Comemos milhares de partículas de plástico por ano (e nem sabemos)

Estamos cada vez mais conscientes da forma como o plástico está a poluir o meio ambiente. Recentemente, o foco da nossa atenção virou-se para os micro-plásticos – pedaços minúsculos de plástico que variam entre 5 milímetros a 100 nanómetros de diâmetro.

Estes plásticos estão a encher os mares e abrir caminho para os animais que lá vivem. Isto significa que estes resíduos estão a entrar na cadeia alimentar e, em consequência, nos nossos corpos.

No entanto, o peixe e o marisco nãos são as únicas fontes de alimento que podem conter micro-plásticos. Há, de facto, outras fontes não provenientes do mar que podem ser muito mais preocupantes.

Uma porção de mexilhão de um consumidor na Europa pode conter cerca de 90 micro-plásticos. É muito provável que o consumo varie bastante de acordo com os países e as gerações mas, os ávidos consumidores de mexilhão podem estar a ingerir até 11 mil plásticos por ano.

É difícil saber ao certo quantos micro-plástico estamos a consumir a partir do consumo de peixe. A maioria dos estudos realizados até ao momento apenas analisou o conteúdo do estômago e do intestino dos peixes, partes que geralmente são removidos antes do consumo. No entanto, um estudo encontrou micro-plásticos no fígado dos peixes, sugerindo que estas partículas podem migrar do sistema digestivo para outras partes do corpo.

Um outro estudo também detetou micro-plásticos em peixe enlatado. Os números encontrados eram baixos podendo, em média, um consumidor ingerir cinco micro-plásticos numa porção de peixe enlatado. As partículas encontradas podem também ter vindo do processo de enlatamento ou do ar.

Outra fonte de micro-plásticos de origem marinha é o sal proveniente do mar. Um quilograma de sal pode conter mais de 600 micro-plásticos. Se, por dia, ingerirmos 5 gramas de sal, estaríamos a consumir três micro-plásticos por dia – porém, muitas pessoas ingerem muito mais sal do que as quantidades recomendadas.

No entanto, outros estudos descobriram quantidades variáveis de micro-plásticos no sal marinho, possivelmente devido aos diferentes métodos de extração usados. Este é um problema generalizado na pesquisa de micro-plásticos, que torna difícil comparar estudos.

Por exemplo, um estudo parece só ter procurado por micro-fibras – pequenas cadeias de materiais artificias, como é o caso do poliéster. Já um outro estudo adicional, apenas procurava micro-plásticos de tamanho superior a 200 micrómetros.

Os estudos do sal marinho acima mencionados não tentaram remover e contabilizar todos os micro-plásticos encontrados nas amostras de sal recolhidas. Em vez disso, os investigadores fizeram uma estimativa baseada na porção de partículas que recolheram. Ou seja, o estudo mostrou que 1 quilo de sal continha, pelo menos, 600 micro-plástico – mas o número real pode ser bem maior.

Fontes não marinhas

Apesar destas descobertas, outras pesquisas demonstram que é muito mais provável que os micro-plásticos encontrados nos nossos alimentos venham de outras fontes que não o mar. Os animais terrestres também comem plásticos embora – tal como acontece com os peixes – tendemos a não comer os seus sistemas digestivos.

Existem poucos dados sobre esta parte da indústria alimentar mas, um estudo realizado com frangos criados em jardins do México encontrou, em média, 10 micro-plásticos por cada moela de frango – uma iguaria em algumas partes do mundo.

Os investigadores também encontraram micro-plásticos no mel e na cerveja. Podemos estar a engolir dezenas de micro-plásticos em cada garrafa de cerveja.

Talvez a maior fonte conhecida de micro-plásticos que consumimos seja a água engarrafada. Quando os investigadores examinaram um conjunto de águas engarrafadas em vidro e plástico, encontraram micro-plásticos na maioria delas.

As garrafas de água de uso único continham entre 2 a 44 micro-plásticos por litro, enquanto que as garrafas reutilizadas continha entre 28 a 241 micro-plásticos por litro. Os micro-plásticos vieram das embalagens, o que significa que podemos estar a expor-nos a resíduos sempre que reutilizamos uma garrafa para reduzir o desperdício.

Isto também evidencia que os micro-plásticos presentes nos nossos alimentos provêm do pó dentro das nossas casas. Um estudo estimou que, anualmente, podemos obter uma dose de quase 70.000 micro-plásticos só a partir do pó que se instala no nosso jantar – e está é apenas uma das nossas refeições diárias.

Então, sim, estamos a ingerir um pequeno número de micro-plásticos provenientes de produtos marinhos. Mas só o facto de bebermos um litro de água engarrafada por dia pode significar ingerir mais micro-plásticos do que um ávido comedor de marisco.

Outra questão que os cientistas ainda não responderam relativamente à ingestão de micro-plásticos, é o dano que estes realmente provocam.

Os estudos acima referenciados foram publicados entre 2015 e 2017 nas revistas Nature e Science Direct e no Environmental Science & Technology e Polish Journal of Food and Nutrition Sciences.

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …