Cientista do programa nuclear iraniano assassinado. Governo acusa Israel

Michael Buholzer / swiss-image.ch / World Economic Forum

Mohammad Javad Zarif, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão

Importante cientista do setor nuclear no Irão morreu, esta sexta-feira, na sequência de ferimentos, depois de o veículo em que seguia ter sido atacado por “terroristas armados” perto de Teerão, anunciou o Ministério da Defesa.

O homem, oficialmente identificado como Mohsen Fakhrizadeh, chefe do departamento de pesquisa e inovação do Ministério da Defesa iraniano, ficou “gravemente ferido” quando o seu carro foi alvejado por vários atacantes que, por sua vez, foram atacados pela equipa de segurança do cientista, pode ler-se no comunicado da tutela, no qual se acrescenta que a equipa médica não o conseguiu reanimar.

A agência de notícias semioficial Fars, próxima dos Guardas da Revolução do país, disse que o ataque aconteceu em Absard, uma pequena cidade a leste da capital. As testemunhas ouviram o som de uma explosão e depois disparos de uma metralhadora, num ataque que teve como alvo o carro em que seguia o cientista, segundo a agência.

Os feridos, incluindo os guarda-costas de Fakhrizadeh, foram depois levados para um hospital local. Posteriormente, a televisão estatal publicou no seu site uma fotografia das forças de segurança a bloquear as estradas. Fotografias e vídeos partilhados online mostram um veículo com buracos de balas no para-brisas e sangue na estrada.

Segundo o jornal Público, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou Israel de ser responsável pelo ataque e apelou à comunidade internacional para “condenar este ato de terrorismo de Estado”. Recorde-se que há quase uma década que este país é suspeito de realizar uma série de assassínios a cientistas nucleares iranianos.

Todos os meios de comunicação iranianos também notaram o interesse que o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, já havia demonstrado no cientista iraniano. Em 2018, numa conferência de imprensa, o chefe do Governo israelita invocou Fakhrizadeh, dizendo para as pessoas se “lembrarem desse nome”.

Até ao momento, Israel recusou comentar este assassinato e ainda nenhuma organização assumiu a responsabilidade do ataque.

Fakhrizadeh liderou o chamado programa “Amad”, ou “Esperança”, do Irão. Israel e o Ocidente alegaram que essa operação militar tinha como objetivo saber a viabilidade de construção de armas nucleares no Irão, mas Teerão alegou sempre que o seu programa nuclear é pacífico.

Hossein Salami, comandante-chefe dos Guardas da Revolução, referiu-se ao ataque a Fakhrizadeh. “Assassinar cientistas nucleares é a confrontação mais violenta para nos impedir de alcançar a ciência moderna”, escreveu no Twitter.

Hossein Dehghan, conselheiro do líder supremo do Irão e candidato à Presidência do país nas eleições de 2021, lançou avisos na mesma rede social.

“Nos últimos dias de vida política do seu aliado no jogo, os sionistas procuram intensificar e aumentar a pressão sobre o Irão para travar uma guerra de pleno direito. Vamos descer como um raio nos assassinos deste mártir oprimido e faremos com que se arrependam das suas ações”, ameaçou Dehghan, referindo-se ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Requiem. Supernova irá fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037

Uma supernova distante, chamada Requiem, vai fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037. O Hubble captou-a três vezes em 2016, graças a um fenómeno conhecido como lente gravitacional. A Requiem é o resultado de uma explosão estelar …

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …