Cruz Vermelha sofre ataque informático e compromete dados de mais de 515 mil pessoas

O ataque teve como alvo uma empresa externa, sediada na Suíça, e contratada pelo Comité para armazenar a informação.

De acordo com o Expresso, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) foi alvo de um “sofisticado ataque informático”.

Segundo um comunicado da organização humanitária, divulgado esta quarta-feira, o ciberataque foi detetado “esta semana” e comprometeu “dados pessoais e informações confidenciais de mais de 515 mil pessoas altamente vulneráveis“.

O ataque teve como alvo uma empresa externa sediada na Suíça e contratada pelo Comité para armazenar a informação. O nome da empresa visada não foi divulgado.

Até ao momento, não é ainda claro quem estará por detrás do ataque. No comunicado, a Cruz Vermelha sublinha que “a preocupação mais premente” é a divulgação dos dados comprometidos. Para já não há sinais de tal ter acontecido.

Os dados comprometidos incluem informações, de pelo menos, 60 “sociedades nacionais” ou redes de voluntários e staff, aos quais a Cruz Vermelha recorre como primeira linha em caso de desastre.

O ciberataque obrigou também a organização humanitária a encerrar o sistema informático de apoio ao programa Restoring Family Links, que reúne famílias separadas por conflitos, migrações e desastres. Os dados destas pessoas também foram comprometidos.

“Um ataque aos dados das pessoas que estão desaparecidas torna a agonia e sofrimento das famílias ainda mais difícil de suportar. Estamos todos chocados e perplexos que esta informação humanitária tenha sido alvo e comprometida”, afirmou o diretor geral do CICV, Robert Mardini.

“Este ciberataque coloca pessoas vulneráveis, aqueles que já necessitam dos serviços humanitários, em maior risco”, acrescentou ainda o dirigente.

À CNN, um ex-conselheiro da sede da Cruz Vermelha em Genebra especializado em ciberguerra considerou que a organização humanitária deve pedir ajuda aos governos que subscreveram à Convenção de Genebra.

“Este parece ser a maior e mais sensível fuga de informação da história do CICV e, provavelmente, considerando a sensibilidade [dos dados comprometidos] de todas as organizações humanitárias até à data”, afirmou Lukasz Olejnik.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE