Fernando Loureiro esteve na Feira do Relógio, onde encontrou a comitiva do PS. “Eu estava lá com quatro pessoas. Os outros estavam doentes. E chegam quatro carrinhas SUV do PS com vidros fumados. É assim que gastam o nosso dinheiro. É uma palhaçada e as pessoas a pagar”, acusou o líder do PURP, criticando ainda os subsídios pagos aos partidos com maior votação.

Foi de André Ventura que partiram a maior parte das fagulhas. A este situação em particular, o líder do Chega disse que era “enigmático e irónico” fazer campanha contra os subsídios na Feira do Relógio. Fernando Loureiro justificou que também foi lá falar dos reformados e dos combatentes. “Já percebi o seu esquema”, rematou.

Uma saúde que não é “decente”

O estado do Serviço Nacional de Saúde foi discutido de forma acesa pelos representantes partidários. Maria Cidália Guerreiro considera a situação tão grave que até propõe eliminar a atual Lei de Bases. “Não fingir que se fez agora aquilo que já devia estar a ser feito há anos” é a prioridade da cabeça de lista pelo círculo de Lisboa do PCTP/MRPP.

De acordo com a TSF, André Ventura puxou à conversa a questão dos impostos, lembrando que os portugueses têm “a maior carga fiscal de sempre” sem terem uma saúde “decente”. E foi perentório na sua sentença: “Andamos a distribuir o dinheiro por quem não devíamos”.

Carlos Guimarães Pinto, da Iniciativa Liberal, defende que cada pessoa deve poder escolher por que médico é atendida e onde. Filipe Sousa, do JPP, confessa que não dorme descansado sabendo que há pessoas a morrer por falta de cuidados de saúde.

Santana Lopes foi mais específico e propões que “todas as pessoas têm de ter seguro de saúde”. Para o líder do Aliança, o problema estende-se também às farmácias, até porque “isto não é o Burundi” e “tem de haver medicamentos, nomeadamente para as doenças mais graves”.

Sem se saber bem porquê, Fernando Loureiro fez questão de salientar que já planeava falar do Burundi antes de Santana o fazer. “Isto não é, de facto, o Burundi”, reiterou.

Reformas? “Parece quase o Burundi”

O país africano voltou a estar em destaque, mas desta vez na parte económica e financeira. Quando convidados a falar dos impostos e das reformas, Fernando Loureiro voltou a trazer à baila o mesmo país: “Reformas de 200, 300 euros num país europeu? Isto parece quase o Burundi”.

Tino de Rans defende uma perspetiva semelhante, garantindo que “não gostava de ser primeiro-ministro de um país onde há pensões de 160 euros”. O MAS e o PTP propuseram uma descida da idade da reforma, com o Partido Trabalhista Português a especificar a idade de 60 anos — sem penalizações.

O Chega defende uma visão mais radical em relação aos impostos e propõe acabar com o IMI, que considera ser “o imposto mais estúpido do mundo”. A Iniciativa Liberal defende que “alguém que paga tanto em impostos, deve poder escolher como quer usufruir dos direitos públicos”. Para Filipe Sousa, do JPP, o fundamental é “emagrecer a máquina do Estado, trabalhando do lado da despesa”.

As medidas dos 15 partidos foram apresentadas e as críticas ao Governo foram feitas, mas os representantes partidários já sugeriram com quem formariam Governo em caso de eleição. RIR, Nós Cidadãos, PURP e PPM dão para os dois lados da moeda — mostrando-se disponíveis para negociar tanto com o PS como com o PSD.

O Aliança mostra preferência pelos sociais democratas, enquanto o MPT, o Livre e o MAS preferem os socialistas. Há, no entanto, quem não queira nada a ver com as duas “maiores” forças. PNR, PCTP, PDR, Chega e Iniciativa Liberal a recusarem um acordo com qualquer um dos dois.

Daniel Costa DC, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Assisti aos confrontos dos 15 participantes, o que posso dizer é que entre algumas ideias “sérias” e outras mais “exóticas”, diverti-me imenso com alguns(as) actores . A Jornalista M. F. Pedroso teve dificuldade em lidar com alguns “ferrenhos”.

    • Assistiu aos confrontos dos 15 participantes?! Teve tempo para isso tudo?! É funcionário público? Está reformado ou é socialista e familiar de algum membro do governo?!

RESPONDER

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês já está traçado

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês, incluindo o do antigo primeiro-ministro José Sócrates e o do banqueiro Ricardo Salgado, está decidido. Uma fonte judicial adiantou ao Expresso que só o juiz Ivo Rosa conhece …

Portugal "não está livre de uma quarta vaga" de contágios quando desconfinar

Na quarta-feira, Graça Freitas admitiu que Portugal pode voltar a enfrentar uma nova vaga da pandemia de covid-19 nos próximos meses. O epidemiologista Manuel Carmo Gomes repete o alerta da diretora-geral da Saúde. Portugal pode enfrentar …

PCP propõe estender moratórias por seis meses. BE quer ouvir Centeno

O PCP quer estender as moratórias bancárias, que vão terminar dentro de algumas semanas, por seis meses. O Bloco de Esquerda entregou um requerimento, com carácter de urgência, para ouvir o Governador do Banco de …

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

A Islândia foi atingida por 17 mil terramotos na semana passada (e uma erupção pode estar iminente)

Mesmo para uma ilha vulcânica acostumada a tremores ocasionais, esta foi uma semana incomum para a Islândia. De acordo com o Escritório Meteorológico da Islândia, cerca de 17 mil terramotos atingiram a região sudoeste de …

Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre. Se um átomo de um elemento químico tiver um …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Espanha vai proibir viagens durante a Páscoa. França, Hungria e Brasil com novas restrições

Espanha prepara-se para aprovar um plano de desconfinamento para as próximas semanas, particularmente para a Páscoa, que prevê a proibição de viajar entre as suas comunidades autónomas e recolher obrigatório entre as 22h00 e as …

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …