Aos 93 anos, David Attenborough não está preocupado com a Covid-19 (nem espera “lições de moral”)

Sir David Attenborough considera que a Covid-19 não é o pior mal que a humanidade terá que enfrentar nos próximos tempos. Perto de completar 94 anos de idade, o naturalista britânico está mais preocupado com os efeitos das alterações climáticas. É que o vírus “vai morrer amanhã”, mas a “urgência” climática vai ter efeitos nas próximas gerações.

Estas declarações foram feitas no âmbito do seu mais recente documentário, “David Attenborough: A Life On Our Planet”, cuja estreia estava prevista para Abril, mas que foi adiada para o fim do ano devido à pandemia de Covid-19.

Confrontado com o coronavírus que está a propagar-se por todo o planeta e a infectar e matar milhares de pessoas, o naturalista desvaloriza a situação. “Penso que nos ocuparemos dele perfeitamente”, salienta Sir David Attenborough. “Não penso que possamos desenhar uma grande lição moral sobre a forma como tratamos tão mal a natureza e como ela está a responder. Faz, simplesmente, parte da vida“, analisa o naturalista.

O que preocupa realmente Attenborough são os efeitos das alterações climáticas, por culpa das acções humanas no planeta, que vão ter consequências para as próximas gerações. “Estamos a falar dos meus netos a morrerem”, lamenta.

“Não arruinamos apenas o planeta, destruímos-lo”, sublinha Attenborough no documentário, onde deixa evidente que os efeitos da pandemia de Covid-19 não são nada comparativamente com as consequências trágicas das alterações climáticas.

“Não faço ideia se a humanidade se vai safar ou não”, mas “houve mudanças extraordinárias ao longo dos 5 a 10 últimos anos na atitude do grande público, e é por isso que penso que as pessoas reconhecem, realmente, que o ambiente está mesmo em dificuldades”, analisa Sir David Attenborough.

No seu documentário, o naturalista apresenta “o seu testemunho e a sua visão para o futuro”, relatando “a história sobre como é que fizemos deste o nosso maior erro“, como diz.

Attenborough destaca no filme que nos anos de 1930, 66% do mundo era selvagem e os níveis de CO2 na atmosfera situavam-se nas 310 partes por milhão (ppm). Já em 1997, a natureza selvagem tinha descido para 47% e o CO2 subido para 363 ppm. Actualmente, a natureza selvagem ocupa apenas 23% do planeta, enquanto o CO2 na atmosfera é superior a 410 ppm.

Da mesma forma, o naturalista lembra como no início da sua carreira era muito fácil encontrar locais intactos para filmar a natureza no seu estado puro, numa altura em que as pessoas nunca tinham visto uma série de animais selvagens. Um tempo que descreve como “o melhor momento da [sua] vida”.

Mas com o passar dos anos, Attenborough assistiu ao declínio da população de gorilas no Ruanda, onde estes animais passaram a ser cada vez mais difíceis de encontrar, e viu os orangotangos do Bornéu quase a desaparecerem, estando em vias de extinção.

No documentário, o naturalista aborda ainda a caça às baleias, a agricultura de grande escala, o branqueamento dos corais e o aumento das temperaturas médias a nível mundial para concluir que o “ataque cego” dos humanos ao planeta alterou “os fundamentos do mundo vivo”.

Mas “se agirmos agora, ainda podemos fazer as coisas certas”, alerta Attenborough, deixando um apelo urgente à acção e avançando algumas soluções.

Attenborough lembra que quando emitiu o seu primeiro programa na televisão, em 1954, o planeta tinha 2,7 mil milhões de pessoas – agora tem 7,8 mil milhões. Uma das soluções para o salvar passa, assim, por estabilizar os números da população mundial através da retirada de pessoas da pobreza, de modo a que tenham acesso a cuidados de saúde, nomeadamente contraceptivos, e a que possam manter as filhas na escola durante mais tempo.

A eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, apostando nas energias solar, eólica e geotérmica, e a criação de grandes áreas de “não pesca” para dar espaço para a reconstrução dos stocks de peixe, mantendo, ao mesmo tempo, oferta para as nossas necessidades de consumo, são outras soluções avançadas no documentário.

A redução da quantidade de terreno dedicada à agricultura para permitir o desenvolvimento da fauna e a mudança do tipo de alimentação da maioria da população são outras medidas. “O planeta não pode, simplesmente, suportar milhões de comedores de carne”, realça Attenborough.

O que falta saber, no fim de contas, é se haverá realmente vontade e “urgência” política para fazer o que é preciso para salvar o planeta – e com isso, salvar o futuro da humanidade.

SV, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cofundador do Twitter doa 28% da riqueza para causas solidárias. Incluindo combate à Covid-19

O cofundador do Twitter, Jack Dorsey, anunciou que vai doar mil milhões de dólares (920 milhões de euros), 28% da sua riqueza pessoal, para causas solidárias, incluindo a luta contra a pandemia da Covid-19. Numa mensagem …

Reclusos libertados e cortes de água, luz, gás e internet suspensos

Esta quarta-feira, no Parlamento, a esquerda viabilizou o projeto do Governo para libertar reclusos. O PS vai ainda viabilizar as propostas do PCP e do BE que suspendem cortes na água, luz, gás e internet. A …

Pandemia deixa passaporte português mais "forte". É o sexto mais poderoso do mundo

A pandemia desencadeada pelo novo coronavírus oriundo da China (covid-19) tornou o passaporte português mais forte. O documento português subiu uma posição no ranking da Henley Passport Index, estando agora o documento na sexta posição dos …

SAD do Leixões avança para lay-off

A SAD do Leixões propôs ao plantel "que nos próximos três meses, abril incluído, pagaria metade do salário em cada mês, valores que seriam repostos ao longo do trimestre que se seguiria". O plantel do Leixões, …

Rui Pinto colocado em prisão domiciliária

O hacker Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do caso Luanda Leaks, foi colocado em prisão domiciliária esta quarta-feira. Rui Pinto, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, …

Detidas 33 pessoas desde a renovação do estado de emergência

A PSP e a GNR detiveram, até terça-feira, 33 pessoas pelo crime de desobediência desde 3 de abril, totalizando 141 as detenções feitas desde o início do estado de emergência, indicou o Ministério da Administração …

Bruxelas disponibiliza 300 milhões de euros a pequenas e médias empresas para alavancar investimentos

O programa "Escalar" disponibiliza 300 milhões de euros, através do Fundo Europeu de Investimento, para apoiar investimentos de pequenas e médias empresas "promissoras" que queiram crescer. A Comissão Europeia anunciou que vai disponibilizar 300 milhões de …

Maçonaria cancela eleições e proíbe rituais em sessões virtuais

A pandemia de Covid-19 levou o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, a principal obediência maçónica em Portugal, a cancelar as eleições e a proibir os encontros com rituais maçónicos 'online', visto que …

Mourinho quebra regras e assume que errou ao ir treinar com Ndombele

Fotografias e vídeos divulgados nas redes sociais mostram José Mourinho e os jogadores do Tottenham a treinar juntos e a violar as regras de segurança impostas devido ao surto do novo coronavírus. O Tottenham, treinado por …

Rússia bate recordes de infeções diárias. Em Itália, o número de mortes voltou a diminuir

Há três dias consecutivas que o número de novos casos bate recordes de crescimento na Rússia. Já em Itália, o número de mortes voltou a diminuir esta quarta-feira. Pelo terceiro dia consecutivo, o crescimento de número …