Desapareceu o cientista que criou bebés geneticamente modificados

Alex Hofford / EPA

He Jiankui apresentou o seu trabalho durante a conferência

O cientista He Jiankui, que alegou ter criado os primeiros bebés geneticamente modificados, está em paradeiro incerto. No fim-de-semana surgiram boatos de que tinha sido detido pelas autoridades chinesas, mas a Universidade onde trabalha não confirma a detenção, nem revela onde é que ele se encontra.

Um porta-voz da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul em Shenzhen, na China, onde o cientista é professor associado, rejeitou os boatos que surgiram no fim-de-semana de que He Jiankui teria sido detido, e de que poderia estar em prisão domiciliária.

Em declarações ao jornal South China Morning Post, este porta-voz recusa, contudo, revelar detalhes sobre o paradeiro de Jiankui. “Neste momento, não podemos responder a quaisquer perguntas sobre este assunto, mas se tivermos informações, faremos actualizações através dos nossos canais oficiais”, limitou-se a dizer.

O cientista não é visto desde a conferência sobre genética em Hong Kong, onde apresentou as primeiras explicações públicas sobre a sua investigação, depois de ter revelado num vídeo no YouTube que tinha criado os dois primeiros bebés geneticamente modificados.

Jiankui revelou como deu origem a duas gémeas resistentes ao VIH, desactivando um gene que codifica uma proteína que permite que o vírus entre nas células, salientando que se encontram num estado “normal e saudável”.

Na mesma conferência, também acrescentou que há um terceiro bebé que pode nascer igualmente alvo de embriões geneticamente modificados.

O anúncio de Jiankui originou grande polémica em todo o mundo, e já há quem lhe chame o “Frankenstein chinês”. Tem sido arduamente criticado pela comunidade científica que considera que ele passou uma barreira ética inaceitável.

Depois de ter recebido milhões de euros de fundos públicos chineses para investigação, o jovem cientista parece ter-se tornado persona non grata, estando a ser investigado pela Universidade onde trabalha e pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia da China.

“De boas intenções está o inferno cheio”

Jiankui recorreu a uma técnica de edição genética conhecida por CRISPR-Cas9 e que tem sido usada na China em diversas experiências com animais.

Em 2016, cientistas chineses editaram embriões de macacos para introduzir genes associados ao autismo, numa investigação em que procuravam descobrir uma cura para esta doença.

Um ano antes, o Instituto de Genómica de Pequim anunciou a criação de mini-porcos que poderiam ser “personalizados” com cores diferentes, através da mesma técnica CRISPR.

Cientistas chineses também criaram cães super-fortes, desligando o gene miostatina que tem como função moderar o crescimento das fibras musculares. E noutra investigação, clonaram um cão no âmbito de pesquisas sobre aterosclerose, um tipo particular de arteriosclerose que aumenta “a probabilidade de ocorrência de um evento cardiovascular”, como refere a Federação Portuguesa de Cardiologia.

Este tipo de investigação é autorizada na China, mas Jiankui abriu uma caixa de Pandora quando aplicou a CRISPR em humanos, ultrapassando uma barreira ética que pode acarretar sérios riscos.

“De boas intenções está o inferno cheio”, lembra o professor de Sociologia na Universidade da Califórnia, nos EUA, John Evans, num artigo de opinião, frisando que uma coisa é usar a edição genética para evitar doenças, outra é recorrer a ela para criar “humanos melhorados”.

Este especialista na temática da edição genética em humanos de um ponto de vista sociológico, fala dos riscos de criar “uma espécie humana melhorada”, lembrando que esta ideia de haver pessoas com “traços superiores” deu origem ao Holocausto, onde os Nazis determinaram que os grupos étnicos “inferiores” deveriam ser exterminados.

O desenvolvimento genético pode ajudar a criar uma nova ideia de que é possível transformar indivíduos “inaptos” em seres geneticamente superiores, sustenta Evans.

“Depois de descobrir como alterar um gene, pode-se alterar qualquer gene, independentemente da sua função”, acrescenta o professor, notando que será “muito difícil dizer que mudar outros traços que não são mortais, como a surdez, não é igualmente aceitável”. Pode também mudar-se a “falta de inteligência “normal” ou uma dita “falta de inteligência superior”, frisa.

Este problema é evidenciado por muitos cientistas que já temem que as implicações éticas inerentes à edição genética que Jiankui trouxe à tona, venham a ter consequências tragicamente negativas na investigação neste sector.

Aquilo que é consensual na comunidade científica, é que é preciso criar “um muro” concreto que defina uma fronteira entre o que é aceitável e o que não é no campo da edição genética.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Ele só foi ingénuo em ter revelado as suas experências. Acham mesmo que não as haverá “aos montes”, só ainda escondidas, por esse mundo fora?

    • Ora nem mais. Isto não me choca mesmo nada já…Há de tudo, até mesmo quimeras (inclusive metade humano, metade animal…) tudo com o pretexto de “defesa nacional”,tentam também criar supersoldados. Isto é só a ponta do iceberg…
      Quem quiser saber mais, procure pelo testemunho de “whistleblower Emery Smith”. Cuidado,podem rebentar a vossa bolha confortável e correm o risco de nunca mais ver o mundo da mesma maneira.

  2. Desde a ovelha Dolly muito avançou. Depois de carregar no botão a bomba explode. Há-de sempre haver curiosos que exploram e experimentam o desconhecido. Estas experiências até já são tardias, dado o ano da experiência da ovelha.

RESPONDER

Espanha vai tentar exumar 31 corpos que se encontram no Vale dos Caídos

As autoridades espanholas vão tentar exumar 31 dos milhares de corpos de pessoas enterradas no Vale dos Caídos, um grande mausoléu onde esteve enterrado o ditador Francisco Franco até ao mês passado. Segundo a agência Associated …

Holanda reduz velocidade máxima nas autoestradas em prol da qualidade do ar (e deixa o primeiro-ministro "muito infeliz")

O Governo holandês vai baixar os limites de velocidade nas autoestradas do país para travar as emissões de monóxido de nitrogénio, que contribui para a degradação da camada de ozono. O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, anunciou …

Facebook para iOS utiliza câmara do iPhone sem que o utilizador note

Há um erro na aplicação do Facebook para iOS - sistema operativo do iPhone - que liga a câmara do telemóvel sem que o utilizador se aperceba quando este faz scrool no feed de …

Tesla vai abrir a sua primeira fábrica na Europa

O construtor de carros elétricos Tesla vai abrir uma fábrica nos arredores de Berlim, anunciou o presidente executivo da empresa, Elon Musk, na terça-feira à noite ao receber um prémio na capital alemã. “Tenho uma informação …

Continental vai contratar 300 engenheiros para o Porto

A Continental vai instalar no Porto um centro de desenvolvimento de tecnologias que poderá empregar "cerca de 300 engenheiros" e apoiará o desenvolvimento de soluções para veículos elétricos, condução autónoma e cibersegurança, anunciou esta quarta-feira …

Comissão Europeia aprova comercialização da primeira vacina para o Ébola

A Comissão Europeia anunciou no início da semana que concedeu uma autorização para a comercialização da primeira vacina contra o Ébola, designada Ervebo e produzida pela farmacêutica Merck. A vacina estava a ser produzida desde o …

Facebook lança o seu próprio MB Way

O Facebook lançou nos Estados Unidos uma nova funcionalidade para facilitar pagamentos através das quatro principais aplicações do grupo, que é semelhante ao funcionamento das transações com o MB Way. Em comunicado, Deborah Liu, responsável do …

O dilema dos chumbos, o "engano" de Ventura e o "falso liberal". O primeiro debate aqueceu

O primeiro debate quinzenal da legislatura arrancou esta quarta-feira e ficou marcado pelas retenções até ao 9.º ano - Chumba ou não chumba?, quis saber a direita, bem como pelo aumento do salário mínimo nacional …

Sondagem europeia defende tratado internacional que proíba "robôs assassinos"

Quase três em cada quatro pessoas querem que o seu governo colabore com outros países para proibir sistemas letais de armas autónomas. A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) divulgou esta quarta-feira os resultados de uma …

Pentágono está a criar bactérias que detetam explosivos no subsolo

O Pentágono, em conjunto com a empresa de defesa Raytheon, está a desenvolver um sistema capaz de produzir bactérias geneticamente modificadas no subsolo, com o objetivo de detetar explosivos no subsolo. Neste projeto, iniciado pela Agência …