Contratação colectiva recuou (mas Governo tem vontade de reverter situação)

Miguel A. Lopes / Lusa

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita

O secretário de Estado do Emprego reconheceu uma desvalorização da contratação colectiva nos últimos anos e garantiu que o Governo tem vontade de reverter a situação, mas tal só acontecerá se as partes envolvidas tiverem interesse nisso.

“Houve um recuo na contratação colectiva em termos de cobertura e dinamismo, mas há vontade de viragem do actual Governo”, disse esta terça-feira o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, num debate sobre a revitalização da contratação colectiva, em Lisboa.

O governante considerou que a desvalorização da contratação colectiva, que se acentuou nos últimos anos, teve origem em vários factores, nomeadamente no bloqueio das portarias de extensão e a possibilidade de caducidade dos contratos colectivos.

O princípio do tratamento mais favorável, que foi retirado da legislação laboral em 2003, foi apontado no debate como uma das razões que mais prejudicaram a contratação colectiva.

O governante considerou difícil a possibilidade de reintroduzir na lei este princípio que garanta aos trabalhadores que nenhum acordo colectivo poderia integrar condições de trabalho piores do que as que estão previstas na lei geral.

Miguel Cabrita defendeu uma solução mais moderada e que favoreça a contratação colectiva.

Em relação à caducidade, o secretário de Estado considerou que os seus efeitos devem ser cuidadosamente ponderados.

É estranho que seja pedida a caducidade de convenções que foram negociadas recentemente, com regras atuais”, disse aos jornalistas no final do debate, acrescentando que, por isso, a caducidade deve ser usada de forma diferente, porque faz sentido nuns casos, mas não noutros.

O secretário de Estado explicou que a discussão da valorização da contratação colectiva deve ser feita a partir do livro verde sobre as relações laborais que está a ser finalizado e deve contar com propostas e contributos dos parceiros sociais.

“Só acredito no relançamento da contratação colectiva se tiver como base o interesse das partes envolvidas”, declarou.

O estudo que esteve na base deste debate conclui que a intervenção da ‘troika’ em Portugal, conjugada com as políticas do anterior Governo, prejudicou mais a negociação colectiva a partir de 2012 do que a crise financeira e económica internacional entre 2008 e 2011.

De acordo com a analise da investigadora social Maria da Paz Lima sobre o desmantelamento da negociação colectiva em Portugal, “os efeitos das medidas da troika foram dramáticos”.

Entre estes efeitos, a investigadora realça o bloqueio total da negociação colectiva sobre salários no sector público, e, no sector privado, o declínio drástico do número de convenções sectoriais negociadas anualmente, bem como do número de trabalhadores abrangidos por estas.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …

Espírito Santo escondeu 30 milhões de euros na Suíça com 'barriga de aluguer'

O Banque Privée Espírito Santo (BPES), banco do Grupo Espírito Santo (GES) na Suíça que está em fase de liquidação, terá ocultado 30 milhões de euros das autoridades através de uma 'barriga de aluguer'. Esse dinheiro …