Conceição fala dos assobios dos adeptos. “Tenho de ouvir e calar”

José Coelho / Lusa

Sérgio Conceição

Em véspera de receber o Vitória de Setúbal, o treinador do FC Porto falou esta sexta-feira da eliminação da Liga dos Campeões e da contestação dos adeptos. “Tenho de ouvir e calar”, disse Sérgio Conceição.

O treinador dos dragões admitiu “mau momento” da equipa, mas manifestou-se confiante no seu trabalho e no dos jogadores. Depois da derrota na primeira jornada frente ao Gil Vicente (2-1), e do afastamento da Liga dos Campeões após a derrota em casa na terceira pré-eliminatória com os russos do Krasnodar (3-2, após vitória por 1-0 fora), o técnico acredita na recuperação imediata, salientando que o grupo “não está fragilizado”.

“É um mau momento, e que é natural. Estou cá há 2 anos e pouco e as coisas têm corrido de maneira positiva. Os momentos menos bons acontecem, em todo o lado e em todas a situações. Na vida das pessoas também acontece. Mas é importante perceber que é um momento, até porque tenho muita confiança no meu trabalho e dos meus jogadores”.

Sobre o estado de espírito dos jogadores, Sérgio Conceição disse ter encontrado hoje “um grupo com boa saúde mental”, jogadores com “uma saúde maravilhosa para fazer o que adoram fazer e com uma vontade enorme de darem a volta ao momento menos positivo, que é um momento, e prontos para o que vier” no sábado, na receção aos sadinos no Estádio do Dragão (21:30).

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, esteve presente no treino de quinta-feira, após a derrota com o Krasnodar, situação que Sérgio Conceição considerou normal, aproveitando um ‘slogan’ do departamento de marketing para resumir o momento: “Dragões juntos. Acrescento juntos como irmãos. Essa frase esteve em todos os balneários dos estádios em que jogámos e estará em todos aqueles que vamos jogar”.

“É o líder, e ficamos contentes de saber que ele vem cá. Às vezes, mesmo sem falar, só a sua presença é importante. É uma situação completamente normal nos ‘dragões’ que se querem juntos. É assim que vamos sair deste momento difícil e conquistar títulos”, disse.

Conceição foi ainda questionado sobre as implicações financeiras que o afastamento da fase de grupos da Liga dos Campeões pressupõe, o técnico lembrou que “em dois anos entraram mais de 100 milhões de euros no FC Porto” pela participação na prova.

“De qualquer forma, não sou diretor financeiro, não faço parte das finanças. O nosso grupo de trabalho tem é de ganhar títulos. Depois, obviamente, o que resulta desses títulos são situações como estar na Liga dos Campeões, que traz retorno financeiro e nós temos todo o gosto de contribuir para isso. Mas o nosso objetivo não é olhar para as contas, e sim para os resultados, títulos”, concluiu.

Sobre a postura dos adeptos, que no último jogo, frente ao Krasnodar, assobiaram o grupo, Sérgio Conceição disse que “faz parte da exigência do clube, da paixão dos adeptos”. “São eles a alma do clube, que fazem com que os clubes vivam. Tenho de ouvir e calar. Obviamente não sorrio quando me assobiam, mas também não fico eufórico quando ouço palmas. Ouço, vejo, estou atento, mas não interfere no meu trabalho e na vontade que tenho de vencer”, completou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Ataque do Porto muito feio.
    Ataque antiquado, jogadores perdidos, desperdício de oportunidades.
    Solução encontrada são jogadas individuais, não há equipa no ataque.

RESPONDER

PGR analisa carta que culpa o Governo por "borla fiscal" à EDP na venda de barragens

O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) está a analisar uma carta do Movimento Terra de Miranda que questiona a autorização dada pelo Governo à venda de seis barragens transmontanas por parte da …

Biden prevê vacinas para todos os adultos antes do fim de maio

Joe Biden assegura que até maio o país terá vacinas suficientes contra o covid para todos os adultos do país, dois meses antes do previsto. O presidente do EUA anunciou que até ao final de maio …

Pandemia não é “uma competição ou um concurso de beleza entre países”

O presidente da Aliança Global para as Vacinas (GAVI), Durão Barroso, defende que o processo de vacinação mundial contra a covid-19 não deve ser “uma competição ou um concurso de beleza entre países” e lança …

Sarkozy admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

O ex-Presidente francês admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos contra a sua condenação a três anos de detenção, um em prisão efetiva, por corrupção e tráfico de influência. Numa entrevista ao jornal Le Figaro, …

Apoio à família vai ser alargado a mais pais em teletrabalho. Tudo graças à oposição

Esta quarta-feira, vai subir a plenário o texto final que altera o apoio excecional à família para que chegue a mais portugueses. O alargamento do universo de potenciais beneficiários está no horizonte, nomeadamente com a …

"Espiar, atacar, reprimir". Militares em Myanmar usam tecnologia ocidental para enfraquecer manifestantes

Durante quase 50 anos de ditadura militar, os generais birmaneses usavam "ferramentas totalitárias" arcaicas. Agora, os militares que tomaram o poder em Myanmar têm "um arsenal muito mais sofisticado à sua disposição" Desde que o golpe …

Da "obsessão por cargos" à "subserviência ao PS". Críticos internos do BE descarregam na direção

A convenção do Bloco de Esquerda está marcada para os dias 22 e 23 de maio e os grupos críticos da direção do partido já têm preparada uma extensa lista de críticas. De acordo com o …

Pela primeira vez, a idade da reforma pode cair (e a culpa é da pandemia)

A idade da reforma é determinada pela esperança média de vida. No entanto, a pandemia e o consequente aumento da mortalidade podem fazer cair esse indicador, levando a um recuo histórico na idade da reforma. Até …

Onde estão os antigos "donos disto tudo" no desporto?

Sporting parece estar em ano de regresso ao topo do futebol. Mas outros clubes dominadores, ou desapareceram, ou andam discretos. "Felizmente não subimos à I Divisão", admite o presidente do HC Sintra. "Donos disto tudo" pode …

Após chumbo ao aeroporto do Montijo, Governo quer mudar a lei para tirar poder aos municípios

O chumbo ao aeroporto do Montijo, depois de os municípios da Moita e do Seixal terem reprovado o projecto, não demove o Governo da empreitada. Em cima da mesa estão três soluções e a intenção …