De onde vem a criatividade? A resposta pode estar “escondida” nas cartas de Beethoven

Um investigador e professor de História Económica das Artes analisou as cartas de Beethoven e descobriu que a correspondência do compositor prova que a criatividade surge da miséria.

De acordo com Karol J. Borowiecki, que publicou a sua análise no The Conversation, a noção de que a criatividade artística e o estado emocional estão ligados remonta ao tempo de Aristóteles. Porém, segundo o investigador, é difícil quantificar o grau de felicidade (ou miséria) de um artista – especialmente se já tiver morrido.

Para tentar chegar a uma conclusão, Borowiecki encontrou uma forma de extrair o conteúdo emocional de correspondência escrita.

A análise revelou padrões de bem-estar emocional ao longo da vida de indivíduos criativos. Durante vários estudos acerca da forma como o agrupamento geográfico de compositores influenciou a sua criatividade, Borowiecki identificou grandes ganhos de produtividade em compositores que trabalhavam em locais como Viena, Paris e Londres no final do século XVIII até ao início do século XX.

Ao mesmo tempo, tornou-se aparente que, nessas cidades, os compositores ficavam frequentemente infelizes ou indispostos, levantando a questão: como é que os fatores emocionais influenciam a criatividade?

Para responder a essa pergunta, Borowiecki recorreu às cartas de um dos compositores mais famosos do mundo, Ludwig van Beethoven, que escreveu mais de 500 cartas ao longo da sua vida.

Usando um software de análise linguística, o investigador revelou a forma como o conteúdo emocional das cartas de Beethoven esconde as pistas para a sua genialidade e produtividade.

Durante o seu trabalho de meses, Borowiecki criou códigos, datou cuidadosamente cada carta e distinguiu os diferentes tipos de correspondentes, pois Beethoven escrevia de forma diferente para os familiares e para colegas ou associados.

O bem-estar de Beethoven durante a sua vida

Segundo o investigador, Beethoven teve várias emoções positivas e negativas que refletem os eventos que aconteceram durante a sua vida.

Por exemplo, um aumento nos sentimentos negativos durante a adolescência de Beethoven corresponde à deterioração da situação financeira da família. Como resultado, Beethoven teve de ajudar a sustentar a família, assumindo algumas das funções de ensino do pai, às quais tinha “uma aversão extraordinária”.

No entanto, a sorte de Beethoven melhorou. Mudou-se para Viena em 1792, onde teve uma grande procura pelo seu trabalho, o que lhe rendeu comissões cada vez mais prestigiosas. As emoções positivas do compositor atingiram o pico neste período.

Por volta do fim de ano de 1800, a vida do compositor mudou para sempre quando descobriu que estava a ficar surdo. Houve nessa altura um aumento temporário das emoções negativas, bem como uma drenagem das emoções positivas, que permaneceram muito baixas, mas estáveis nos 15 anos seguintes da sua vida.

Em 1809, Beethoven experimentou uma melhoria temporária no ânimo quando a sua estabilidade financeira foi garantida graças a uma generosa doação da corte de Viena.

Porém, o bom humor não durou muito. Em 1815, o irmão de Beethoven morreu após uma longa doença. Como resultado, o compositor tornou-se o guardião do seu sobrinho de nove anos, Karl, com quem tinha um relacionamento violento.

As suas emoções positivas atingiram o ponto mais baixo da sua vida, enquanto as emoções negativas aumentaram gradualmente até à sua morte em 1827.

O génio triste?

Olhando para a vida de Beethoven, o desenvolvimento emocional do compositor é particularmente marcado por muitos momentos sombrios e tristes.

Embora a sua vida possa ter sido marcada pela miséria, Beethoven parece ter canalizado com sucesso as suas emoções negativas para a sua produção musical. Segundo Borowiecki, a criatividade – medida pelo número de obras importantes – foi significativamente aumentada pelos seus humores negativos.

Por exemplo, um aumento de 9,3% nos sentimentos negativos provocados por um acontecimento como uma morte na família resultou num aumento correspondente da criatividade e na criação de mais 6,3% de trabalhos significativos no ano seguinte.

O investigador levantou ainda outra questão: existe algum tipo específico de emoção negativa que impulsiona os resultados?

Borowiecki dividiu o índice de emoções negativas em ansiedade, raiva e tristeza e descobriu que a tristeza é particularmente propícia à criatividade.

Assim, no 250.º aniversário do nascimento de Beethoven, estes resultados mostram que todas as dificuldades enfrentadas pelo compositor determinaram a sua produção prolífica e conferiram-lhe fama imortal e inesquecível.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A extrapolação da afirmação deste investigador é absolutamente

    A verdade é que a única coisa que ele pode afirmar é que “parece” que a criatividade do Beethoven (e apenas a dele) virá da miséria (porque ele nem tem acesso a todas as variáveis que precisava, inclusivé se tudo o que Bethoveen escreveu nas cartas é verídico ou se há lá assuntos estrategicamente hiperbolizados com intuitos, por exemplo). Então nem isso é possível afirmar com segurança.

    É do mais arrogante que existe estudar a vida de um ser humano criativo e achar que todos os outros seres humanos irão funcionar igual aquele (as pessoas têm personalidades diferentes, contextos diferentes, experiências diferentes, etc). Ainda mais quando o estudo é tão incompleto que se baseia apenas na história de vida do “homem” e em cerca de 500 cartas que ele trocou durante 50 anos.

    Será que a criatividade não virá do facto dele se ter focado mais no trabalho criativo dado “querer fugir” à sua vida? Será que a criatividade não poderá vir da felicidade (e ele ser um “sociópata” que até ficou feliz com algumas desgraças que aconteceram a outros – mesmo que também o desgraçassem a ele)?

    As hipóteses são infintas e a probabilidade desta teoria se aplicar a Beethoven apenas é inferior a 1%.
    A probabilidade com estes factos de serem verdade e aplicarem-se a todos os seres humanos é inferior a 0,000.000.000 .000.001%!

    Detesto que estudiosos em busca de protagonismo façam afirmações falsas como estas e andem para aí a espalhar “mentiras”. Pior ainda é que os media lhes dão cobertura sem verificarem junto de especialistas de outras áreas se é possível uma coisa dessas.

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …