Comemos milhares de partículas de plástico por ano (e nem sabemos)

Estamos cada vez mais conscientes da forma como o plástico está a poluir o meio ambiente. Recentemente, o foco da nossa atenção virou-se para os micro-plásticos – pedaços minúsculos de plástico que variam entre 5 milímetros a 100 nanómetros de diâmetro.

Estes plásticos estão a encher os mares e abrir caminho para os animais que lá vivem. Isto significa que estes resíduos estão a entrar na cadeia alimentar e, em consequência, nos nossos corpos.

No entanto, o peixe e o marisco nãos são as únicas fontes de alimento que podem conter micro-plásticos. Há, de facto, outras fontes não provenientes do mar que podem ser muito mais preocupantes.

Uma porção de mexilhão de um consumidor na Europa pode conter cerca de 90 micro-plásticos. É muito provável que o consumo varie bastante de acordo com os países e as gerações mas, os ávidos consumidores de mexilhão podem estar a ingerir até 11 mil plásticos por ano.

É difícil saber ao certo quantos micro-plástico estamos a consumir a partir do consumo de peixe. A maioria dos estudos realizados até ao momento apenas analisou o conteúdo do estômago e do intestino dos peixes, partes que geralmente são removidos antes do consumo. No entanto, um estudo encontrou micro-plásticos no fígado dos peixes, sugerindo que estas partículas podem migrar do sistema digestivo para outras partes do corpo.

Um outro estudo também detetou micro-plásticos em peixe enlatado. Os números encontrados eram baixos podendo, em média, um consumidor ingerir cinco micro-plásticos numa porção de peixe enlatado. As partículas encontradas podem também ter vindo do processo de enlatamento ou do ar.

Outra fonte de micro-plásticos de origem marinha é o sal proveniente do mar. Um quilograma de sal pode conter mais de 600 micro-plásticos. Se, por dia, ingerirmos 5 gramas de sal, estaríamos a consumir três micro-plásticos por dia – porém, muitas pessoas ingerem muito mais sal do que as quantidades recomendadas.

No entanto, outros estudos descobriram quantidades variáveis de micro-plásticos no sal marinho, possivelmente devido aos diferentes métodos de extração usados. Este é um problema generalizado na pesquisa de micro-plásticos, que torna difícil comparar estudos.

Por exemplo, um estudo parece só ter procurado por micro-fibras – pequenas cadeias de materiais artificias, como é o caso do poliéster. Já um outro estudo adicional, apenas procurava micro-plásticos de tamanho superior a 200 micrómetros.

Os estudos do sal marinho acima mencionados não tentaram remover e contabilizar todos os micro-plásticos encontrados nas amostras de sal recolhidas. Em vez disso, os investigadores fizeram uma estimativa baseada na porção de partículas que recolheram. Ou seja, o estudo mostrou que 1 quilo de sal continha, pelo menos, 600 micro-plástico – mas o número real pode ser bem maior.

Fontes não marinhas

Apesar destas descobertas, outras pesquisas demonstram que é muito mais provável que os micro-plásticos encontrados nos nossos alimentos venham de outras fontes que não o mar. Os animais terrestres também comem plásticos embora – tal como acontece com os peixes – tendemos a não comer os seus sistemas digestivos.

Existem poucos dados sobre esta parte da indústria alimentar mas, um estudo realizado com frangos criados em jardins do México encontrou, em média, 10 micro-plásticos por cada moela de frango – uma iguaria em algumas partes do mundo.

Os investigadores também encontraram micro-plásticos no mel e na cerveja. Podemos estar a engolir dezenas de micro-plásticos em cada garrafa de cerveja.

Talvez a maior fonte conhecida de micro-plásticos que consumimos seja a água engarrafada. Quando os investigadores examinaram um conjunto de águas engarrafadas em vidro e plástico, encontraram micro-plásticos na maioria delas.

As garrafas de água de uso único continham entre 2 a 44 micro-plásticos por litro, enquanto que as garrafas reutilizadas continha entre 28 a 241 micro-plásticos por litro. Os micro-plásticos vieram das embalagens, o que significa que podemos estar a expor-nos a resíduos sempre que reutilizamos uma garrafa para reduzir o desperdício.

Isto também evidencia que os micro-plásticos presentes nos nossos alimentos provêm do pó dentro das nossas casas. Um estudo estimou que, anualmente, podemos obter uma dose de quase 70.000 micro-plásticos só a partir do pó que se instala no nosso jantar – e está é apenas uma das nossas refeições diárias.

Então, sim, estamos a ingerir um pequeno número de micro-plásticos provenientes de produtos marinhos. Mas só o facto de bebermos um litro de água engarrafada por dia pode significar ingerir mais micro-plásticos do que um ávido comedor de marisco.

Outra questão que os cientistas ainda não responderam relativamente à ingestão de micro-plásticos, é o dano que estes realmente provocam.

Os estudos acima referenciados foram publicados entre 2015 e 2017 nas revistas Nature e Science Direct e no Environmental Science & Technology e Polish Journal of Food and Nutrition Sciences.

PARTILHAR

RESPONDER

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …

Cientistas descobrem de que são feitos os exoplanetas semelhantes à Terra

Investigadores da Universidade de Zurique analisaram a composição e estrutura de exoplanetas distantes usando ferramentas estatísticas. A sua análise indica se um planeta é parecido com a Terra, se é composto por rocha pura ou …

10% dos homens são daltónicos

Um em cada 10 homens sofre de daltonismo, uma perturbação caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores. O daltonismo, também conhecido como discromatopsia ou discromopsia, é uma perturbação da perceção visual caracterizada pela incapacidade …

O fundador da Ethereum prevê uma crise financeira até 2021

Vitalik Buterin, fundador da Ethereum, não é um entendido em economia global, mas prevê uma crise financeira até 2021. Vitalik Buterin, o prodígio de programação de apenas 24 anos que inventou a plataforma Ethereum aos 19 anos, …