Crise aumentou “drasticamente” número de doenças mentais na Grécia

xjyxjy / Flickr

-

A crise que se vive na Grécia está a aumentar o número de doenças mentais no país e a dificultar cada vez mais a possibilidade de tratamento, por causa dos cortes orçamentais ou pela perda de seguros médicos.

De acordo com um estudo do Instituto Universitário de Investigação em Saúde Mental da Universidade de Atenas, em 2013, mais de 12 por cento dos gregos sofreram transtornos depressivos graves, o que representa um aumento de 50 por cento em relação a 2011, quando a doença afectava 8,2 por cento da população.

O relatório confirma investigações anteriores efectuadas pela mesma universidade e que registaram um aumento contínuo e “alarmante” das depressões na população grega, desde os 3,3 por cento registados em 2008, aos 6,8 por cento em 2009 e aos 8,2 por cento em 2011.

Mais de metade das pessoas que actualmente consultam um psiquiatra, na Grécia, “são vítimas da crise”, afirma o especialista Theodoros Megaloikonomu, um psiquiatra que pretendeu provar que a crise não só deixou sem trabalho e sem casa mais de um milhão de pessoas no país, mas que também está a afectar a saúde mental dos cidadãos.

“Apesar de, ao princípio, se apresentarem com outro tipo de problemas, vê-se que provêm de um contexto com entraves económicos, por causa da crise”, afirma Megaloikonomu, director do Departamento de Psiquiatria do Hospital Público Dafní, em Atenas.

A ansiedade, a depressão, os ataques de pânico e os transtornos obsessivo-compulsivos são as principais desordens de saúde mental que afectam gregos, segundo o ministério grego da Saúde.

O ministério, segundo a agência EFE, afirma, no entanto, que não dispõe de dados fidedignos sobre a incidência de problemas económicos dos últimos anos, na saúde mental dos gregos, apesar de reconhecer que, “provavelmente, a crise financeira aumentou a angústia e a ansiedade entre a população”.

O estudo da Universidade de Atenas conclui que os grupos mais afectados pelas depressões clínicas são as mulheres entre os 35 e os 44 anos, e o grupo feminino entre os 55 e os 64 anos, as pessoas com estudos básicos, os desempregados e aqueles que não conseguem rendimentos superiores a 400 euros.

Outro factor que é considerado importante para a incidência de doenças mentais é a perda da habitação.

Cayusa / Flickr

Os deuses devem estar loucos

Os deuses devem estar loucos

Na Grécia, um país com 11 milhões de habitantes, calcula-se que entre 20 mil a 40 mil pessoas perderam a casa. A maioria sofre de doenças mentais, segundo Megaloikonomu.

De acordo com o especialista, o agravamento da situação deve-se ao facto de muitas vezes as pessoas que não conseguem encontrar trabalho “não encontrarem forças para se integrarem outra vez na sociedade”, o que potencia as doenças mentais e os transtornos obsessivo-compulsivos.

Megaloikonomu relaciona os casos crescentes de transtornos mentais com o número de suicídios, que aumentaram 43 por cento no período entre 2007 e 2011, segundo dados oficiais, apesar de o psiquiatra considerar que, na realidade, o número é muito superior, pois muitos suicídios são encobertos pelas famílias, por motivos culturais e religiosos.

Além do aumento dos casos, o ambiente em que os especialistas trabalham é cada vez mais difícil, por causa dos cortes orçamentais.

“Todos os dias o Governo impõe medidas mais hostis, em matéria de saúde mental, e torna cada vez mais difícil o acesso das pessoas ao sistema de saúde”, acusa Megaloikonomu.

O mesmo especialista alerta para os efeitos da reforma do sistema de saúde, que o Governo grego pretende levar a cabo, e que prevê o encerramento de hospitais psiquiátricos e especializados em saúde mental, como exigência da “troika” (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia).

A tudo isto, junta-se o “drama” de três milhões de gregos que não têm acesso ao sistema de saúde público, por se encontrarem no desemprego há mais de um ano ou por terem contraído dívidas com a segurança social.

O Ministério da Saúde diz, no entanto, que os dados sobre as pessoas sem protecção no sistema de saúde são um “exagero” e acrescenta que o custo dos medicamentos diminuiu “drasticamente” depois de uma “série de medidas governamentais eficazes”.

Mesmo assim, Megaloikonomu insiste que os hospitais — que recebem financiamento estatal — estão numa situação muito difícil.

“É frequente não termos dinheiro para medicamentos”, lamenta o psiquiatra acrescentando que a falta de financiamento obriga a mudar os tratamentos dos doentes.

O especialista diz também que, no hospital de Atenas onde trabalha, as baixas não são pagas desde há três anos, o número de psiquiatras não é suficiente e que uma unidade com 30 doentes mentais graves passou a contar apenas com duas enfermeiras.

“Estamos preocupados com o futuro destes doentes, caso os hospitais [psiquiátricos] venham a encerrar”, conclui o médico.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …