Coreia do Norte disparou míssil capaz de atingir todo o território dos EUA

(dv) KCNA / YONHAP

Míssil balístico intercontinental norte-coreano Hwasong-14, Esta quarta-feira, o mundo conheceu o Hwasong-15

O Pentágono anunciou que o míssil lançado pela Coreia do Norte é um engenho balístico intercontinental, que realizou um voo de mil quilómetros.

“Detetámos um lançamento de míssil desde a Coreia do Norte. Estamos em processo de avaliação da situação e divulgaremos informação adicional quando esta estiver disponível”, disse o porta-voz do Pentágono, coronel Robert Manning.

“A Coreia do Norte lançou um míssil balístico intercontinental não identificado em direção a leste das cercanias de Pyongsong, província de Pyongan del Sur, a norte da capital norte-coreana (Pyongyang)”, revelou também o Estado-maior Conjunto sul-coreano.

O míssil, com um alcance que permite atingir todo o território norte-americano, foi o primeiro ensaio em dois meses e meio, depois do último, de médio alcance, ter sobrevoado o norte do Japão antes de cair no mar.

Segundo a Euronews, o míssil terá seguido uma rota em arco, e pela altitude atingida é possível que até tenha percorrido mais de 10 mil quilómetros, o que colocaria ao alcance da Coreia do Norte o arquipélago do Havai, a 7500 quilómetros de distância, onde se encontra o quartel-general das forças americanas no Pacífico.

Segundo a ABC, que cita fontes oficiais norte-coreanas, o míssil é uma nova geração de projécteis balísticos norte-coreanos, denominado Hwasong-15, transportava uma “cabeça nuclear pesada de enormes dimensões“, e terá atingido uma altitude de 4.000km (10 vezes maior do que a órbita da Estação Espacial Internacional), o que lhe permite atingir a capital norte-americana, na costa leste do país.

O lançamento do míssil norte-coreano foi confirmado pela agência estatal sul-coreana Yonhap, segundo a qual “a Coreia do Norte lançou aparentemente um míssil de longo alcance, reatando as suas provocações após 75 dias de intervalo”.

Os continuados ensaios com armas feitos pelo regime de Kim Jong-un, entre os quais um ensaio nuclear no passado 3 de setembro, aumentaram a tensão na zona a níveis nunca vistos depois da guerra da península da Coreia, entre 1950 e 1953.

No passado dia 21, os Estados Unidos impuseram sanções contra 13 entidades encarregadas do transporte marítimo e terrestre na Coreia do Norte, com o intuito de pressionar Pyongyang para que ponha um fim aos ensaios de mísseis balísticos e às suas aspirações nucleares.

As sanções foram divulgadas um dia depois de Donald Trump ter remetido para a Coreia do Norte a lista de países “patrocinadores do terrorismo”, da qual o país asiático tinha saído há quase uma década.

Depois desta decisão, o Presidente dos Estados Unidos instou o regime comunista norte-coreano a “pôr fim ao seu ilegal desenvolvimento nuclear e de mísseis balísticos“.

Na assembleia-geral da ONU, em setembro, Trump foi duro quanto aos programas nucleares norte-coreanos e ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte se Pyongyang continuasse com as provocações.

Por várias vezes, Trump afirmou também que não descarta uma ação militar contra o regime de Pyongyang, uma vez que, disse, anos de diálogo não serviram para nada.

Donald Trump, que falou à imprensa a partir da Casa Branca, não deu mais detalhes sobre as medidas que os Estados Unidos poderão adotar. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, tinha anunciado antes que Trump fora informado do lançamento ainda quando o míssil estava no ar.

Entretanto, fonte oficial japonesa disse que o míssil caiu no mar do Japão, na Zona Económica exclusiva do país.

Coreia do Sul quer sanções mais fortes

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, afirmou que o novo disparo de míssil por parte da Coreia do Norte é uma “séria ameaça” à paz global e defendeu que são necessárias sanções mais fortes contra Pyongyang.

