/

A partir de 2024, clientes vão pagar taxa pelas embalagens de take away

3

A partir de 2024, os clientes que comprarem comida através do take away vão passar a pagar uma taxa sobre as embalagens.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo Jornal de Notícias, que adianta que o Governo se está a preparar para criar uma taxa sobre as embalagens de comida ao domicílio.

A taxa será cobrada a partir de 2024, mas o valor ainda não está definido. Se os clientes quiserem ser ressarcidos da despesa, terão que devolver as embalagens aos restaurantes para serem reutilizadas.

O diário explica que o projeto de decreto-lei do Governo transpõe uma diretiva de 2019 da União Europeia (UE), relativa à redução do impacto de determinados produtos de plástico no ambiente.

Assim, a partir de 1 de janeiro de 2024 os estabelecimentos que usam copos para bebidas e recipientes para alimentos, de plástico, em regime de take away ou com entrega ao domicílio, vão ter de disponibilizar alternativas reutilizáveis aos clientes.

O Ministério do Ambiente explicou ao JN que o sistema implica “a cobrança, no ato da compra, de um valor de depósito, o qual só poderá ser reembolsado no ato da devolução da embalagem”.

Os estabelecimentos têm ainda algumas dúvidas sobre como esta medida poderá ser operacionalizada. Ao matutino, a Associação Nacional de Restaurantes PRO.VAR disse que tem “dúvidas” de que esta medida “seja exequível”, defendendo que ”seria importante criar um tempo de adaptação, porque se trata de uma mudança grande”.

  ZAP //

3 Comments

  1. que porcaria.
    este governo que dinheiro e nao sabe o que fazer
    agora quer cobrar as embalagens de comida
    se devolver-mos, devolvem-nos o dinheiro e a empresa, lava o recepiente e volta a colocar comida dentro dela.
    vai ficar mais caro lava-las do que as mandar para o lixo e usar novas embalagens

  2. Acho bem.
    Por aqui, normalmente, levamos os “tupparwares” de casa.
    Obviamente que aquelas embalagens de “alumínio” fazem uma quantidade enorme de lixo e que mais tarde ou mais cedo esse problema teria que ser tratado.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.