Crédito à habitação: Março registou recorde dos últimos 14 anos

Usien / Wikimedia

Bancos não emprestavam tanto dinheiro, num mês, desde Dezembro de 2007. Taxa de juro média ultrapassou 1%.

Há praticamente 14 anos e meio que os bancos portugueses não emprestavam tanto dinheiro, num mês, para a compra de casa.

O Banco de Portugal actualizou nesta quinta-feira os números sobre taxas de juro e montantes de novos empréstimos e depósitos, com dados de Março de 2022.

Nesse mês, só em crédito à habitação, os bancos portugueses cederam 1.691 milhões de euros em novos empréstimos, para comprar casa.

É o valor mais elevado desde Dezembro de 2007, destaca a entidade. E é um aumento de 33%, comparando com o mês anterior.

O reforço dos empréstimos surgiu antes das novasrestrições ao crédito, anunciadas pelo Banco de Portugal.

Em Abril as regras mudaram: maturidade máxima de 40 anos apenas para pessoas com idade inferior ou igual a 30 anos; quem tem entre 30 e 35 anos, o prazo máximo recomendado desce para 37 anos; para as pessoas com mais de 35 anos, o contrato máximo passou a ser precisamente de 35 anos.

Juntando os três primeiros meses deste ano, entre Janeiro e Março os bancos emprestaram 4.155 milhões de euros para a compra de casa, o recorde dos últimos 15 anos.

Ainda nos empréstimos a particulares, em Março os bancos concederam um total de 2.451 milhões de euros em novos empréstimos: 501 milhões em crédito para consumo e 259 milhões de euros em crédito para outros fins – além do valor já mencionado para a habitação.

Ainda nos empréstimos para habitação, a taxa de juro média subiu para 1,03%, em Março. Esta taxa não ultrapassava 1% desde Julho de 2020. E tinha sido de 0,87% em Fevereiro.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.