Não é só nas cidades. Preço das casas na periferia também disparou

Nos primeiros três meses do ano, a subida do preço das casas fez-se sentir em todos os concelhos do continente sem exceção. Odivelas, Leiria e Oeiras juntaram-se aos que mais valorizaram.

Este é o segundo trimestre consecutivo de valorização geral, mas a ordem de grandeza do agravamento do preço mostra que as zonas de mais interesse de quem quer comprar casa estão a diversificar-se, chegando mesmo à periferia das grandes cidades.

Dados da Confidencial Imobiliário, com base no índice de preços residenciais, citados pelo Diário de Notícias, mostram que Cascais e Lisboa se mantêm como os dois concelhos onde o preço das casas teve maior subida homóloga.

No entanto, os dados mostram também que, enquanto no último trimestre de 2017 apenas estes dois concelhos e o Algarve estavam no top 15 das maiores valorizações, agora o Algarve cedeu terreno a outras áreas.

O Porto entrou neste top 15, devido ao facto de o aumento do preço das casas ter começado a alargar-se para outras zonas da cidade que não o centro histórico. Esta tendência não apareceu este ano, mas está a agravar-se, graças à retoma da procura interna por habitação “tradicional”.

“Até 2017, a procura de imóveis foi muito motivada pelo mercado turístico ou pelos ativos de luxo por parte dos investidores”, explica ao DN Ricardo Guimarães, diretor da Ci. Uma dinâmica que ajudou a que as valorizações deixassem de estar concentradas nos centros históricos.

“A grande mudança estrutural está no facto de começarem a surgir concelhos mais periféricos. Há geografias que começam a ter visibilidade para quem quer comprar casa, seja para a habitar seja para a arrendar”, salienta.

Isto explica que zonas como Vila Nova de Famalicão ou Odivelas – zonas que não são dominadas pela procura para fins turísticos – surjam entre os concelhos com maiores valorizações.

Subida expressiva, mas preços abaixo de 2007

Enquanto que no último trimestre do ano passado, o índice Confidencial Imobiliário assinalou valorizações homólogas entre 0,5% e 20% nos 278 concelhos de Portugal continental para os quais estão disponíveis dados com relevância estatística, nos primeiros três meses deste ano as taxas de crescimento homólogo oscilaram entre 3% e 35%.

Ainda assim, se compararmos estes valores com os de 2007, ano em que o crédito começou a apertar e os preços a cair, a valorização do mercado tem ainda caminho a percorrer, isto apesar dos preços já superarem, em algumas zonas, os patamares de antes da crise.

Contudo, esta realidade não é generalizada a todo o país. Os dados mostram que em 91% dos concelhos os preços ainda se mantém abaixo dos níveis pré-crise, restando apenas 25 com evolução positiva face a 2007.

Ricardo Guimarães sublinha que, “se tivermos em conta a média de preços, estes continuam abaixo de 2007”. E acrescenta que há, no entanto, zonas nas quais as casas “subiram para patamares de valores” fora do alcance das famílias.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Está caro viver nas cidades? Escolham o campo.
    A liberdade ainda está disponível. Ai e tal, já não se faz marchas com gente da terra… e o êxodo que o interior sofreu, só porque se fez investimentos nas cidades? Agora aí está, o investimento foi feito, agora é colher dividendos com as rendas caras…

RESPONDER

"Cuidados de morte." Governo acusado de cortar em cuidados paliativos para poupar dinheiro

A Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) acusa o Governo de estar a cortar nos cuidados paliativos para poupar dinheiro. A TSF avança esta sexta-feira que a Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) não tem dúvidas …

Novo Banco contrata detetives para seguir ex-líder da Ongoing

O Novo Banco contratou equipas especializadas compostas por investigadores privados para fazer o levantamento de todos os bens que possam ser associados a Nuno Vasconcellos, ex-líder da Ongoing. Segundo avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, …

Eurobic nega que Teixeira dos Santos esteja a ser investigado pelo Banco de Portugal

Na quinta-feira, o jornal Público deu conta de uma investigação do Banco de Portugal (BdP) ao papel de Teixeira dos Santos no Eurobic no âmbito do caso Luanda Leaks. Agora, o banco vem a público …

"Comigo, não acontecerá." Ferro Rodrigues decide que castração química não será debatida no Parlamento

Admitindo que as responsabilidades pela decisão de não admissibilidade do projeto de lei do Chega eram suas, Ferro Rodrigues deixou claro que, consigo na presidência da Assembleia da República, projetos de lei (provavelmente) inconstitucionais como …

Eleições para o Tribunal Constitucional suspensas. Boletins de voto estavam ilegais

A votação dos nomes para ocuparem as duas vagas no Tribunal Constitucional foi suspensa porque os boletins de votos que foram entregues aos deputados não estavam conforme manda a lei. De acordo com o jornal ECO, …

Chega é a 5.ª força política, CDS tomba e já só está à frente do Livre

O PS mantém a distância para o PSD em fevereiro, segundo o Barómetro Político da Aximage para o Jornal Económico, que dá ainda conta que o CDS está em queda, posicionando-se apenas à frente do …

Eliminação da Liga Europa dita fim de linha para Silas

O desportivo Record escreve esta sexta-feira que a eliminação do Sporting da Liga Europa ditou o fim de linha para Silas no comando dos leões. De acordo com a publicação, os dirigentes leoninos ficaram desagradados …

Covid-19. Voos cancelados, máscaras à venda por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália

Voos cancelados, máscaras à venda online por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália. Estas são algumas das mais recentes consequências do novo coronavírus, a epidemia oriunda da cidade chinesa de Wuhan que …

"Só por cima do meu veto." Autarcas bloqueiam Montijo, Costa avisa que não há plano B

Rui Garcia e Joaquim Santos, autarcas da Moita e do Seixal, são os principais rostos do bloqueio do aeroporto do Montijo. António Costa está "perplexo" com a decisão do PSD e alerta que começar do …

Excedente do Estado encolhe para 1.287 milhões de euros em janeiro

Os dados foram revelados, esta quinta-feira, pelo Ministério das Finanças e representam "menos 238,5 milhões de euros face ao período homólogo". As administrações públicas registaram um excedente de 1.287,5 milhões de euros em janeiro valor que …