Aos 93 anos, David Attenborough não está preocupado com a Covid-19 (nem espera “lições de moral”)

Sir David Attenborough considera que a Covid-19 não é o pior mal que a humanidade terá que enfrentar nos próximos tempos. Perto de completar 94 anos de idade, o naturalista britânico está mais preocupado com os efeitos das alterações climáticas. É que o vírus “vai morrer amanhã”, mas a “urgência” climática vai ter efeitos nas próximas gerações.

Estas declarações foram feitas no âmbito do seu mais recente documentário, “David Attenborough: A Life On Our Planet”, cuja estreia estava prevista para Abril, mas que foi adiada para o fim do ano devido à pandemia de Covid-19.

Confrontado com o coronavírus que está a propagar-se por todo o planeta e a infectar e matar milhares de pessoas, o naturalista desvaloriza a situação. “Penso que nos ocuparemos dele perfeitamente”, salienta Sir David Attenborough. “Não penso que possamos desenhar uma grande lição moral sobre a forma como tratamos tão mal a natureza e como ela está a responder. Faz, simplesmente, parte da vida“, analisa o naturalista.

O que preocupa realmente Attenborough são os efeitos das alterações climáticas, por culpa das acções humanas no planeta, que vão ter consequências para as próximas gerações. “Estamos a falar dos meus netos a morrerem”, lamenta.

“Não arruinamos apenas o planeta, destruímos-lo”, sublinha Attenborough no documentário, onde deixa evidente que os efeitos da pandemia de Covid-19 não são nada comparativamente com as consequências trágicas das alterações climáticas.

“Não faço ideia se a humanidade se vai safar ou não”, mas “houve mudanças extraordinárias ao longo dos 5 a 10 últimos anos na atitude do grande público, e é por isso que penso que as pessoas reconhecem, realmente, que o ambiente está mesmo em dificuldades”, analisa Sir David Attenborough.

No seu documentário, o naturalista apresenta “o seu testemunho e a sua visão para o futuro”, relatando “a história sobre como é que fizemos deste o nosso maior erro“, como diz.

Attenborough destaca no filme que nos anos de 1930, 66% do mundo era selvagem e os níveis de CO2 na atmosfera situavam-se nas 310 partes por milhão (ppm). Já em 1997, a natureza selvagem tinha descido para 47% e o CO2 subido para 363 ppm. Actualmente, a natureza selvagem ocupa apenas 23% do planeta, enquanto o CO2 na atmosfera é superior a 410 ppm.

Da mesma forma, o naturalista lembra como no início da sua carreira era muito fácil encontrar locais intactos para filmar a natureza no seu estado puro, numa altura em que as pessoas nunca tinham visto uma série de animais selvagens. Um tempo que descreve como “o melhor momento da [sua] vida”.

Mas com o passar dos anos, Attenborough assistiu ao declínio da população de gorilas no Ruanda, onde estes animais passaram a ser cada vez mais difíceis de encontrar, e viu os orangotangos do Bornéu quase a desaparecerem, estando em vias de extinção.

No documentário, o naturalista aborda ainda a caça às baleias, a agricultura de grande escala, o branqueamento dos corais e o aumento das temperaturas médias a nível mundial para concluir que o “ataque cego” dos humanos ao planeta alterou “os fundamentos do mundo vivo”.

Mas “se agirmos agora, ainda podemos fazer as coisas certas”, alerta Attenborough, deixando um apelo urgente à acção e avançando algumas soluções.

Attenborough lembra que quando emitiu o seu primeiro programa na televisão, em 1954, o planeta tinha 2,7 mil milhões de pessoas – agora tem 7,8 mil milhões. Uma das soluções para o salvar passa, assim, por estabilizar os números da população mundial através da retirada de pessoas da pobreza, de modo a que tenham acesso a cuidados de saúde, nomeadamente contraceptivos, e a que possam manter as filhas na escola durante mais tempo.

A eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, apostando nas energias solar, eólica e geotérmica, e a criação de grandes áreas de “não pesca” para dar espaço para a reconstrução dos stocks de peixe, mantendo, ao mesmo tempo, oferta para as nossas necessidades de consumo, são outras soluções avançadas no documentário.

A redução da quantidade de terreno dedicada à agricultura para permitir o desenvolvimento da fauna e a mudança do tipo de alimentação da maioria da população são outras medidas. “O planeta não pode, simplesmente, suportar milhões de comedores de carne”, realça Attenborough.

O que falta saber, no fim de contas, é se haverá realmente vontade e “urgência” política para fazer o que é preciso para salvar o planeta – e com isso, salvar o futuro da humanidade.

SV, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …