Costa sai de Haia sem promessas e deixa achega ao primeiro-ministro holandês

Bart Maat / EPA

O primeiro-ministro português, António Costa (E), com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte (D).

“Ou saímos todos ao mesmo tempo deste problema, ou ficamos todos no problema”, disse António Costa após a reunião com o primeiro-ministro holandês sobre o plano de recuperação europeu.

O primeiro-ministro, António Costa, disse esta segunda-feira deixar Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu desta semana sobre o plano de recuperação europeu, por ter sentido também “claramente” no seu homólogo holandês “uma grande vontade” num compromisso.

À saída de uma reunião com Mark Rutte, o principal rosto dos países ‘frugais’, cujas posições mais divergem das de Portugal em matéria orçamental, António Costa insistiu que “seria uma oportunidade perdida” os 27 não chegarem já a acordo na cimeira que tem início na sexta-feira em Bruxelas, e reforçou que todas as partes devem ceder para ser possível um compromisso, estando disposto a fazer a sua parte, desde que países como a Holanda também cedam.

Para António Costa, a proposta colocada sobre a mesa na passada sexta-feira pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, é um bom ponto de partida para um compromisso, e, escusando-se a revelar o teor da conversa com Rutte, adiantou que começou a conversa com o primeiro-ministro holandês precisamente com um ‘convite’ a um entendimento em torno da mesma.

A proposta de Charles Michel reduz o orçamento plurianual 2021-2027 para 1,07 biliões de euros, mas mantém o Fundo de Recuperação nos 750 mil milhões, assim como o equilíbrio entre subvenções e empréstimos, prevendo que dois terços (500 mil milhões de euros) sejam canalizados para os Estados-membros a fundo perdido e o restante (250 mil milhões) na forma de empréstimos. Para ‘agradar’ aos países frugais, entre outras medidas o presidente do Conselho Europeu propõe a manutenção dos polémicos ‘rebates’, os ‘descontos’ de que beneficiam grandes contribuintes líquidos, como Holanda.

“Eu comecei a conversa aqui a dizer que era muito simples o nosso entendimento: se o primeiro-ministro Rutte concordasse com a proposta do presidente Michel, eu concordava com a proposta do presidente Michel; se ele não concordasse com a proposta do presidente Michel, eu não concordava com a proposta do presidente Michel”, disse.

“E o que é que eu quero dizer com isto? É porque eu só posso aceitar a redução que o presidente Michel propõe do montante global do próximo quadro financeiro, se o Mark Rutte aceitar o montante que está previsto para o Fundo de Recuperação. Eu só posso aceitar discutir que se mantenham os ‘rebates’ se não for posta em causa a manutenção do montante da coesão ou do segundo pilar da PAC (Política Agrícola Comum). Portanto, se ambos aceitarmos a proposta, ótimo. Se nenhum aceitar a proposto, péssimo”, acrescentou.

Sublinhando então que, “quando se quer um compromisso, temos de estar todos disponíveis para ceder alguma parte”, António Costa realçou também que é necessário desfazer um equívoco, o de que se está a pedir a países como a Holanda que sejam solidários.

“É preciso compreender que o que está aqui em causa, ao contrário do que é muitas vezes referido, não é uma questão que exija solidariedade”, disse, lembrando que a crise provocada apela Covid-19 constitui “um choque absolutamente simétrico, completamente externo, completamente inopinado”, e que afeta todos, Holanda incluída, caso outras economias das quais depende entrem em recessão.

“Não é aceitável que, como alguns dos países frugais dizem, seja necessário impor certas condicionalidades para apoiar estes países com se fosse uma questão de solidariedade. Não é uma questão de solidariedade, é uma questão de racionalidade”, disse.

Apontando que Espanha e Itália, os dois países mais atingidos pela crise, “no seu conjunto representam qualquer coisa como 15% do valor do mercado interno”, Costa notou que a Holanda, principal beneficiária do mercado interno, “precisa tanto que Itália e Espanha não estejam em recessão” como Portugal, que tem “Espanha como primeiro cliente, ou como a Espanha ela própria, que não quer estar em recessão”.

“Portanto, é mesmo uma situação em que estamos todos perante o mesmo problema, e ou saímos todos ao mesmo tempo deste problema, ou ficamos todos no problema”, advertiu.

Em resumo, Costa diz sair todavia “mais confiante” de Haia num acordo no Conselho Europeu de sexta-feira e sábado.

“Não saio daqui com a certeza de um acordo, porque há ainda vários pontos de divergência, mas senti claramente no primeiro-ministro Rutte uma grande vontade de que o acordo exista, e de preferência já, neste mês de julho. E acho que o próximo Conselho seria uma oportunidade perdida se não fizéssemos já o acordo. Todos concordamos que os dados estão em cima na mesa, não há qualquer razão para esperar pelo que quer que seja. Há simplesmente que encontrar a boa forma de compor as diferentes perspetivas que estão em cima da mesa”, declarou.

De Haia, António Costa seguirá para Budapeste, onde será recebido na terça-feira pelo primeiro-ministro Viktor Orbán, outro homólogo que vai tentar “convencer”.

“Relativamente ao quadro financeiro plurianual, [Orbán] teve durante muito tempo uma posição idêntica à nossa. Relativamente ao plano de recuperação tem uma posição divergente da nossa e próxima de alguns dos países que entendem que deve haver sobretudo empréstimos e não transferências. E, portanto, se queremos unanimidade, temos de convencer todos”, afirmou.

A ‘rematar’ as declarações do primeiro-ministro português aos jornalistas, ouviu-se subitamente uma saudação de alguém que passava de bicicleta, e que era nem mais nem menos que Rutte, a abandonar a residência oficial no seu meio de transporte habitual. “Bye, Mark!”, respondeu Costa. Ambos têm novo encontro marcado para sexta-feira, em Bruxelas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Portugal precisa de dinheiro e ainda faz exigências?? Opa isto é o Costa a gozar certo?… Solidariedade? Utanas! Reduzam funcionários públicos, acabem com a TAP e o Bes vai tudo à falência… Fassam um governo mais pequeno e talvez os países que nos vão vender dinheiro talvez olhem para nós com outros olhos…. Agora somos pobres e não sabemos gerir os recursos nem vale apena dar um único centimo

RESPONDER

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …