Um ano de Coletes Amarelos. Manifestantes voltam a bloquear acessos a Paris

Christophe Petit Tesson / EPA

As manifestações em Paris deverão ter o seu pico às 14h deste sábado, mas, até lá, vão-se intensificando os confrontos entre manifestantes e polícia. Coletes Amarelos bloquearam estradas e autoridades responderam com gás lacrimogéneo.

Este fim-de-semana completa-se um ano sobre o aparecimento nas ruas dos Coletes Amarelos. Esta manhã de sábado, pelo 53º sábado seguido, os manifestantes saíram às ruas de Paris e já provocaram confrontos violentos na Porta de Champerret, no norte da cidade, e na Praça de Itália, no sul.

Alguns dos participantes nos protestos foram ainda responsáveis pela obstrução de uma autoestrada circular durante vários minutos, obrigando as forças policiais a intervir. De acordo com o Correio da Manhã já há 33 detidos, mas os relatos variam entre os órgãos de comunicação.

“O facto de continuarmos nas ruas é uma prova de que há graves problemas neste país”, afirma um Colete Amarelo à AFP. “Claro que não é comparável às primeiras mobilizações, mas continuamos aqui”, reforçou.

Os números não se comparam aos 282 mil que saíram às ruas há um ano, mas mesmo assim, este manifestante mantém-se crente neste “núcleo duro” que não perde a esperança na luta contra as políticas de Emmanuel Macron, o presidente francês. “Muitos deixaram de se manifestar quando o governo suspendeu a subida do preço dos combustíveis”, notou.

Em resposta à violência dos Coletes Amarelos, a polícia francesa viu-se obrigada a disparar gás lacrimogéneo. Os confrontos aconteceram quando este grupo de manifestantes se preparava para marchar pela cidade em direção à Gare d’Austerlitz, no sul da cidade. A polícia fez detenções para evitar que os Coletes Amarelos bloqueassem algumas das estradas de Paris.

Segundo Priscillia Ludosky, uma das maiores figuras do movimento, as manifestações deverão começar a intensificar-se depois do almoço, a partir das 14h. O Observador conta que as autoridades já identificaram mais de 40 pessoas e fizeram cerca 1.500 fiscalizações preventivas.

Há quase um ano, o lusodescendente Jerome Rodrigues perdeu um olho numa manifestação dos coletes amarelos depois de ter sido atingido por uma bala de borracha e desde aí transformou-se numa das principais figuras do movimento.

“Houve um impacto muito negativo, tenho o Governo nas minhas costas, sou assediado na Internet e até já me mandaram para Portugal nas redes sociais, eu que nem sequer tenho nacionalidade portuguesa! A parte positiva é falar com muita gente, aprender muito”, salientou este “colete amarelo” que viaja um pouco por toda a França para falar sobre as suas ideias, sendo figura assídua na televisão e contando com quase 50 mil seguidores nas redes sociais.

No entanto, ele está entre os primeiros a admitir que as mudanças exigidas como maior poder de compra para a classe média, uma redução drástica dos impostos ou até a saída de Emmanuel Macron do poder, não foram conseguidas.

“Mudanças não [houve], porque não ganhámos quase nada. Mas a maneira de contestação é diferente. Mostrou um contrapoder que já não era feito pelos sindicatos ou a oposição política”, afirmou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …

Putin avisa que quem ameaçar a Rússia "se irá arrepender como nunca"

O presidente Vladimir Putin emitiu um alerta durante o seu discurso anual ao Governo. O líder frisou que qualquer membro da comunidade internacional que ameace a Rússia "se irá arrepender como nunca se arrependeu antes". O …

Nove anos depois, Bruxelas deixa de monitorizar atividade da CGD

A Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) encerrou o processo de monitorização do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "A Caixa Geral de Depósitos, S.A. (CGD) informa que recebeu comunicação da Direção …

Se não fosse o vídeo de Darnella Frazier, "Derek Chauvin ainda seria polícia"

Darnella Frazier, na altura com 17 anos, foi a responsável pelo vídeo que mostra o ex-agente da polícia Derek Chauvin a prender o afro-americano George Floyd, que acabou por não resistir. Esta terça-feira foi um dia …

Eutanásia. Jurisdição do PSD considera haver matéria para processo disciplinar a Rio e Adão Silva

O Conselho Nacional de Jurisdição do PSD considerou que existe "matéria bastante para abertura de processo disciplinar" ao presidente do partido e ao líder parlamentar por violação de uma decisão do Congresso sobre eutanásia, faltando …