Nona Sinfonia de Beethoven revela novos detalhes sobre o cérebro humano

A Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, 250 anos após a sua criação, ajudou a demonstrar a existência de células conceituais no cérebro.

Quase 200 anos depois da morte de Beethoven, a maior obra do músico alemão permite-nos aumentar o conhecimento do cérebro humano e provar a existência de células concetuais nele, revela uma investigação internacional, cujo estudo foi publicado na revista científica Scientific Reports.

Na compreensão de conceitos abstratos, como notas musicais, intervêm neurónios individuais chamados células conceituais, cuja existência a equipa de investigadores conseguiu demonstrar treinando com a Nona Sinfonia de Beethoven.

O surgimento de conceitos abstratos no cérebro humano foi associado a uma interação complexa de muitos neurónios, mas este estudo agora desmantela essa hipótese e mostra que, na realidade, em cada termo abstrato, apenas alguns neurónios ou células conceituais interviriam.

O mesmo se aplica à música, para distingui-la do ruído: cada nota requer conceitos musicais específicos.

Para levar a cabo o estudo, os investigadores criaram uma rede neural de 3.200 células na camada seletiva e 1.600 na camada concetual. Inicialmente, as células gravavam ondas sonoras aleatoriamente, incapazes de detetar a qual nota pertenciam.

“No entanto, após muito treino, como foi demonstrado na experiência com a Nona Sinfonia de Beethoven, os neurónios processaram as informações recebidas, sendo capazes de determinar qual a nota ouvida, atuando como células conceituais”, disse o coautor Valeri Makarov, citado pela EuropaPress. Assim, quando a nota ‘fa’ soa, a sua célula concetual associada era ativada.

O investigador está “convencido” do grande impacto que esta descoberta tem para a ciência fundamental, pois descobre os princípios do funcionamento do cérebro e também em aplicações como o desenvolvimento de novos algoritmos para a inteligência artificial.

As redes neurais artificiais tentam copiar a estrutura e a função do cérebro. Hoje, estas redes já nos superam em tarefas relativamente fáceis, mas ficam muito atrás nas habilidades cognitivas.

“Para avançar nesta capacidade, é necessário entender como o cérebro” entende “o nosso ambiente”, justifica o investigador da UCM.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …