Crianças portuguesas consomem quatro vezes mais proteína do que deviam

As crianças portuguesas entre um e seis anos de idade comem quatro vezes mais proteína do que o recomendado. Esta é uma das mensagens da campanha que a Direcção-Geral da Saúde (DGS) lança nas redes sociais esta sexta-feira, Dia Mundial da Obesidade, que alerta para os erros alimentares dos mais novos.

De acordo com os últimos dados do estudo European Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI), uma em cada três crianças em Portugal tem excesso de peso, segundo noticiou o Público.

Cerca de 60% da ingestão de proteínas provêm do consumo de carnes e laticínios. Juntam-se o consumo de peixe, ovos e outros produtos, como leguminosas ou cereais, que também são fontes de proteína.

“Crianças pequenas devem consumir quantidades pequenas e às vezes os pratos têm quantidades quase iguais às dos adultos, o que é um erro”, disse ao Público Maria João Gregório, diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável.

De acordo com o Público, a culpa é muitas vezes da perceção errada de que as crianças precisam de mais alimento. Crianças entre um e os seis anos devem comer no máximo duas porções ou de carne ou de peixe por dia, sendo que uma porção equivale a 25 gramas. Já o ovo deve ter 55 gramas, o semelhante a uma classe M. No que diz respeito ao consumo de laticínios, os valores devem estar entre os 400 e os 500 ml/dia (cada pacotinho de leite que é servido nas escolas tem 200 ml).

Muito sumo, pouca fruta

Entre os alertas, que vão circular nas redes sociais da DGS, estão ainda os 52% de crianças entre os três e os seis anos que consomem todos os dias bebidas açucaradas e os 10% das crianças entre um e três anos que comem sobremesas doces todos os dias.

Quase todas as crianças até aos seis anos consomem sal acima do recomendado. Para as crianças dos quatro aos seis anos, o consumo de sal não deve ultrapassar os três gramas por dia e 99% consomem mais. Quanto às hortícolas, 55% das crianças entre os três e os seis anos não atinge a recomendação da ingestão diária: três a quatro porções por dia (90-100 gramas de hortícolas crus ou 45-50 gramas cozinhados).

“Apesar de parecer estar a haver uma diminuição do excesso de peso nas crianças entre os seis e os oito anos, ainda temos uma prevalência muito elevada, que atinge quase 30% das crianças. Quisemos identificar alguns hábitos inadequados que podem originar estes números”, explicou Maria João Gregório.

As mensagens para o Dia Mundial da Obesidade fazem parte de um projeto mais alargado para promover hábitos de alimentação saudável nos primeiros anos de vida.

World Bank Photo Collection / Flickr

Na próxima semana, no Dia Mundial da Alimentação, a DGS vai lançar a Estratégia Nacional para a Alimentação do Lactente e da Criança Pequena, com especial enfoque para os primeiros 1000 dias de vida.

E ainda o manual Alimentação Saudável dos 0 aos 6, “que tem um conjunto de orientações para pais, educadores e professores”. “A alimentação desde a creche até à escola é determinante para se ter sucesso na redução do excesso de peso”, salientou a responsável, que lembrou também as ações que Portugal tem desenvolvido no combate à obesidade infantil como a recente lei que restringe a publicidade dirigida a crianças.

Mais risco de ‘bullying’

As crianças “estão a pagar um preço alto por causa da obesidade”, alertou na quinta-feira a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), no relatório The Heavy Burden of Obesity: The Economics of Prevention.

“As crianças com excesso de peso obtêm notas mais baixas, têm mais probabilidade de faltar à escola e, quando crescem, têm menos probabilidade de concluir o ensino superior”, refere o documento, que analisou dados de 52 países.

As causas que podem explicar um maior insucesso escolar, apontou a OCDE, são a baixa auto-estima e o isolamento que muitas vezes a crianças obesas sentem por serem alvo de ‘bullying’ ou por serem excluídas de um grupo de amigos.

“Quase uma em cada cinco raparigas com obesidade relata ser vítima de ‘bullying’ nos países da OCDE”, lê-se no relatório, que faz uma análise com base num estudo de 2013/2014 a crianças entre os 11 e os 15 anos. Em Portugal, o risco de uma rapariga obesa sofrer ‘bullying’ é 2,25 vezes superior ao de uma com um peso saudável e nos rapazes esse risco é 1,64 vezes mais.

Da análise também se percebeu que crianças com maior índice corporal consideram ter pior desempenho do que aquelas que têm um peso saudável. Em Portugal, 60% dos rapazes com peso saudável classificam o seu desempenho acima da média da classe, mas só 52% dos rapazes obesos dizem o mesmo.

Nas raparigas, 52% com peso saudável consideram ter um bom desempenho escolar, percentagem que desce para 44% nas raparigas obesas. Em média, nos 32 países analisados, rapazes e raparigas com peso saudável têm 13% mais probabilidades de relatar um bom desempenho escolar em comparação com as crianças com obesidade.

ZAP // //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo do Brasil diz que peixe de praias atingidas por petróleo pode ser consumido

Exames feitos em amostras de peixes do litoral nordeste brasileiro, atingido pelo derrame de petróleo, mostram que os animais estão próprios para consumo humano, garantiu o Governo do Brasil. "O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento …

Yony González reforça Benfica já em janeiro

O extremo colombiano Yony González, de 25 anos, vai reforçar o plantel do Benfica já em janeiro, avança o desportivo Record esta terça-feira. De acordo com o diário, que dá conta da existência de um …

Filho de Trump lança um livro contra a esquerda e é vaiado pela extrema-direita

Donald Trump Jr., o filho mais velho do atual Presidente norte-americano, é conhecido pela agressividade com que ataca os adversários políticos do pai, e a esquerda em geral. Mas desta vez a principal oposição não …

Rui Rio considera que “silenciar” deputados únicos contraria valores da democracia

Recorrendo ao Twitter, o presidente do PSD, Rui Rio, defendeu esta terça-feira um “estatuto diferente” para os deputados únicos em relação aos grupos parlamentares, mas manifestou-se contra “silenciar completamente a sua voz”. No dia em que …

Ataque com químico corrosivo em infantário chinês deixa 54 feridos

Um total de 51 crianças e três educadores ficaram feridos, entre os quais dois em estado grave, após um ataque com soda cáustica num infantário em Kaiyuan, no sul da China, informaram hoje as autoridades. Um …

PSP alerta para o aumento do número de burlas com o MB WAY

A PSP alertou, esta segunda-feira, para o facto de as burlas relacionadas com a aplicação de pagamentos MB WAY estarem a aumentar. De acordo com a publicação feita na sua página oficial do Facebook, a Polícia …

Rui Moreira admite fazer projetos "de renda acessível" no Porto. Mas Estado tem que financiar 50%

O presidente da Câmara do Porto admitiu na segunda-feira que se o Estado comparticipar com 50% o fundo de investimento para habitação social e renda acessível, a autarquia fará "todos os projetos públicos de renda …

Lalanda e Castro terá "lavado" 70 milhões de euros em sete anos

Paulo Lalanda e Castro, o principal arguido do caso Máfia do Sangue e ex-administrador em Portugal da farmacêutica Octapharma, continua a ser investigado pelas autoridades por suspeitas de fraude fiscal. Segundo avançou o Correio da Manhã, …

Embrulhos com cocaína dão à costa desde outubro no sudoeste de França

Desde outubro, dezenas de embrulhos com cocaína têm dado à costa nas praias do oeste de França, tendo já sido recuperados pelo menos 760 quilogramas desde a região de Saint-Nazaire ao País Basco. Apesar das fortes …

Há uma nova doença a atacar os castanheiros em Portugal

Um investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) alertou esta terça-feira para a podridão da castanha, uma “nova doença” que está a atacar os castanheiros e que atingiu “especial evidência” este ano em …