Coca-Cola tem várias cláusulas com universidades que lhe permite suprimir estudos desfavoráveis

Ainda que não haja provas de que a Coca-Cola tenha suprimido alguma investigação que lhes seja desfavorável, “o importante é que essa possibilidade existe”.

Os contratos através dos quais a Coca-Cola financia estudos científicos sobre os impactos dos seus produtos na saúde permitem à marca suprimir os resultados desfavoráveis, segundo uma investigação publicada esta quarta-feira.

Num estudo da Universidade de Cambridge publicado no Journal of Public Health Policy, baseado na análise de mais de 87.000 documentos legais, apontam-se várias cláusulas que permitem à empresa ter resultados preliminares da investigação em universidades públicas nos Estados Unidos e no Canadá e cancelá-los sem dar qualquer justificação mesmo antes de terminarem, ficando com os dados e com a propriedade intelectual.

Nos documentos analisados não há provas de que a Coca-Cola tenha suprimido investigação que lhes seja favorável, mas “o importante é que essa possibilidade existe”, referem os autores, que tiveram acesso aos contratos ao abrigo da lei americana sobre liberdade de informação.

“É verdade que os contratos que analisámos permitem que descobertas desfavoráveis sejam suprimidas antes da publicação”, afirmou a principal autora do estudo, Sarah Steele.

“A Coca-Cola declara-se na vanguarda da transparência no que toca às empresas que financiam investigação sobre saúde, mas o nosso estudo sugere que investigação importante pode nunca ser tornada pública e nunca saberíamos dela“, acrescentou.

A investigadora referiu que especialistas em nutrição acusam a indústria alimentar “de copiar as táticas da indústria do tabaco” e defendeu que “a responsabilidade social das empresas tem de significar mais do que sites bonitos em que se proclamam práticas progressistas que são ignoradas”.

O alto consumo de calorias, alimentos e bebidas com baixo valor nutricional são considerados fatores importantes na epidemia de obesidade infantil, o que já levou governos como o do Reino Unido a introduzir um “imposto sobre o açúcar” em muitos refrigerantes, incluindo os da marca Coca-Cola.

A maior parte da investigação que a Coca-Cola financia debruça-se sobre nutrição, sedentarismo e equilíbrio energético.

Os autores do estudo reclamam que sejam divulgados quais os estudos que foram cancelados e apelam aos investigadores ao serviço da indústria para que deem ao público garantias de independência da sua pesquisa.

O acesso aos documentos foi solicitado pela Right to Know (“Direito a Saber”), uma organização não lucrativa dedicada aos direitos dos consumidores e à saúde pública. Ao abrigo da lei da Liberdade de Informação, pediu para consultar 129 contratos e encontrou cinco celebrados com as universidades de Louisiana, Carolina do Sul, Washington (nos EUA) e Toronto, no Canadá.

Embora não prevejam que a Coca-Cola interfira no dia a dia das instituições científicas, dão à marca vários direitos, como o de ser informada de atualizações ou conclusões antes da publicação, e de cancelar estudos prematuramente sem qualquer justificação.

“Estes contratos sugerem que a Coca-Cola quer o poder de suprimir a investigação que financia e que possa prejudicar a sua imagem ou os seus lucros”, afirmou o codiretor da Right to Know, Gary Ruskin.

Tendo o poder de promover resultados positivos e esconder os negativos, a investigação financiada pela Coca-Cola mais parece um exercício de relações públicas“, acrescentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu a atriz e encenadora Fernanda Lapa

A atriz e encenadora faleceu, esta quinta-feira, aos 77 anos, em Cascais, onde estava hospitalizada, anunciou a Escola de Mulheres, companhia que dirigiu desde a sua fundação. "É com profundo pesar e imensa tristeza que a …

PJ acredita ter detido homem que ateou fogo que matou animais em canil de Santo Tirso

A Polícia Judiciária (PJ) está "convencida" de que o autor do fogo que teve origem em Valongo e se estendeu a Santo Tirso, onde dezenas de animais morreram, é um eletricista que foi esta quarta-feira …

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …