Crianças sírias refugiadas forçadas a trabalhar para fornecedores da H&M e Next na Turquia

A sueca H&M e a britânica Next admitiram ter encontrado crianças sírias forçadas a trabalhar nas fábricas dos seus fornecedores na Turquia, o país que mais refugiados acolheu desde o início da guerra na Síria – e foram das poucas marcas a agir contra isso.

A denúncia partiu da organização sem fins lucrativos Business and Human Rights Resource Centre (BHRC) e foi avançada pelo jornal The Independent.

A organização, que se dedica a monitorizar a área da responsabilidade social das empresas, questionou no mês passado 28 grandes empresas de vestuário sobre os seus fornecedores na Turquia e as suas estratégias para combater a exploração das crianças e adultos sírios.

Apenas a H&M e a NEXT confirmaram ter encontrado crianças nas suas fábricas e garantiram estar a resolver o problema, suspendendo contratos com esses fornecedores ou levando a cabo programas para colocar as crianças na escola e apoiando as suas famílias.

A Primark e a C&A assumiram ter identificado adultos sírios entre os trabalhadores, enquanto Adidas, Burberry, Nike, Puma e o grupo Arcadia (dono da Topshop, Dorothy Perkins e Burton Menswear) defenderam-se garantindo que não admitem trabalhadores ilegais na sua cadeia de fornecedores.

A BHRRC, no entanto, teme que este seja um problema muito mais alargado, já que algumas marcas não quiseram responder a estas questões – como a M&S, Asos, Debenhams e Superdry -, e dez empresas (incluindo a GAP, New Look e River Island) não enviaram sequer resposta.

“Apenas algumas marcas parecem comprometidas com a dimensão e a complexidade destes problemas com os seus fornecedores turcos; menos ainda admitem ter tomado medidas para proteger estes trabalhadores vulneráveis”, refere a BHRC, citada pelo jornal britânico.

Reagindo ao relatório da organização, a H&M garantiu que “não aceita exploração laboral infantil de maneira alguma” e sublinhou que, no ano passado, as auditorias internas permitiram detetar “um caso de exploração infantil na Turquia”, levando a marca a “suspender de imediato as relações comerciais” com a empresa em questão.

A Turquia é, juntamente com o Bangladesh, a China e o Camboja, um dos maiores produtores de roupa vendida nas lojas europeias – sendo também o país que mais refugiados sírios acolheu desde o início da guerra em 2011, com 2,5 milhões de pessoas nesta situação.

Como só agora a Turquia vai conceder autorizações de trabalho para a população síria, na sequência de um acordo com a União Europeia, muitos encontravam-se a trabalhar de forma ilegal – entre eles muitas crianças usadas para garantir mão-de-obra ainda mais barata – vulneráveis à exploração e a receber muito menos do que os trabalhadores turcos.

As conclusões da BHRC foram divulgadas na mesma semana em que a Europol alertou para o facto de mais de dez mil crianças refugiadas terem desaparecido na Europa em dois anos desta crise humanitária.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Testemunhas revelam que agentes de inteligência dos EUA consideraram sequestrar (e envenenar) Assange

Testemunhas anónimas revelaram em tribunal que planos para envenenar ou sequestrar Julian Assange da embaixada do Equador foram discutidos entre fontes da inteligência dos Estados Unidos e uma empresa de segurança privada que espiou o …

"Assassino do Twitter" assume ter matado 8 mulheres que partilharam pensamentos suicidas

O caso está a chocar o Japão. Perante o Tribunal de Tóquio, Takahiro Shiraishi declarou-se culpado, após ter assassinado e esquartejado oito mulheres e um homem em 2017. O assassino conheceu as vítimas através da rede …

"Como me mudar para o Canadá?" É o que os norte-americanos querem saber depois do debate presidencial

Depois do debate presidencial ficar marcado por diversas interrupções e insultos entre os candidatos à Casa Branca, são muitos os americanos a sentirem-se tentados a abandonar o país, e já escolherem o destino: o Canadá. Ao …

"Não toleramos insultos": Equipa abandona jogo decisivo ao intervalo

Comentário sobre a homossexualidade de um futebolista antecipou o final de um jogo de futebol. A mesma equipa tinha protestado outro encontro devido a insulto racista. O jogo de futebol entre San Diego Loyal e Phoenix …

Cofina condenada a pagar 3 milhões de euros ao Fisco

A Cofina, que detém o Correio da Manhã, a CMTV, a Sábado e o Jornal de Negócios, vai ter de pagar três milhões de euros à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) após ter perdido o …

Desfasamento do horário vigora até 31 de março de 2021 (e pode ser prolongado)

O regime excecional que contempla o desfasamento de horários vigora até 31 de março de 2021, podendo ser prolongado, e os trabalhadores sem transportes públicos que lhe permitam cumprir o horário podem opor-se. O diploma que …

Mário Centeno vai dar aulas na Universidade Nova

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, vai dar aulas na Universidade Nova, em Campolide, Lisboa, avança o jornal Público esta quinta-feira. O antigo ministro das Finanças do Governo de António Costa vai lecionar a …

ADSE quer pagar reembolsos atrasados em menos de dois meses

A ADSE quer resolver os atrasos de largos meses que se verificam nos reembolsos das despesas que os beneficiários fazem no regime livre em menos de dois meses. De acordo com o semanário Expresso, a intenção …

Costa sugere a Marcelo condecoração da CGTP no 50.º aniversário da central sindical

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira ter sugerido ao Presidente da República a condecoração da CGTP, numa mensagem de felicitação pelos 50 anos da central sindical em que destaca a necessidade de proteger trabalho e rendimentos …

Governo vai integrar nos quadros quase 3.000 profissionais de saúde

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que permite integrar nos quadros quase três mil profissionais do Serviço Nacional de Saúde. Em comunicado, o Governo explica que a conversão do vínculo laboral de 2.995 …