Moon Jae-in garantiu, no Conselho de Segurança Nacional, que a Coreia do Sul “não vai ficar sentada a ver” as provocações da Coreia do Norte e explicou que vai trabalhar com os Estados Unidos para fortalecer a segurança.

O Presidente da Coreia do Sul salientou que é preciso “desencorajar as ambições nucleares” da Coreia do Norte e explicou que os sul-coreanos anteciparam o lançamento e estavam preparados.

O Exército da Coreia do Sul efetuou os seus próprios exercícios com mísseis, que começaram poucos minutos depois do lançamento da Coreia do Norte ter sido detetado.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) vai reunir de emergência, na quarta-feira à tarde por causa do lançamento do míssil efetuado pela Coreia do Norte, anunciou a presidência italiana.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

PS e BE afastados "porque dá jeito" (e os riscos de andar para trás)

O líder do PSD alertou este domingo para o distanciamento do PS em relação ao BE, porque “dá jeito para as eleições”, notando ser uma tentativa de “limpar” a proximidade dos últimos quatro anos e …

A KLM vai passar a "voar" de comboio

A KLM, que já tinha sugerido que se voasse menos e se viajasse mais de comboio, confirmou que vai retirar um dos voos Bruxelas-Amesterdão, passando os passageiros a efetuar a rota sobre carris, num comboio …

Cientistas fazem reconstrução facial de um guerreiro escocês do séc XV

Cientistas reconstruiram digitalmente o rosto daquele que terá sido um membro poderoso de um clã do século XV da Escócia, que terá morrido num violento conflito com um clã vizinho. Corria o ano de 1957 quando …

Estudo mostra que os golfinhos também já são resistentes aos antibióticos

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostra que os golfinhos Tursiops truncatus também já mostram resistência aos antibióticos. Não é segredo que os seres humanos usam demasiados antibióticos, tanto que estamos a desenvolver uma resistência …

Indígenas famosos pela sua saúde cardíaca começaram a usar óleo de cozinha (e a engordar)

O povo Tsimane, que vive na Bolívia, tem permanecido relativamente afastado do mundo exterior durante várias gerações, prosperando da terra e praticando formas tradicionais de caça, pesca, agricultura e recolha de alimentos. Durante vários anos, sabe-se …

Mais de 150 detidos em protestos violentos em Paris. Desta vez, sem coletes amarelos

As autoridades francesas detiveram este sábado mais de 150 pessoas numa nova jornada de protestos em Paris, onde coincidiram uma manifestação dos coletes "amarelos" com outras dois em defesa do clima e contra a reforma …

UE deteta 50 a 80 casos de desinformação e fake news russas por semana

O grupo de trabalho do Serviço Europeu de Ação Externa contra a desinformação russa deteta, semanalmente, entre 50 e 80 casos, num total de mais de 6.300 situações identificadas desde 2015, que têm vindo a …

Moreirense 1-2 Benfica | Rafa abre caminho à reviravolta

O Benfica sofreu a bom sofrer para levar de vencida o Moreirense, em casa deste, por 2-1. Os homens da casa marcaram primeiro, por Luther Singh, logo no arranque do segundo tempo, e estiveram na …

Bernardo Silva faz o primeiro 'hat-trick' da carreira na maior goleada de sempre do City

O avançado português Bernardo Silva fez este sábado o primeiro ‘hat-trick’ da carreira na vitória por 8-0 do Manchester City frente ao Watford, em jogo da sexta jornada da Liga inglesa de futebol. David Silva abriu …

Centenas foram à baixa de Lisboa protestar contra exploração do lítio

Cerca de quatro centenas de manifestantes de diferentes movimentos independentes de defesa do ambiente e de proteção do património rural protestaram hoje em Lisboa, contra a concessão e exploração a céu aberto do lítio em …