Constitucional chumba cortes das pensões e deixa passar cortes de salários

d.r. FESAP.pt

Fachada do Palácio Ratton, sede do Trabunal Constitucional

Fachada do Palácio Ratton, sede do Trabunal Constitucional

O Tribunal Constitucional considerou hoje inconstitucionais duas normas do diploma que cria a contribuição especial de sustentabilidade, CES, nomeadamente a que define o seu âmbito de aplicação e a sua fórmula de cálculo, por “violação do princípio da protecção de confiança”.

A norma que estabelece os corte salariais no setor público nos anos de 2014 e 2015 foi declarada constitucional. No entanto, os juízes do palácio Ratton declaram inconstitucionais essas reduções nos anos de 2016 a 2018.

“O Tribunal, na sequência de anteriores decisões sobre idêntica medida, limitou-se a manter a posição anteriormente assumida e que, para os últimos meses do ano de 2014, já resultava da fundamentação do acórdão nº 143/2014”, lê-se no comunicado do Tribunal Constitucional.

O comunicado acrescenta que relativamente à aplicação dos cortes salariais, em valor reduzido, no ano de 2015, o Tribunal entendeu que apesar desse ano já se inserir “num patamar liberto do mesmo nível de constrangimentos das escolhas orçamentais que marcaram os anos de 2011 a 2014”, a existência de um défice excessivo, que se segue a um período de assistência financeira, “ainda configura um quadro especialmente exigente, de excecionalidade, capaz de subtrair a imposição de reduções remuneratórias à censura do princípio de igualdade”.

A medida aprovada teria um impacto orçamental de cerca de 580 ME. O chumbo da CES abre um buraco de cerca de 370 ME no O.E. de 2015.

O Tribunal Constitucional decidiu não analisar a nova fórmula de atualização anual de pensões, por considerar que existe falta de elementos no diploma.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Serà que toda a gente se esqueceu que foi o sector publico que nos pôs neste estado?
    Décadas de regalias e direitos exclusivo de alguns, enquanto aos portugueses de 2ª como eram tratados os do sector privado, lhes era arrancada a pele para suportar esta máquina infernal.
    Mas que equidade? Alguns a usufruir e todos a pagar?
    Com que moralidade se vai cortar na reforma de alguem que descontou 50 anos e se reformou por limite de idade, para pagar a quem só dedcontou 30 anos e alguns ainda menos para terem uma reforma sem penalizações?
    Haja equidade e justiça corte-se a quem está a receder rendimentos imerecidos.

  2. Sr. Joaquim:
    Só um burro, um inocente ou um parasita da sociedade, que ao longo dos anos nunca produziu para o País, ou que toda a vida comeu o que outros ganharam, poderá fazer um comentário de tamanha aberração. Cada um tem a Pensão/reforma correspondente aos descontos feitos pela vida fora, Exceptuando POLÍTICOS, e outros CHULOS preveligiados, e comerciantes que descontavam por ordenados máximos nos últimos 5 de contribuição, e que agora acabou a MAMA, não seria o seu caso?

  3. Snr Francisco
    Se ler com atenção, eu fui o que descontou 50 anos e me reformaram porque foram obrigados, e o snr que se sente tão ofendido deve pertencer ao grupo do” punho erguido e cara de odio” que tão bem souberam usufruir do esforço alheio, qual marabunta destruindo tudo por onde passaram e promovendo a miseria e desigualdade para justificar a vossa existencia.

RESPONDER

Ex-ministro francês François Bayrou acusado de cumplicidade na apropriação de fundos

O ex-ministro francês François Bayrou, dirigente centrista e próximo de Emmanuel Mácron, foi acusado na sexta-feira por "cumplicidade na apropriação indevida de fundos públicos" no caso dos assistentes parlamentares do seu partido. A acusação, "anunciada antecipadamente …

"Profundamente envergonhada", Merkel visitou Auschwitz pela primeira vez

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou esta sexta-feira pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num "sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel", considera o historiador René …

Capital do Natal de Algés avança com queixa-crime contra promotores

A organização da Capital do Natal, evento que decorre em Algés, Oeiras, vai apresentar uma queixa-crime contra os promotores turísticos que "adulteraram a oferta do parque", o que defraudou "um conjunto alargado de pessoas". Em causa …

Menino de 5 anos convidou todos os colegas do infantário para assistir à sua adoção

Um menino de cinco anos de Michigan, nos Estados Unidos, convidou a sua turma do infantário para testemunhar à sua adoção legal. A criança, identificada como Michael, foi adotada formalmente pela sua nova família na passada …

TDT vai mudar de frequência (outra vez)

A frequência da Televisão Digital Terrestre (TDT) está a ser alterada de forma faseada, o que significa que os portugueses que usem este serviço gratuito de televisão têm de sintonizar novamente os seus recetores e/ou …

Ruas de Águeda entre as "mais bonitas do mundo" para a CNN

As ruas do centro de Águeda, no distrito de Aveiro, decoradas com guarda-chuvas estão entre as 21 mais bonitas de mundo para a emissora norte-americana CNN. A distinção é avançada pelo jornal Público, que dá …

Hospitais vão poder pagar mais a médicos para garantir urgências no Natal

Os hospitais vão poder contratar médicos prestadores de serviço, vulgo tarefeiros, por valores superiores aos de referência durante o Natal e o Ano Novo. De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Noel Carrilho, …

Jovem que abandonou bebé no lixo esteve 13 anos institucionalizada em Cabo Verde

A jovem que abandonou o filho recém-nascido no lixo, em Lisboa, esteve institucionalizada durante 13 anos em Cabo Verde. A sua mãe está agora a lutar pela guarda da criança. Numa entrevista ao programa Sexta às …

Último debate. Boris defendeu o Brexit e Corbyn falou da Saúde (pelo menos 15 vezes cada um)

No debate televisivo, transmitido pela BBC, o último antes das eleições da próxima quinta-feira, Boris Johnson defendeu que é o melhor preparado para concretizar o Brexit e terminar com o impasse no processo, prometendo ainda …

No São José, há um doente numa cama 9 meses depois de ter alta. Não tem para onde ir

O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução. Em …