Condições desumanas no centro de Lisboa: Moradores sem água despejam dejetos na rua

Tiago Petinga / Lusa

Habitação abandonada e posteriormente ocupada por sem-abrigo no bairro da Quinta do Ferro, em Lisboa.

Na Quinta do Ferro, no coração de Lisboa, o cenário é descrito pelos moradores como “assustador” e “uma miséria”. Neste bairro, há quem viva sem luz e ainda despeje os dejetos na rua como em séculos passados.

Se há prédios que estão com bom aspeto, outros estão completamente degradados, ainda que tenham inquilinos a morar. A agência Lusa constatou que, no local, há moradores a despejar dejetos numa fossa, ou mesmo para a rua, uma vez que as suas casas não reúnem as condições básicas de saneamento.

“Isto é uma miséria. Há pessoas que não têm água, há muita gente a viver com mais dificuldades. E eu tenho medo. Temos aqui um chafariz ao pé e as pessoas vêm aqui despejar tudo e mais alguma coisa”, conta à Lusa Lina Silva, de 44 anos, que mora na Quinta do Ferro há oito anos.

Os moradores sentem-se abandonados e esquecidos, apesar de se situarem na freguesia de São Vicente – uma zona central situada perto do Bairro da Graça e de Santa Apolónia. “A câmara não se lembra que isto aqui existe. Nós estamos no meio de uma cidade. O que é mais triste é que nós estamos no meio da cidade de Lisboa e não há meio de termos uma solução”, lamenta Lina.

O cenário retratado por Uriana Andrade Silveira, de 38 anos, é semelhante. A moradora afirma ter condições mínimas de higiene dentro de casa, mas salienta que a Quinta do Ferro “é um bairro que não tem condições”. “Aqui na rua há baratas, há muitos bichos aqui e aparecem em casa. É muito complicado estar aqui com crianças e tudo”, relata.

Já Paula Vilasboas, de 46 anos, enfrenta uma praga de percevejos em casa devido à humidade, o que a obriga a pernoitar fora do seu lar. “De momento estou a dormir na minha carrinha porque os meus filhos estão no quarto deles, e não vou estar a pedir aos meus filhos para dormir lá. Então vim para a minha carrinha, à porta de casa”, diz, ladeada pelo marido.

Rosa Gomes, da Associação Amigos da Quinta do Ferro, que junta proprietários e moradores, sublinha que as “principais dificuldades” sentidas no bairro se prendem com a falta de emprego e de uma “habitação condigna”. “Não gosto de ver as pessoas a viver aqui sem casas de banho, sem água, sem nenhuma higiene. Isso para mim é assustador no século XXI”, afirma.

Tiago Mota Saraiva, da cooperativa “Trabalhar com os 99%”, explica à Lusa que há cerca de cinco anos – em conjunto com os moradores e proprietários – foi iniciado o processo de construção de um projeto de reabilitação da Quinta do Ferro.

O projeto foi entregue em 2017 à câmara, para depois “empancar quando começa a chegar ao (serviço de) Urbanismo” do município. Passados três anos, “sabe-se muito pouco sobre aquilo que poderá ser o futuro”, explica Tiago Mota Saraiva.

Nestes processos tem de se responder rapidamente. As instituições públicas têm de perceber que há aqui uma sinergia, que há aqui uma vontade interessante de um processo comum e que há uma nova forma de produção de cidade”, defende.

Questionado pela agência Lusa, o vereador do Urbanismo, Ricardo Veludo, afirma que em 2019 o município transmitiu aos promotores do projeto a sua discordância com alguns pontos, solicitando a melhoria desses aspetos, algo que acabou por não acontecer.

Por isso, os serviços de Urbanismo desenvolveram um projeto de intervenção global, para todo o bairro, que está numa “fase final” e que o vereador espera poder apresentar aos moradores e proprietários ainda este ano, “para tentar resolver de forma adequada os problemas que ali existem”.

Ricardo Veludo refere que “não posso concordar que o projeto não inclua todo o território. Tem de abranger todo o território da Quinta do Ferro e tem de o qualificar”, considera, depois de dizer que o projeto da cooperativa mantinha “a zona mais pobre” da Quinta do Ferro, transformando “só uma parte do bairro”.

“Todos os proprietários têm de ter um tratamento igual em termos de direitos de construção, mas também de participação nos custos”, acrescenta. O vereador do Urbanismo refere também que os promotores propunham a construção de habitação num “terreno muito inclinado e sem condições adequadas”.

“Eu penso que é importante trabalharmos para termos uma solução que permita não só qualificar urbanisticamente todo o bairro, mas que também encontre um solução justa para todos os que lá vivem. E isso tem de ser feito com o envolvimento e a participação dos proprietários. Porque eles é que são os senhorios, não é a câmara”, conclui Ricardo Veludo.

A solução tarda em chegar para os moradores que ambicionam viver em casas com condições dignas, numa zona de Lisboa que consideram ser “um sítio bonito para se viver”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …

Testes de diagnóstico já podem ser requisitados através do SNS24

O modelo de requisição de testes de diagnóstico à covid-19 através da linha de saúde 24 começou esta sexta-feira a funcionar, à semelhança dos meses mais complexos de março e abril, avançou a ministra da …

"Turbulência política", desvalorização do "vírus da China" e geopolítica. China, Irão e Rússia destroem Trump

As eleições presidenciais que se vão realizar no próximo dia 3 de novembro nos EUA têm despertado o interesse dos eleitores, mas não só. São vários os países do mundo que estão de olhos postos …