Manifestantes criticam escolha de Macron para o Ministério do Interior. Ministro é acusado de violação

oecdtax / Flickr

Gerald Darmanin

Ativistas dos direitos das mulheres protestaram, em França e no estrangeiro, contra a nomeação do novo ministro do Interior, acusado de violação, e do ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo.

Ativistas dos direitos das mulheres manifestaram-se, na sexta-feira, em várias cidades francesas, contra a nomeação de Gerald Darmanin para o Ministério do Interior. O novo ministro é acusado de violação.

O Tribunal de Apelação de Paris pediu a reabertura da investigação que acusa Darmanin de ter violado e assediado sexualmente uma mulher em 2009. Sophie Patterson denunciou o abuso em 2017 e o caso foi julgado no início de 2018, mas foi encerrado depois de os procuradores afirmarem que não podiam estabelecer “ausência de consentimento”.

O caso vai voltar às mãos de um juiz de instrução, que irá decidir se deve ser reaberta uma investigação formal. Patterson alega que Darmanin abusou da sua então posição como membro do comité judicial em 2009 para forçá-la a fazer sexo com ele. Darmanin diz que as relações sexuais foram consensuais e os seus advogados alegaram difamação.

Na sexta-feira, vários manifestantes ergueram cartazes exigindo a demissão de Darmanin e denunciando “a cultura de violação“, revela o Raw Story.

O grupo feminista Nous Toutes (Todas Nós) anunciou manifestações em Paris e outras cidades francesas, assim como junto a embaixadas e consulados franceses em Londres, Sydney, Montreal, Berlim, Bruxelas, Barcelona e Telavive.

Cerca de 300 manifestantes protestaram em Toulouse, no sul de França, com cartazes onde se lia “Bem-vindo ao ministério da violação”, “Um violador no Interior, um cúmplice na Justiça” ou “Violadores na prisão, não no governo”. Os ativistas também se insurgiram contra o novo ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo.

Eric Dupond-Moretti, advogado, defendeu um membro do executivo acusado de violação e agressão sexual, ridicularizando as mulheres que denunciaram agressões sexuais no âmbito do movimento #MeToo. Agora, foi nomeado para o Ministério da Justiça de Macron.

O Governo francês assegurou que mantém o compromisso com a igualdade de género e defendeu os novos ministros, frisando a presunção de inocência.

A multidão exigiu a demissão de Darmanin e mostrou descontentamento por Emmanuel Macron, que prometeu fazer da luta contra a violência sexual uma grande causa do seu mandato.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …