Condições desumanas no centro de Lisboa: Moradores sem água despejam dejetos na rua

Tiago Petinga / Lusa

Habitação abandonada e posteriormente ocupada por sem-abrigo no bairro da Quinta do Ferro, em Lisboa.

Na Quinta do Ferro, no coração de Lisboa, o cenário é descrito pelos moradores como “assustador” e “uma miséria”. Neste bairro, há quem viva sem luz e ainda despeje os dejetos na rua como em séculos passados.

Se há prédios que estão com bom aspeto, outros estão completamente degradados, ainda que tenham inquilinos a morar. A agência Lusa constatou que, no local, há moradores a despejar dejetos numa fossa, ou mesmo para a rua, uma vez que as suas casas não reúnem as condições básicas de saneamento.

“Isto é uma miséria. Há pessoas que não têm água, há muita gente a viver com mais dificuldades. E eu tenho medo. Temos aqui um chafariz ao pé e as pessoas vêm aqui despejar tudo e mais alguma coisa”, conta à Lusa Lina Silva, de 44 anos, que mora na Quinta do Ferro há oito anos.

Os moradores sentem-se abandonados e esquecidos, apesar de se situarem na freguesia de São Vicente – uma zona central situada perto do Bairro da Graça e de Santa Apolónia. “A câmara não se lembra que isto aqui existe. Nós estamos no meio de uma cidade. O que é mais triste é que nós estamos no meio da cidade de Lisboa e não há meio de termos uma solução”, lamenta Lina.

O cenário retratado por Uriana Andrade Silveira, de 38 anos, é semelhante. A moradora afirma ter condições mínimas de higiene dentro de casa, mas salienta que a Quinta do Ferro “é um bairro que não tem condições”. “Aqui na rua há baratas, há muitos bichos aqui e aparecem em casa. É muito complicado estar aqui com crianças e tudo”, relata.

Já Paula Vilasboas, de 46 anos, enfrenta uma praga de percevejos em casa devido à humidade, o que a obriga a pernoitar fora do seu lar. “De momento estou a dormir na minha carrinha porque os meus filhos estão no quarto deles, e não vou estar a pedir aos meus filhos para dormir lá. Então vim para a minha carrinha, à porta de casa”, diz, ladeada pelo marido.

Rosa Gomes, da Associação Amigos da Quinta do Ferro, que junta proprietários e moradores, sublinha que as “principais dificuldades” sentidas no bairro se prendem com a falta de emprego e de uma “habitação condigna”. “Não gosto de ver as pessoas a viver aqui sem casas de banho, sem água, sem nenhuma higiene. Isso para mim é assustador no século XXI”, afirma.

Tiago Mota Saraiva, da cooperativa “Trabalhar com os 99%”, explica à Lusa que há cerca de cinco anos – em conjunto com os moradores e proprietários – foi iniciado o processo de construção de um projeto de reabilitação da Quinta do Ferro.

O projeto foi entregue em 2017 à câmara, para depois “empancar quando começa a chegar ao (serviço de) Urbanismo” do município. Passados três anos, “sabe-se muito pouco sobre aquilo que poderá ser o futuro”, explica Tiago Mota Saraiva.

Nestes processos tem de se responder rapidamente. As instituições públicas têm de perceber que há aqui uma sinergia, que há aqui uma vontade interessante de um processo comum e que há uma nova forma de produção de cidade”, defende.

Questionado pela agência Lusa, o vereador do Urbanismo, Ricardo Veludo, afirma que em 2019 o município transmitiu aos promotores do projeto a sua discordância com alguns pontos, solicitando a melhoria desses aspetos, algo que acabou por não acontecer.

Por isso, os serviços de Urbanismo desenvolveram um projeto de intervenção global, para todo o bairro, que está numa “fase final” e que o vereador espera poder apresentar aos moradores e proprietários ainda este ano, “para tentar resolver de forma adequada os problemas que ali existem”.

Ricardo Veludo refere que “não posso concordar que o projeto não inclua todo o território. Tem de abranger todo o território da Quinta do Ferro e tem de o qualificar”, considera, depois de dizer que o projeto da cooperativa mantinha “a zona mais pobre” da Quinta do Ferro, transformando “só uma parte do bairro”.

“Todos os proprietários têm de ter um tratamento igual em termos de direitos de construção, mas também de participação nos custos”, acrescenta. O vereador do Urbanismo refere também que os promotores propunham a construção de habitação num “terreno muito inclinado e sem condições adequadas”.

“Eu penso que é importante trabalharmos para termos uma solução que permita não só qualificar urbanisticamente todo o bairro, mas que também encontre um solução justa para todos os que lá vivem. E isso tem de ser feito com o envolvimento e a participação dos proprietários. Porque eles é que são os senhorios, não é a câmara”, conclui Ricardo Veludo.

A solução tarda em chegar para os moradores que ambicionam viver em casas com condições dignas, numa zona de Lisboa que consideram ser “um sítio bonito para se viver”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Arcebispo russo considerado "sexista do ano" morre durante reabilitação do coronavírus

O arcebispo russo Dimitry Smirnov, conhecido por fazer comentários controversos sobre mulheres, morreu aos 69 anos durante a reabilitação do coronavírus, anunciou um porta-voz da Igreja Ortodoxa Russa na quarta-feira. No início de 2020, Dimitry Smirnov foi …

Será necessária declaração para deslocações entre concelhos

O Governo esclareceu que quem precisar de se deslocar entre 30 de outubro e 3 de novembro, quando estará proibida a circulação entre concelhos, necessita de uma declaração, sendo as exceções as mesmas que foram …

Cães conseguem detetar covid-19, mas não estão a ser usados. "Podiam salvar tantas vidas"

Um cão pode cheirar um pano que antes esteve no pulso ou no pescoço de alguém e identificar imediatamente se a pessoa contraiu o vírus até cinco dias antes do aparecimento de qualquer sintoma. Parece …

Noruega com poucos casos de infeções nas escolas. Medidas podem ser aliviadas

A Noruega mantém as escolas com o segundo nível das medidas para combate à pandemia. Contudo, pondera aliviá-las caso se confirme que as crianças não têm um papel acrescido na transmissão do vírus. As autoridades de …

Ex-SCUT com descontos para passageiros frequentes e transporte de passageiros

Os passageiros particulares frequentes e os veículos de transporte de passageiros vão ter descontos na passagem pelas portagens das antigas SCUT a partir de 1 de janeiro, anunciou esta quinta-feira o Governo. De acordo com a …

Situação "muito grave" leva a uma nova corrida ao papel higiénico na Alemanha

A Alemanha atingiu esta quinta-feira um novo máximo diário, com mais de 11 mil casos em apenas 24 horas. A nova vaga de infeções está a levar os alemães a um novo açambarcamento de papel …

Taça: todos os "grandes" defrontam equipas do terceiro escalão

FC Porto, Benfica e Sporting vão jogar em casa de formações do Campeonato de Portugal. Sporting de Braga estará na Trofa. Decorreu nesta quinta-feira o sorteio da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, a …

DGS vai comprar mais de 100.000 frascos de Remdesivir até março de 2021

A Direção-Geral da Saúde vai adquirir entre este mês e março de 2021 mais de 100.000 frascos do medicamento antiviral remdesivir, com a designação comercial Veklury, para tratamento de doentes com covid-19. A decisão foi tomada …

Utilizadores do PayPal vão poder usar criptomoeda para pagar a mais de 26 milhões de comerciantes

O PayPal anunciou que vai investir no mercado das criptomoedas, lançando um novo serviço que permitirá aos utilizadores da plataforma nos Estados Unidos comprar, guardar e vender moeda digital, já a partir de 2021. De acordo …

Escavações revelam sepulcro do final da Idade do Bronze em Oliveira de Frades

Escavações arqueológicas realizadas recentemente revelaram a existência de um sepulcro do final da Idade do Bronze na Cumeeira, junto à zona industrial de Oliveira de Frades, anunciou esta quinta-feira a autarquia. "Este sítio arqueológico era já …