Daesh reivindica ataque a base militar no Burkina Faso

1

STR / EPA

O ataque teve lugar na província de Soum, que faz fronteira com o Mali, que tem sofrido constantes ataques jiadistas nos últimos meses.

Esta sexta-feira, o grupo jihadista do Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP) reivindicou a responsabilidade pelo ataque à base militar de Arbinda no Burkina Faso, no qual sete soldados morreram. O ISWAP não reivindicou, no entanto, a responsabilidade pela morte dos 35 civis, incluindo 31 mulheres, também mortos na terça-feira na cidade de Arbinda.

Segundo uma mensagem dos serviços secretos do SITE, uma agência norte-americana que monitoriza os movimentos extremistas, o ISWAP admitiu a responsabilidade no ataque à base, com recurso a um veículo carregado de explosivos. O ISWAP é uma fação do grupo jiadista nigeriano Boko Haram, afiliado ao Estado islâmico.

O ataque teve lugar na província de Soum, uma zona limítrofe com o Mali, que tem sofrido constantes ataques jihadistas nos últimos meses.

O terrorismo neste país da África Ocidental começou em abril de 2015, quando membros de um grupo afiliado à rede Al-Qaeda raptaram um segurança de uma mina no norte do país, que ainda está desaparecido.

Desde então, o número de ataques atribuídos a grupos afiliados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico tem aumentado. O Burkina Faso é um dos cinco países que compõem a força transfronteiriça conjunta do G5 Sahel – juntamente com Mali, Mauritânia, Níger e Chade – destinada a combater o terrorismo jiadista na região.

  ZAP // Lusa

1 Comment

  1. Quando o “daesh” revendica um ataque, a seja quem ou o que for, há que lhe retribuir o mesmo e com juros acrescidos. Nunca mais nos livramos desses PORCOS.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.